RADIOHEAD

Principal atração e curador do Soundhearts Festival que acontece na América do Sul, o Radiohead volta ao Brasil. Passados nove Dossiê Radioheadanos, desde a primeira e única passagem da banda em território nacional, nessa nova visita ao Brasil se apresenta com Flying Lotus, Junun e os paulistanos do Aldo, The Band. Os shows acontecem dia 20/4 na Jeunesse Arena no Rio de Janeiro e em São Paulo no Allianz Parque, ema 22/4. O Soundhearts também tem edições na Argentina (14/4), Peru (17/4) e Colômbia (25/4). A MOVE Concerts realiza do Festival.


DOSSIÊ: RADIOHEAD 
TEXTO: Alexandre Beckão – FOTOS: Divulgação

Radiohead

Radiohead Just a Fest BrasilNa sua primeira vinda ao Brasil em 2009, o Radiohead fez dois shows, um na Praça da Apoteose/RJ (20/03), e outro na Chácara do Jóquei em São Paulo (22/3). As apresentações fizeram parte do festival o “Just a Fest”, que teve em seu Line Up o "Deutsche Meister", o lendário Kraftwerk, e os brasileiros dos Los Hermanos. Os shows foram aclamados por público e crítica, rendendo o “Radiohead – Projeto Rain Down”, Radiohead Just a Fest Rio de Janeiro Brasiluma iniciativa dos fãs para a produção de um DVD com registros amadores captados pelo público e disponibilizados na internet. O projeto foi encabeçado pelo Web Designer paulistano Andrews Ferreira Guidis. Um belo registro do carinho dos fãs brasileiros com a banda e um retorno positivo para ambos. De lá para cá, três álbuns foram lançados, o material antigo foi sendo reconstruído e retrabalhado através de remixes. 

Ao longo dos anos, o Radiohead vendeu mais de 30 milhões de discos no mundo. Em 2005, asseguraram o 73º lugar do ranking da Radiohead Soundhearts FestivalRolling Stone dos "Os Maiores Artistas de Todos os Tempos". Além disso, Jonny Greenwood (em 48º) e O'Brien (em 59º) figuraram a lista dos maiores guitarristas, enquanto que Yorke (em 66º), ocupou a lista dos maiores cantores, já em 2009 os leitores da publicação elegeram o grupo como o 2º melhor artista dos anos 2000. No ano de 2017, foram indicados ao Hall da Fama do Rock & Roll.

Ou seja, se você ainda tem dúvidas quanto ao valor da obra do Radiohead, chega mais leia esse Dossiê sobre a banda e entenda que ainda não é tarde demais para garantir seu ingresso. Saiba tudo em nossa Matéria sobre o festival: http://portalrockpress.com.br/radiohead-encabe%C3%A7ando-o-soundhearts-festival

Comecemos pelo começo...
RadioheadOs membros do Radiohead se conheceram enquanto frequentavam a Abingdon School, uma escola para meninos em Abingdon, Oxfordshire. Thom Yorke (guitarra e vocal) e Colin Greenwood (Baixo), Ed O'Brien (guitarra) e Philip Selway (bateria) e Jonny Greenwood (multi-instrumentista), irmão de Colin. Em 1985, eles formaram a banda On a Friday, o nome referenciava o dia de ensaio habitual da banda na sala de música da escola. Jonny foi o último a entrar, primeiro na gaita e depois assumiu os teclados, mas logo se tornou o guitarrista principal. Ele já havia tocado em outra banda, o Illiterate Hands, com o músico Nigel Powell e o irmão de Yorke, Andy Yorke. Segundo Colin, eles escolhiam os instrumentos porque queriam tocar juntos, em vez de se interessar por um instrumento em particular: “Era mais um ângulo coletivo, e se você pudesse contribuir com outra pessoa tocando seu instrumento, então isso era muito legal". Em um ponto, On a Friday chegou a contar com uma seção de saxofones. A banda não gostava da atmosfera restritiva da escola, o diretor certa vez cobrou pelo uso da sala para ensaios em um domingo, e eles encontraram apoio no departamento de música da escola. Deram crédito ao professor de música por apresentá-los ao jazz, trilhas sonoras de filmes, à música de vanguarda do pós-guerra e à música clássica do século XX.

RADIOHEAD On A friday Demos 1A região de Oxfordshire e o Thames Valley tinha uma cena musical independente bem ativa no final dos anos 80, mas se concentrava em bandas de Shoegazer como Ride e Slowdive. Embora todos, exceto Jonny, tivessem deixado Abingdon em 1987 para cursar a universidade, On a Friday continuou a ensaiar nos finais de semana e feriados. Na Universidade de Exeter, Yorke tocou com a banda Headless Chickens, estas músicas seriam incluídas no futuro material do Radiohead, e conheceu o artista Stanley Donwood, que mais tarde criaria a arte para a banda. Em 1991, On a Friday foi reagrupado, eles passaram a compartilhar uma casa na esquina da Magdalen Road e Ridgefield Road, em Oxford. Ainda como On a Friday continuaram a se apresentar na cidade, incluindo apresentações na Jericho Tavern, despertandoRadiohead a visibilidade de gravadoras e empresários. Chris Hufford, era empresário do Slowdive e coproprietário do Courtyard Studios em Oxford, assistiu há um show deles na Jericho Tavern. Impressionado, ele e seu parceiro Bryce Edge produziram uma fita demo e se tornaram seus empresários, e continuam como empresários do Radiohead.

