Sexta Black na Fundição Progresso: Jorge Ben Jor & Mano Brown fazem o povo dançar e pular... muito! – 26/10/18

Entre uma chuvinha e o calor da primavera, e dos gritos da Democracia. Teve Jorge Ben Jor e Mano BrownJorge_Ben_Jor_na_Fundição_Progresso_26_10_2018_FOTO_Larissa_Zanchetta_CREDITO_OBRIGATÓRIO na Fundição Progresso para uma noite de muita Black Music na Lapa/RJ. Quem foi não tem como reclamar, já que ninguém conseguiu ficar parado!!! Salve Simpatia tem Boogie Naipe na área!!!

Sexta Black na Fundição Progresso: Jorge Ben Jor & Mano Brown fazem o povo dançar e pular... muito!!! - Lapa/RJ – 26/10/18
TEXTO: Alexandre Beckão – FOTOS: Larissa Zanchetta

Mano_Brown_na_Fundição_Progesso_26_10_2018_FOTO_Larissa_Zanchetta_CREDITO_OBRIGATÓRIO

A noite da última sexta (26/10), foi uma daquelas pra se guardar por muito tempo. As vésperas da eleição, entre um risco de chuva que não saía do ar e de um calor fresquinho de primavera, tudo fazia o Centro do Rio borbulhar de coisas se manifestando. Ao final de uma passeata na Cinelândia, um grupo muito rapidamente organizou um pequeno bloco que subiu cantando pela Rua do Passeio em direção a Lapa. Por conta da manifestação, e claro da sexta feira, os bares e afins da área estavam todos em plena atividade. Num raro momento do cotidiano carioca, o trânsito não estava caótico como de costume, e sem atraso cheguei ao meu destino. Já devidamente pareado por nossa infatigável Fotografa Larissa Zanchetta (Pós Barraca da Fátima, e etc) partimos rumo a nossa tarefa na sempre charmosa Fundição Progresso. Já fazia algum tempo que a visitava, mas passe o tempo que for sempre me encanto com esse belo prédio secular, e patrimônio cultural e afetivo do povo carioca. 

Vamos aos shows...
Enquanto a plateia aguardava o início dos shows, e entre os intervalos a DJ Nicole Nandes fez as honras da casa, e cumpriu a função de não deixar o povo parado. Parabéns, DJ!!!

Jorge Ben Jor: Dificilmente você (eu com certeza!!!) conseguiria fazer aos 73 anos o que Jorge faz. Esse tipo de disposição e motivação é destinado a poucos, e ele abusa Jorge_Ben_Jor_na_Fundição_Progresso_26_10_2018_FOTO_Larissa_Zanchetta_CREDITO_OBRIGATÓRIOquando sobe no palco. Mergulhando dentro de sua própria história, que já tem 55 anos de carreira sua “nova” turnê é uma verdadeira aula sobre quem ele é. Lembrando no formato o seu clássico ao vivo 10 Anos Depois (1973), o show segue em blocos que começam com uma Jam, e dessas levadas musicais fantásticas que surgem são cantadas várias de suas músicas. Bossa Nova, Sambalanço, Dancehall, Samba, muito Funk, Soul, Ska e Rock desfilaram pelos alto-falantes da Jorge_Ben_Jor_na_Fundição_Progresso_26_10_2018_FOTO_Larissa_Zanchetta_CREDITO_OBRIGATÓRIOFundição. E tudo isso, claro, devidamente temperado e encantado pela sempre sensacional Banda do Zé Pretinho. Formada por: Lucas Real (Bateria), Jean (Sax), Dady (Baixo), Marlon (Trombone) e Lory (Teclados) que são o gerador de força desse carrossel musical, que viaja no suingue e no balanço pra deixar a galera doida.

