Rio de Janeiro, e as Bênçãos de Jah! The Congos + The Slackers + Rod Anton + Bnegão & Os Seletores de Frequência

É sexta... É maio... O clima é de calor morninho... É bairro da Lapa/Rio de Janeiro, e a noite é no palco mais The Congos FOTOS Larissa Zanchettacarioca que existe desde o Cassino da Urca. Pois é, tô falando do Circo Voador sobre as bênçãos de Jah para receber os shows do The Congos, The Slackers, Rod Anton e BNegão & Os Seletores de Frequência. Sentiu a energia!? Vamos saber como foi a noite do Reggae no Circo Voador!!!
 

O Rio de Janeiro, e as Bênçãos de Jah... 
The Congos + The Slackers + Rod Anton + BNegão & Os Seletores de Frequência
Circo Voador/ - Lapa/RJ - dia 18 de maio de 2018
TEXTO: Alexandre Beckão – FOTOS: Larissa Zanchetta

Ah... A Lapa... O lar de tudo e todos! Mas pra quem ainda não sabe ou teve esse prazer, deixa e te dar uma situada. Uma das marcas principais do bairro é a total harmonia de convivência das mais diversas tribos urbanas. Desde os anos 1950, quando começou a ser chamada de "Montmartre Carioca", a Lapa é o palco de encontro de artistas, músicos, intelectuais, e principalmente, do povo carioca, que ali se reúne para celebrar o Samba, o Forró, o Choro, o Rock, o Reggae, O Rap, e a Música Eletrônica. Todo e qualquer um, que já tenha se envolvido direta ou indiretamente com cultura no Rio de Janeiro, já passou em algum momento pela Lapa! Fiquei um bom tempo afastado dos sedutores encantos que o bairro produz, e antes de entrar no Templo, e comungar com os outros Filhos de Jah, resolvi dar um rolê só pra sentir aquela Vibe Boa, que só lá tem. A sensação de subir a Rua Evaristo da Veiga e entrar na Rua Joaquim Silva, me faz ter orgulho de ser Carioca. Ainda é cedo, e a Fauna e Flora estão começando o seu balé noturno pelos bares, ambulantes e points da área, mas hoje tá calor e quem conhece sabe que a noite promete. Como estamos de serviço (Eu, e nossa destemida fotógrafa Larissa Zanchetta) damos uma paradinha de leve na Barraca da Fátima, e despachamos o calor e a ansiedade com o sabor de fruta gelada. Refrigerado os pensamentos, vamos pro Circo, já que a noite vai ser longa.

O som e a luz estavam harmônicos em todos os shows. Cabe aqui um destaque a excelente sonorização do evento, por conta de uma excelente playlist elaborada pelo produtor do evento e sua esposa, que durante os “Curtos Intervalos” (Parabéns a Produção!!), não deixou a vibração cair nem por um segundo sequer... (Jah Bless You All...)!! E um Salve ao Jeru Banto da Digitaldubs que marcou presença no show!!!

Assim sendo, vamos aos shows...
Bnegão & Os Seletores de Frequência: Já faz muito tempo que B. Black e seu combo de Feras deixaram de ser uma promessa, e tornaram-se uma das joias da coroa do BNegão FOTO Larissa Zanchettasom alternativo no Rio de Janeiro. Competência, estilo, qualidade sonora, e uma alta empatia com seu público faz deles não à Prata daBNegão FOTO Larissa Zanchetta Casa, mas o Ouro da Casa, pra começar os trabalhos da noite, sob a poderosa vibração jamaicana. Aproveitando o clima do evento lançaram um projeto inédito, sai o Groove Funk do som (como se isso fosse possível!), e entram o Reggae, o Dub, o Ska e o Ragga. E com algumas atualizações na formação também, trazendo na guitarra Ulisses Capeletti (ex-Squaws/ex-Superágua), na percussão Pacato e no baixo Nobru Pederneiras (Planet Hemp). Com essas regras aplicadas o repertório dos últimos 15 anos é redesenhado e expandido. Clássicos da banda como: “Sintoniza-lá”, “Enxugando Gelo”, “Prioridades”, “A Palavra”, “O Mundo (Panela De Pressão)”, “Proceder/Caminhar”, “Dias da Serpente”, “Nós (Ponto de Mutação)”, entre outras, e um empolgante cover de “Babilônia”, do EP - King Kongo (1987) do lendário grupo carioca Kongo, ganham um brilho muito especial e deixam a galera no clima certo. O show contou ainda com a participação especial de Dave Hillyard (The Slackers), dando uma prévia do que ainda viria na sequência. Pra variar, a única reclamação que tenho é que show foi curto, mas isso a gente perdoa já que logo, logo deve ter mais... Jah Bles!!!