No final de 1991, após um encontro casual entre Colin e Keith Wozencroft, então representante do departamento de A&R da EMI, na loja de discos Our Price, onde Colin trabalhava, a banda assinou contrato para seis álbuns com a EMI. Foi solicitado que trocassem o nome, a inspiração para o nome veio da música "Radio Head" do disco True Stories (1986), do Talking Heads.

Creep – Insignificante...
Radiohead - Pablo Huney 1993O Radiohead gravou o Drill - EP, com a produção de Chris Hufford e Bryce Edge no Courtyard Studios. Lançado em maio de 1992, seu desempenho gráfico foi bem fraco. Foi recrutado Paul Kolderie e Sean Slade, que haviam trabalhado com Pixies, Dinosaur Jr..., para produzir seu primeiro álbum, gravado rapidamente em Oxford ainda em 1992. Com o lançamento do single "Creep" no final daquele ano, O Radiohead começou a receber atenção na imprensa britânica especializada, mas nem tudo foi favorável. NME descreveu-os como "Uma desculpa para uma banda de rock", e "Creep" foi colocada na lista negra da BBC Radio 1 porque foi considerada "Muito Deprimente". O Radiohead lançou, Pablo Honey, seu álbum de estreia, em fevereiro de 1993. Estacionou no 22º das paradas britânicas, com "Creep" e seus outros singles "Anyone Can Play Guitar" e "Stop Whispering" que não se tornaram hits. E "Pop Is Dead", um single que não estava no álbum, e também não emplacou. Alguns críticos associaram o som da banda ao contemporâneo grunge, apelidando-os de “Nirvana-lite”, e Pablo Honey não conseguiu causar um bom impacto crítico ou comercial, apesar das influências compartilhadas com outras bandas da época, e de alguns avisos para o falsete de Yorke, a banda rodou apenas em universidades e clubes britânicos. Porém, pouco a pouco, a banda começou a atrair ouvintes em outros lugares. "Creep" era tocada com frequência pelo influente DJ Yoav Kutner de Israel, e em março, com a música se tornando sucesso naquele país, eles foram convidados a ir a Tel Aviv para seu primeiro show no exterior. Na mesma época, a rádio Alternativa KITS de São Francisco/EUA, adicionou "Creep" à programação e logo outras estações ao longo da Costa Oeste dos EUA seguiram o exemplo. O Radiohead começou sua primeira turnê norte-americana em junho de 1993 com o videoclipe de “Creep” em alta rotatividade na MTV. A música subiu para a 2ª posição da Modern Rock dos EUA, atingiu o 7º lugar na UK Singles Chart, quando a EMI a relançou no Reino Unido em setembro. A atenção inesperada para o single nos EUA levou a EMI a improvisar novos planos promocionais, e a banda viajou entre os continentes, tocando em mais de 150 shows só em 1993.

Nesse período quase se separaram devido à pressão do sucesso repentino, e com a turnê de Pablo Honey sendo estendida ao seu 2º ano, a banda descreveu os shows como algo difícil de levar, dizendo que estavam tocando o mesmo repertorio gravado dois anos antes. “Era como se estivéssemos parado no tempo". Na verdade estavam ansiosos para compor material novo.