Jorge_Ben_Jor_na_Fundição_Progresso_26_10_2018_FOTO_Larissa_Zanchetta_CREDITO_OBRIGATÓRIOEm um clima de comunhão total com a plateia, Mestre Ben Jor disparou diversos de seus sucessos com o público sempre junto cantando, dançando e pulando por quase 2 horas de show. Se faltaram alguns sucessos, foi puramente porque o tempo foi insuficiente. Mas até o fã mais ortodoxo, curtiu a seleção que o Mestre mandou: “Jorge da Capadócia”; 'O Homem Da Gravata Florida”; “A banda do Zé Pretinho ”; “Santa Clara Clareou ”; “Zazueira ”; “Que Maravilha ”; “Magnólia ”; “Ive Brussel ”; “Quero Toda Noite ”; “Charles, Anjo 45 ”; “Por Causa de Você, Menina ”; “Mas Que Nada ”; “Solitário Surfista” dedica ao campeão Gabriel Medina; “Eu Vou Torcer ”; “Zumbi ”; “Bebete Vãobora”; “Take It Easy My Brother Charles”; “W/Brasil" que valeu também para chamar o síndico com o hino “Do Leme Ao Pontal” (Tim Maia)“; Chove Chuva”; “País Tropical”; ”Ponta de Lança Africano (Umbabarauma) ”; “Fio Maravilha ”; e fechando com “Taj Mahal”. Deborah_Motta_Apresentação_de_tecido_na_Fundição_Progresso_26_10_2018_FOTO_Larissa_Zanchetta_CREDITO_OBRIGATÓRIOVale comentar, e dar os parabéns a toda a equipe técnica de luz e som, que deram mais brilho ao show. Obrigado, Mestre Jorge Ben Jor por mais uma noite sensacional... Salve Simpatia!!!

Antes do show de Mano Brown, houve uma exibição da artista Deborah Motta do Centro Cultural Fundição Progresso executando acrobacias no tecido sobre a plateia. Parabéns pelo belo espetáculo!!!


Mano Brown: Da minha parte muita expectativa em ver no palco o 1º trabalho solo de Mano Brown. Ouvi o álbum Boogie Naipe (2016), e gostei do que encontrei, Mano_Brown_na_Fundição_Progesso_26_10_2018_FOTO_Larissa_Zanchetta_CREDITO_OBRIGATÓRIOprincipalmente quando soube do time de responsa que participou do trabalho. Pessoas da categoria e excelência de Carlos Dafé, Simoninha, Max de Castro, Seu Jorge, William Magalhães, o legendário produtor da Motown Leon Ware (Quincy Jones/Marvin Gaye/Michael Jackson), e o grande Mestre Hyldon, mas curioso mesmo eu estava pra ver ao vivo. Formado por uma grande banda de 14 Mano_Brown_na_Fundição_Progesso_26_10_2018_FOTO_Larissa_Zanchetta_CREDITO_OBRIGATÓRIOpessoas: 2 Guitarras, 2 Teclados, Bateria, 2 Backing Vocals, 2 Metais, Baixo, DJ, 2 B-Boys e Percussão, mais Lino Kriss e Brown que dividem o controle no palco. Lino Kriss também assina a produção musical.

No palco esse super combo de Power Funk arrasa qualquer quarteirão, misturando Hip Hop, R&B, Breakbeat, Soul, e muito Funk. As letras são cheias de sentimento, e parecem quase confessionais, falando quase sempre de amores perdidos, saudades, paz interior e de novas conquistas. O show é bem coreografado, nada que lembre um musical, e traz um Brown mais leve, divertido, e relaxado. Ele se divertiu com o público conversando muito, e trazendo casais da plateia para dançar no palco. Ciente do carisma que possui, fez Mano_Brown_na_Fundição_Progesso_26_10_2018_FOTO_Larissa_Zanchetta_CREDITO_OBRIGATÓRIOuma apresentação muito bacana e descontraída, e com um som de altíssima qualidade uma cortesia da excelente banda Boogie Naipe. O show seguiu a sequência do álbum: “Gangsta Boogie” ; “Mal de Amor”; “Boa Noite São Paulo ”; “Mulher Elétrica” cantada em coro pelo público; “Foi Num Baile Black”; “Louis Lane ”; “Dance, Dance, Dance” novamente acompanhado pelo público; “Flor do Gueto ”; “La Onda ”; “Nova Jerusalém ”; “Nave Mãe ”; “Adicto ”; “Amor Distante ”; “De Frente Pro Mar”; “Você e Eu... Só! ”; e “Felizes”.

Vale destacar a bela iluminação com cenas elaboradas e cores bem vivas. Parabéns, Mano Brown e Boogie Naipe por uma noite Black de primeira!!! Valeu!!! - Alexandre Beckão.

Alexandre Beckão é: Carioca, Aquariano, Dublê de DJ & Produtor de Eventos e devotado de forma irreversível à Música. Paz & Música!!! Namastê!!!

Portal Rock Press