The Slackers: Vic Ruggiero (Vocal e Teclados), Ara Babajian (Bateria), Marcus Geard (Baixo), Dave Hillyard (Saxofone), Jay Nugent (Guitarra e Percussão), e Glen The Slackers FOTO Larissa Zanchetta Pine (Voz, Trombone e Percussão) são uma verdadeira máquina de festa. É impossível ficar parado ou manter uma conduta, que não seja a de dançar sem parar. Se você não faz a menor ideia do que eu estou falando, procure qualquer álbum dos caras. Já são mais de 25 anos de uma carreira de muito respeito e qualidade. A poderosa mistura de Reggae, Rock, Rocksteady, e Ska (muito Ska!) estão distribuídos em mais de 20 álbuns de estúdio e ao vivo, EPs e coletâneas formando um acervo impressionante. O resultado disso é que do primeiro ao último acorde,The Slackers FOTO Larissa Zanchetta você só consegue pensar em dançar. “She Wants To Be Alone”, “Sarah”, “Watch This”, “Manuel”, “The Prophet”, “I'll Stay Away”, “Old Dog” com direito ao acompanhamento entusiasmado pelo público, “Strychnine (The Sonics Cover)”, “What Went Wrong”, “I Can't Hide”, “The Fool”, “Have The Time” cantando em coro pela galera, “Keep Him Away”, “Keep It Simple”, e muitas outras, foram tocadas de forma magistral. Mas o ponto alto foi a versão de “Minha Menina” do Jorge Ben, se desde o inicio o público já respondia com uma grande interação com a banda, aqui a coisa subiu de nível. Cantada a plenos pulmões por todos os presentes, deu pra sentir Jah batendo os pés no ritmo do Ska. E a orelha do Mestre Jorge Ben Jor ardeu, tenho certeza disso. E ficamos assim, um show fantástico de uma banda fantástica, que não sei o porquê, não vem aqui pelo menos de 6 em 6 meses, só pra nos deixar mais alegres... APOIAMOS!! Obrigado, The Slackers, e voltem logo, por favor!!!

Rod Anton: O caçula desse presente de Jah aos nossos ouvidos, uma grata surpresa. Já que a grande maioria, ainda não conhecia o seu trabalho. Rod Anton Rod Anton FOTO Larissa Zanchettafoi acompanhado pela banda de apoio do The Congos e em pouco mais de 30 minutos de apresentação, conquistou a atenção e o interesse De todos. Como não houve liberação do setlist ficou difícil identificar algumas faixas, mas o repertório consistia em sons de todos os seus 4 álbuns. Músicas como “Xingu People” (um forte protesto contra a devastação da Amazônia), “Mr. Rcihman”, “Leaders Of Tomorrow” com a participação dos The Congos, do álbum Reasonin' de 2012, assim como “Balance” do álbum Wevolution de 2014, e “Eternal Bliss”, “Be Wised” do álbum Ubatuba de 2017 foram muito bem recebidas pela plateia, que pode assim entender o prestígio que o francês tem junto aos grandes mestres. Destaque para “Jerusalem” cover do Alpha Blondy, cantada em coro pela plateia. Mais um ponto, pro saldo positivo dessa noite de boa música e fantástico público. Volte quando quiser, Rod Anton...

The Congos: Cedric “Congo” Myton, Congo “Ashanti” Roy, Watty “King” Burnett e Kenroy Fyffe subiram ao palco ovacionados por toda a casa. Mesmo diante de toda a The Congos FOTO Larissa Zanchettaadmiração e respeito que provocam, eles tem o dom sublime de não deixar que isso os atrapalhe na hora de espalhar a mensagem. Sua humildade e carisma são tão grandes, que não deixa que a língua seja um obstáculo, ao estarem com seu público. É tipo aquele time do coração, que entra em campo já campeão, e mesmo assim joga tudo que pode dando umThe Congos FOTO Larissa Zanchetta espetáculo para a plateia e demonstrando o máximo de respeito ao seu adversário. Com o jogo ganho antes do apito inicial, os clássicos vão sendo tocados e a plateia vai a transe absoluto junto. Dos primeiros acordes de “Congoman”, “Don't Blame On I”, “Open Up The Gate”, “La La Bam Bam” que fez o Circo tremer, “Sodom And Gomorrow”, “Stay Alive”, “Fisherman” com a galera junto, “Music Maker”, “Sinking Ship”, “Children Crying”, “Rock Of Gibraltar”, “Solid Foundation”, “At The Feast”, Food For The Rainy Day”, e outras. Mas as lendas são assim, foram quase 2 horas de show e o público só queria mais, deixando claro e sem exagero o poder de sua história. Sobre uma imensa ovação final, saíram do palco com o dever de espalhar a palavra de Jah cumprido para mais uma nova geração. E assim são eles a mais de 40 anos... (Jah Bless You All!!!). Valeu Circo Voador, por mais uma noite histórica nos nossos corações... Jah Bless You!!! - TEXTO: Alexandre Beckão – FOTOS: Larissa Zanchetta. 

Portal Rock Press