Começaram a produzir o 2º álbum em 1994 com o veterano produtor do Abbey Road Studios, John Leckie. A pressão era forte, com expectativas crescentes para coincidir com o sucesso de "Creep". A gravação não fluía natural no estúdio, com a banda ensaiando demais. Buscando uma mudança de ares, eles viajaram pelo Extremo Oriente, Austrália e México, e encontraram maior confiança ao tocar música ao vivo. No entanto, Yorke estava incomodado com sua nova fama e insatisfeito Radiohead - My Iron Lung 1994por estar "no topo do sexy e atrevido estilo de vida da MTV", que ele estava ajudando a vender para o mundo. O EP e o single “My Iron Lung”, são lançados em 1994, era a reação do Radiohead e marca a transição para a uma maior profundidade sonora que eles pretendiam em seu 2º disco. Essa foi a primeira vez que eles trabalharam com seu futuro produtor, Nigel Godrich, que na época era o então engenheiro de som. Foi também a primeira colaboração deles com o artista Stanley Donwood, que passaria a produzir toda a arte gráfica, a partir dali. Com promoção nas rádios alternativas, as vendas de “My Iron Lung” foram melhores do que o esperado, e sugeriu pela primeira vez que a banda tinha encontrado uma base de fãs leais, e não apenas um grupo de um só sucesso. Terminaram de gravar seu 2º álbum no final do ano, e lançaram The Bends, em março de 1995. Radiohead - The Bends 1995O álbum foi marcado por riffs densos e atmosferas etéreas dos três guitarristas da banda, com maior uso de teclados do que na sua estreia. Recebeu críticas mais consistentes por suas composições e shows. Eram vistos como estranhos à cena Britpop que dominava a atenção da mídia inglesa na época, eles finalmente tiveram sucesso em seu país de origem com The Bends, com os singles de "Fake Plastic Trees", "High And Dry", "Just" e "Street Spirit (Fade Out)" chegaram ao sucesso das paradas inglesas. A última música colocou o Radiohead entre os 5 Top Hits pela primeira vez. Em 1995, voltaram a percorrer a EUA e Europa, desta vez abrindo para o R.E.M., uma de suas grandes influências e na época uma das maiores bandas do mundo. O burburinho criado por fãs famosos como Michael Stipe do R.E.M., juntamente com os clipes para "Just" e "Street Spirit", sustentaram a popularidade da banda. "High And Dry" se tornou um sucesso modesto e mesmo com a crescente base de fãs foi insuficiente para repetir o sucesso mundial de "Creep". The Bends atingiu o 88º lugar nas paradas de álbuns dos EUA, e continua sendo a mais baixa colocação. No entanto, a banda ficou satisfeita com sua recepção. Jonny Greenwood disse mais tarde: "Acho que o ponto de virada para nós aconteceu nove ou doze meses depois que o The Bends foi lançado, e começou a aparecer (melhor!) nas pesquisas para o final do ano. Foi quando começamos a perceber que fizemos a escolha certa sobre ser uma banda.” Nos últimos anos, The Bends apareceu em listas de muitos dos melhores álbuns de todos os tempos, incluindo a edição de 2012 da Rolling Stone dos "500 Maiores Álbuns de Todos os Tempos" no 111º lugar.

Lucky – Sortudo...
No final de 1995, gravaram uma música que apareceria no próximo disco, “Lucky” foi lançada como single para promover o The Help Álbum da Fundação Beneficente War Child. O registro aconteceu em uma breve sessão com Nigel Godrich, o jovem engenheiro de som que os ajudou em The Bends e produziu um B-Side "Talk Show Host" (1996). Decidiram se autoproduzir com a ajuda de Godrich e começaram os trabalhos no início de 1996. Em julho eles gravaram quatro sons no próprio estúdio de ensaio, o Canned Applause, um depósito de maçãs convertido em estúdio e perto de Didcot, Oxfordshire. Em agosto de 1996, o Radiohead fez uma turnê abrindo para Alanis Morissette. Depois retomaram a gravação, não mais em seu estúdio, mas no St. Catherine's Court, uma mansão do século 15 perto de Bath, Somerset. As sessões foram relaxadas, com a banda tocando a qualquer hora do dia, gravando em salas diferentes e ouvindo os Beatles, DJ Shadow, Ennio Morricone e Miles Davis como inspiração.

Radiohead - Ok Computer 1997O Radiohead lançou seu 3º álbum, OK Computer, em junho de 1997. O álbum encontrou a banda experimentando estruturas de canções e incorporando influências de Ambient, Avant garde e Eletrônica, o que levou a Rolling Stone a chamar o álbum de "impressionante tour de force pelo art-rock". De pronto, negaram fazer parte do gênero Rock Progressivo, mas os críticos começaram a comparar seu trabalho com o Pink Floyd, uma banda cujo trabalho no início dos anos 1970 influenciou as partes de guitarra de Greenwood na época. Alguns compararam OK Computer tematicamente com The Dark Side Of The Moon (1973), embora Yorke já tenha dito que as letras do álbum foram inspiradas na observação da "velocidade" do mundo nos anos 90. As letras de Yorke, incorporam diferentes personagens, e expressaram o que uma revista chamou de "blues do fim do milênio" em contraste com as canções mais pessoais de The Bends. Segundo o jornalista Alex Ross, a banda havia se tornado "garotos-propaganda de um certo tipo de alienação consciente”, como os Talking Heads e R.E.M. haviam sido antes". O fato foi que OK Computer foi aclamado pela crítica. Yorke disse que: “Fiquei espantado com a recepção que teve. Nenhum de nós sabia mais ao certo se era bom ou ruim .Mas o que mais me impressionou foi o fato de que as pessoas tinham captado todas as coisas, todas as texturas e os sons e as atmosferas que nós estávamos tentando criar.”

OK Computer foi o primeiro nº 1 disco da banda nas paradas do Reino Unido, impulsionando-os ao sucesso comercial em todo o mundo. Apesar de ter chegado ao nº 21 nas paradas EUA, o álbum acabou sendo reconhecimento no Mainstream, dando a eles o seu 1º Grammy Awards, com o prêmio de Melhor Álbum Alternativo, e uma indicação para Álbum do Ano. "Paranoid Android", "Karma Police" e "No Surprises" foram lançados como singles, dos quais "Karma Police" teve mais sucesso internacionalmente. OK Computer passou a ser classificado como "Best-of" nas listas de álbuns britânicos. No mesmo ano, o Radiohead tornou-se uma das primeiras bandas do mundo a ter um web site, e desenvolveu um seguimento online dedicado. Poucos anos depois, haviam dezenas de sites de fãs dedicados à banda.
O lançamento de OK Computer foi seguido pela turnê mundial "Against Demons", incluindo o primeiro show no Glastonbury Festival em 1997. Apesar dos problemas técnicos que quase levaram Yorke a abandonar o palco, o desempenho foi aclamado e estabeleceu o Radiohead como grande show. A tour foi registrada por Grant Gee, diretor do clipe de "No Surprises", para o documentário “Meeting People Is Easy” (1999), que retrata a insatisfação da banda com a indústria musical, imprensa e mostrando o desgaste com a turnê.

How To Disappear Completely - Como desaparecer completamente...
O Radiohead ficou inativo após o fim da turnê 1997/1998. A única aparição pública em 1998 foi em um concerto da Anistia Internacional em Paris. Durante esse período, a banda chegou perto de se separar, e Yorke desenvolveu uma grave depressão. No início de 1999, começaram a trabalhar em seu próximo disco. Embora o sucesso da OK Computer tenha significado que não havia mais pressão e nem prazo de entrega de sua gravadora, a tensão era alta. Os integrantes do Radiohead tinham visões diferentes para o futuro da banda, e Yorke experimentou o bloqueio de escritor, influenciando-o em direção a composições mais abstratas e fragmentadas. Radiohead - Kid A 2000Isolaram-se com o produtor Nigel Godrich em estúdios de Paris, Copenhague e Gloucester, e em seu recém-concluído estúdio em Oxford. Eventualmente, os músicos concordaram em uma nova direção musical, redefinindo seus papéis instrumentais. Depois de quase 18 meses, as sessões de gravação foram concluídas em abril de 2000 e em outubro daquele ano, o Radiohead lançou seu quarto álbum, Kid A, o primeiro de dois álbuns criados nessas sessões de gravação. Afastando-se de OK Computer, Kid A apresentava um estilo minimalista e texturizado com instrumentação mais diversificada, incluindo Ondes Martenot, batidas eletrônicas programadas, cordas e metais de jazz. Ele estreou em 1º lugar em muitos países, incluindo os EUA, onde se tornou o 1º álbum do Radiohead a estrear no topo da parada da Billboard e o primeiro álbum em 1º lugar nos EUA por qualquer banda britânica desde as Spice Girls em 1996. Este sucesso foi atribuído, ao marketing, ao vazamento do álbum na rede de compartilhamento Napster alguns meses antes de seu lançamento, e para antecipar a antecipação baseada, em parte, ao sucesso de OK Computer.

Embora não tenham lançado singles de Kid A, as faixas promocionais "Optimistic" e "Idioteque" receberam atenção das rádios, e a série de "Blips", ou pequenos vídeos gravados com partes de faixas, foram tocados em canais de música e lançados gratuitamente online. Inspirados pelo livro antiglobalização de Naomi Klein, No Logo, o Radiohead continuou uma turnê pela Europa em 2000 em uma tenda construída sob encomenda e livre de propaganda. Eles também promoveram Kid A com três shows esgotados nos EUA. O disco recebeu um Grammy de Melhor Álbum Alternativo e uma nomeação para Álbum do Ano no início de 2001. Ganhou elogios e críticas na cena musical independente por se utilizar de estilos Underground de música. A imprensa inglesa considerou Kid A como uma "nota de suicídio comercial", rotulando-o de "intencionalmente difícil" e desejando um retorno ao estilo anterior da banda. Os fãs ficaram igualmente divididos, entre aqueles que ficaram chocados ou confusos, e os que consideraram o melhor álbum do Radiohead. Yorke negou que tenha decidido evitar as expectativas comerciais, dizendo: "Fiquei realmente impressionado com o quanto Kid A estava sendo notado... porque a música não é tão difícil de entender. Não estamos tentando ser difíceis... Na verdade estamos tentando nos comunicar, mas em algum lugar ao longo do caminho, apenas parecíamos estar chateando muita gente... O que estamos fazendo não é radicalizar.”

O álbum tem sido citado como um dos “Melhores de Todos os Tempos” por publicações como Time e a Rolling Stone. O Pitchfork, o Times e a Rolling Stone nomearam-no como o melhor álbum da década.

Radiohead - Amnesiac 2001O quinto disco é Amnesiac, lançado em junho de 2001, incluía faixas adicionais das sessões de gravação de Kid A, além de "Life In A Glasshouse", faixa gravada após o lançamento de Kid A com a banda Humphrey Lyttelton. O Radiohead enfatizou que eles viam Amnesiac não como uma coleção de Lados B ou "sobras" de Kid A, mas um álbum por si só. O disco liderou a parada do Reino Unido, alcançou o nº 2 nos EUA, foi indicado ao Grammy Award e ao Mercury Music Prize. "Pyramid Song" e "Knives Out", os primeiros singles desde 1998, foram modestamente Radiohead - I Might Be Wrong Live Recordings 2001bem-sucedidos. A turnê promocional passou pelos EUA, Europa e Japão e rendeu um disco ao vivo, I Might Be Wrong: Live Recordings, lançado em novembro de 2001, apresentando performances de sete sons de Kid A e Amnesiac, e a faixa acústica inédita "True Love Waits".

Entre julho e agosto de 2002, o Radiohead excursionou por Portugal e Espanha, apresentando uma série de novas músicas. Para o próximo álbum, procuraram explorar a tensão entre a música humana e a gerada por máquinas, e capturar um som ao vivo mais imediato. Eles e Godrich gravaram a maior parte do material em 2 semanas no Ocean Way Recording, em Los Angeles, com o resto do disco gravado em Oxford no ano seguinte. A banda descreveu o processo de gravação como relaxado, em contraste com as sessões tensas para Kid A e Amnesiac.

Radiohead - Hail to the Thief 2003O sexto álbum foi, “Hail To The Thief”, lançado em junho de 2003, combinando rock de guitarra com música eletrônica. As letras foram influenciadas pelo que Yorke chamou de: "o senso geral de ignorância, de intolerância, de pânico e de estupidez" por conta das eleição presidenciais de 2000 nos EUA e que elegeu George W. Bush. O álbum foi promovido através de um site, o Radiohead.tv, em que curtas-metragens, videoclipes e webcasts ao vivo do estúdio foram transmitidos em horários programados. Hail To The Thief estreou no nº 1 do Reino Unido, no nº 3 da Billboard, e acabou por ser certificado como Platina no Reino Unido e Ouro nos EUA. Os singles "There There", "Go To Sleep" e "2 + 2 = 5" conseguiram grande divulgação nas rádios de Modern Rock. No Grammy Awards de 2003, foram novamente indicados como Melhor Álbum Alternativo, o produtor Godrich e o engenheiro de som Darrell Thorp receberam o prêmio de Melhor Engenharia de Som. Em maio de 2003, embarcaram em uma turnê mundial, e encabeçaram o Glastonbury Festival pela 2ª vez. A turnê teve seu fim em maio de 2004 com uma apresentação no Coachella Festival/Califórnia.

Com Hail To The Thief o contrato com a EMI terminou e em 2005, Yorke disse a Time: "Eu gosto das pessoas em nossa gravadora, mas o tempo chega quando você precisa perguntar por que alguém precisa de alguém. E, sim, provavelmente nos daria algum prazer perverso dizer: Foda-se para este modelo de negócio decadente.” Em 2006, o New York Times descreveu o Radiohead como “de longe a banda mais famosa do mundo sem um contrato”.

Jigsaw Falling Into Place - O Quebra-cabeça Se Encaixa...
Após a turnê Hail To The Thief, o Radiohead entrou em hiato, dedicando-se as suas famílias e projetos paralelos. Yorke e Jonny Greenwood contribuíram no single do Band Aid 20 "Do They Know It's Christmas?”, produzido por Godrich. Greenwood, compôs trilhas sonoras para os filmes Bodysong (2004) e Sangue Negro (2007). Esse último, iniciou várias parcerias entre Greenwood e o diretor Paul Thomas Anderson. Em julho de 2006, Yorke lançou seu primeiro disco solo, The Eraser, composto principalmente de música eletrônica. Ele disse à Pitchfork: "Estou na banda desde que deixamos a escola e nunca ousamos fazer nada sozinhos... Foi tipo, Cara, eu tenho que descobrir como é, sabe?"

O Radiohead começou a trabalhar em seu sétimo álbum em fevereiro de 2005, sem gravadora. Em um esforço para "sair da zona de conforto", eles decidiram não envolver Godrich, com quem gravaram cinco álbuns, e contrataram o produtor Spike Stent. A colaboração com Stent não teve sucesso, e terminou em abril de 2006. Em setembro de 2005, eles contribuíram com "I Want None Of This", para o álbum de caridade War Child Help: A Day In The Life. O álbum foi vendido online e a faixa deles foi a mais baixada, embora não tenha sido lançada como single. No final de 2006, após percorrer Europa e EUA com material novo, a banda reconvocou Godrich e retomou o trabalho em Londres, Oxford e Somerset, na Inglaterra. O álbum foi concluído em junho de 2007.

Radiohead - In Rainbows 2007Inovando mundialmente o formato de distribuição de um disco, o 7º álbum é In Rainbows e foi lançado no site da banda em outubro de 2007, como um download para qualquer quantia que os usuários quisessem pagar, incluindo 0 libras. Um marco no uso do modelo Pay-What-You-Want para vendas de música. O lançamento em Pay-What-You-Want, o primeiro por um grande Artista, fez manchetes em todo o mundo e provocou debates sobre as implicações para a indústria da música. De acordo com Revista Mojo, o lançamento foi "Saudado como uma revolução na forma como grandes bandas vendem suas músicas", e a reação da mídia foi esmagadoramente positiva. A Time disse que isso era "Facilmente o lançamento mais importante da história recente da indústria musical". O fato atraiu críticas de músicos como Lily Allen e Kim Gordon, que sentiram que o lançamento abalava os artistas de menor visibilidade. Colin Greenwood explicou o lançamento na Internet como uma maneira de evitar as "Playlists Controladas" e "Formatos Estreitos" de rádio e TV, garantindo que os fãs ao redor do mundo pudessem experimentar a música ao mesmo tempo e evitar vazamentos antes de uma liberação física. O'Brien disse que a estratégia de auto-lançamento vendeu menos discos, mas fez mais dinheiro para Radiohead In Rainbows – From the Basement 2008caixa da banda, afinal, havia intermediários. Uma edição especial "Box-Set" de In Rainbows, contendo o disco em vinil, um livro de capa dura e um segundo CD de músicas extras, também foi vendida no site da banda e enviada no final de 2007.

Contudo, a versão física de In Rainbows foi lançado no Reino Unido em dezembro de 2007 e nos EUA em janeiro de 2008, atingindo o 1º lugar em ambos. O sucesso do disco nos EUA, mesmo depois de ter sido legalmente disponibilizado como download gratuito, foi o maior do Radiohead naquele país desde Kid A e tornou-se o seu 5º álbum em 1º lugar no Reino Unido, vendendo mais de 3 milhões de cópias em um ano. O disco foi aclamado pela crítica por seu som mais acessível e suas letras pessoais, foi indicado para a lista do Mercury Music Prize e ganhou o Grammy de Melhor Álbum de Música Alternativa de 2009. A equipe de produção ganhou o Grammy de Melhor Box-Set ou Special Limited Edition, enquanto recebiam sua 3ª indicação para Álbum do Ano. Junto com outras três indicações para a banda, a produção de Godrich e o videoclipe de "House Of Cards" também receberam indicações. Yorke e Jonny Greenwood tocaram "15 Step" acompanhados da Banda Marcial da Universidade do Sul da Califórnia na premiação televisionada.

Os singles de In Rainbows foram: "Jigsaw Falling Into Place" que saiu em janeiro de 2008, seguido por "Nude", e que estreou no 37º na Billboard Hot 100, o primeiro na parada desde "High And Dry", e seu 1º Top 40 Hit nos EUA desde "Creep”. Em abril de 2008, lançaram o W.A.S.T.E. Central, um serviço de rede social para os fãs da banda. Em maio, a VH1 transmitiu In Rainbows - From The Basement, um episódio especial do programa de televisão "From The Basement", no qual a banda tocou músicas do In Rainbows, e o material foi lançado no iTunes em junho. No mesmo mês, a EMI lançou o álbum Radiohead: The Best Of. Uma compilação, feita sem a participação da banda, contendo apenas músicas lançadas sob o contrato com a EMI. Yorke criticou o lançamento: "Não há nada que possamos fazer sobre isso. O trabalho é realmente de propriedade pública agora, pelo menos na minha cabeça. É uma ideia desperdiçada, se estivéssemos juntos nisso e queríamos fazer parte disso, então poderia ter sido bom".

A EMI ainda lançou em agosto daquele ano "Edições Especiais" do catálogo anterior da banda como parte de sua série "From The Capitol Vaults". Em julho, lançaram um vídeo digitalmente gravado para "House of Cards", e junto com "Bodysnatchers", também recebeu um single para rádio. Em setembro, a banda anunciou um 4º single, "Reckoner", e uma competição de remix similar a uma organizada para "Nude". De meados de 2008 até o início de 2009, o Radiohead viajou pelos EUA, Europa, Japão e América do Sul promovendo In Rainbows, e encabeçou os Festivais Reading e Leeds em de 2009.

These Are My Twisted Words - Estas São Minhas Palavras Torcidas...
Com a expansão das mídias sociais na virada da década, a banda gradualmente retirou sua presença pública, sem entrevistas ou turnês para promover seus novos lançamentos. A Pitchfork escreveu que, por volta dessa época, "Sua popularidade tornou-se cada vez mais livre das formalidades típicas da promoção de discos, colocando-os no mesmo nível de Beyoncé e Kanye West". Em maio de 2009, iniciaram novas sessões de gravação com Godrich. Em agosto, eles lançaram "Harry Patch (In Memory Of)", um tributo a Harry Patch, o último soldado sobrevivente britânico a ter lutado na 1ª Guerra Mundial, com os lucros doados à The British Legion. A música não tem instrumentos de rock convencionais, em vez disso, inclui os vocais de Yorke e um arranjo de cordas composto por Jonny Greenwood. Ainda naquele mês, outra nova música, "These Are My Twisted Words", com bateria e guitarras no estilo Krautrock, vazou via Torrent, muito provavelmente pelo próprio Radiohead e foi disponibilizada gratuitamente no site da banda. A impressa viram esses lançamentos como parte da nova estratégia de lançamento imprevisível do Radiohead, sem a necessidade de campanhas tradicionais de marketing. Naquele ano, Yorke formou uma nova banda para tocar The Eraser ao vivo, o Atoms For Peace, com músicos como Godfrey e Flea, do Red Hot Chili Peppers. A banda fez 8 shows nos EUA em 2010.

Em janeiro de 2010, fizeram o seu único concerto completo do ano no Los Angeles Henry Fonda Theatre um show beneficente para a Oxfam. Os ingressos foram leiloados, e foram arrecadados mais de 500,000 dólares para a ONG 2010 Alívio em prol do Terremoto no Haiti. Em junho, Yorke e Jonny Greenwood fizeram um show surpresa no Glastonbury Festival, tocando músicas de Eraser e do Radiohead. Em 30 de agosto, Selway lançou seu 1º álbum solo. Em setembro de 2010, liberaram a gravação da Mesa de som de seu show em Praga em 2009 para ser usado em um vídeo do show feito pelos fãs, o Live in Praha. Em dezembro, um vídeo feito por fãs sobre a performance no evento da Oxfam, o Radiohead For Haiti, foi lançado via YouTube e com o apoio da banda e um link "Pay-What-You-Want" para doar à Oxfam. Os vídeos foram descritos como exemplos da abertura da banda aos fãs e um avanço em relação à distribuição não comercial pela internet.

Radiohead The King of Limbs 2011The King Of Limbs, o 8º álbum foi finalizado em janeiro de 2011. Após a lenta gravação e a instrumentação de rock mais convencional de In Rainbows, o Radiohead desenvolveu The King Of Limbs usando Samplers e Loopings de suas gravações com toca-discos. De acordo com O'Brien: "O ritmo é o rei dos membros! O ritmo dita o disco. É muito importante". O disco foi anunciado para Dia dos Namorados, disponibilizado para download no site da banda em 18 de fevereiro, apenas no site, The King Of Limbs vendeu entre 300.000 a 400.000. A edição de varejo estreou em 6º lugar nos EUA na Billboard 200 e no 7º lugar no UK Albuns Chart, sendo indicado para cinco categorias no 54º Grammy Awards: Melhor Álbum de Música Alternativa, Melhor Box-Set ou Special Limited Edition, Melhor Vídeo em Formato Curta ("Lotus Flower"), Melhor Performance de Rock ("Lotus Flower") e Melhor Canção Rock ("Lotus Flower"). 2 faixas não incluídas no The King Of Limbs, "Supercollider" e "The Butcher", foram lançadas como Duplo A-side Single em 16 de abril. Uma série de remixes de The King Of Limbs de vários artistas foi compilado em TKOL RMX 1234567, e lançado em setembro de 2011. 

Para tocar ao vivo o ritmicamente complexo The King Of Limbs, recrutaram um 2º baterista, Clive Deamer, que já havia trabalhado com Portishead, Get The Blessing e Selway. Deamer falou sobre a colaboração: "Um tocava da maneira tradicional, o outro quase imitava uma bateria eletrônica. Era como um jogo de empurra e puxa, como as crianças brincando, realmente interessante." Com ele, gravaram uma 2º sessão de From The Basement, lançado online como The King OfRadiohead The King of Limbs – From the Basement 2011 Limbs: Live From The Basement em agosto de 2011, sendo transmitido por canais internacionais da BBC e lançado em DVD e Blu-ray. A apresentação incluiu as inéditas, "The Daily Mail" e "Staircase", lançadas como Single Download A-side. Quanto ao Deamer ele acabou por se juntar ao Radiohead nas turnês subsequentes.

No dia 24 de junho, fizeram um show surpresa no palco do Glastonbury Festival de 2011, apresentando músicas do The King Of Limbs pela primeira vez. Em setembro, tocaram em dois shows no Roseland Ballroom de NY e fizeram aparições na TV americana, incluindo um episódio especial de uma hora no The Colbert Report e a estreia da nova temporada do Saturday Night Live. Em fevereiro de 2012, iniciaram sua 1ª turnê nos EUA em 4 anos, incluindo datas também no, Canadá e México. Durante a turnê, passaram um dia inteiro trabalhando em material novo no Third Jack Records, de Jack White, mas descartaram as gravações. Em 16 de junho de 2012, 1 hora antes dos portões abrirem no Downsview Park, em Toronto, para o show final da turnê EUA, o teto temporário do local desmoronou, matando o técnico Scott Johnson e ferindo três outros membros da equipe. O concerto foi cancelado e as datas na Europa foram adiadas. Após reescalonar a turnê, o Radiohead homenageou Johnson no show, em Nîmes, na França. Em junho de 2013, a Live Nation Canada Inc, duas outras empresas e um engenheiro foram acusados de 13 violações de acordo com as leis de saúde e segurança do Ontário. Em setembro de 2017, após vários atrasos, o caso foi descartado sob a norma da Jordan Ruling, que estabelece prazos rigorosos em julgamentos. A banda divulgou um comunicado condenando a decisão.

Após a turnê The King Of Limbs, durante a qual a banda tocou várias músicas novas, entraram novamente em hiato e os membros trabalharam em projetos paralelos. Em fevereiro de 2013, a banda de Yorke e Godrich, Atoms For Peace, lançou um novo álbum, Amok. A dupla fez manchetes naquele ano por suas críticas ao serviço gratuito de streaming de música, que eles acreditam não dar apoio aos novos artistas. Yorke acusou o Spotify de apenas beneficiar grandes gravadoras com grandes catálogos, e encorajou os artistas a construir suas próprias "Conexões Diretas" com o público. Em 11 de fevereiro de 2014, o Radiohead lançou o aplicativo Polyfauna para telefones Android e iOS, uma "Colaboração Experimental" com o estúdio de artes digitais britânico Universal Everything, usando elementos musicais e imagens de The King Of Limbs.

Yorke e Selway lançaram seus respectivos 2º álbuns solo, Tomorrow's Modern Boxes e Weatherhouse, em setembro e outubro de 2014. Jonny Greenwood fez seu 3º filme para Paul Thomas Anderson, Inherent Vice, cujo a trilha apresenta uma nova versão de uma canção inédita, "Spooks", interpretada por Greenwood e 2 membros do Supergrass. Em maio de 2015, Yorke contribuiu com uma trilha sonora para o The Panic Office, uma instalação de arte do Radiohead em Sydney, Austrália. Em novembro de 2015, Junun, uma colaboração entre Greenwood, o compositor israelense Shye Ben Tzur e músicos indianos, criada e mixada por Godrich, foi lançada. Foi acompanhado por um documentário do mesmo nome dirigido por Anderson.

Burn The Witch - Queimem a Bruxa...
Começaram a trabalhar em seu 9º álbum em setembro de 2014, com Godrich reintegrado. Em 2015, eles retomaram o trabalho no estúdio La Fabrique, perto de Saint Rémy de Provence, na França. As sessões foram marcadas pela morte do pai de Godrich e pela separação de Yorke de sua esposa, que faleceu meses depois. A gravação foi interrompida quando a banda foi contratada para escrever o tema do filme de James Bond, Spectre (2015). Sua primeira sugestão, "Man Of War", escrita antes de OK Computer, foi rejeitada por não ter sido escrita para o filme, entre outras razões, seria inelegível para o Oscar de Melhor Canção Original. "Spectre" foi à segunda opção, mas rejeitada por ser "Muito Sombria". O Radiohead lançou "Spectre" no Natal de 2015 no site de streaming SoundCloud. Em maio de 2016, excluíram todo o conteúdo do site e das redes sociais e os substituíram por imagens em branco, atitude que a Pitchfork classificou como marco do ressurgimento da banda.

O Radiohead lançou "Burn The Witch", o single principal do próximo álbum, como download em maio, acompanhado por um clipe animado em Stop Motion. Na mesma semana, lançou outro single para download, "Daydreaming", acompanhado por um videoclipe dirigido por Paul Thomas Anderson. O vídeo foi exibido em filmes de 35 mm em cinemas selecionados. 

Radiohead A Moon Shaped Pool 2016O 9º álbum, A Moon Shaped Pool, foi lançado em 8 de maio de 2016 no site da banda e em lojas de música online, seguido por versões físicas em junho via XL Recordings. O play incluiu músicas escritas alguns anos antes, como "True Love Waits" (que remonta a pelo menos 1995), junto com cordas e corais executados pela London Contemporary Orchestra, e a percussão adicional de Deamer. O disco foi lançado simultaneamente em serviços pagos de streaming, incluindo Tidal e Apple Music, mas não pelo Spotify, onde as "discussões avançadas" com o gerenciamento e selo da banda para tornar o 1º álbum disponível exclusivamente para assinantes pagantes da plataforma, mas o acordo caiu, de acordo com o Spotify, devido a dificuldades técnicas.

A Moon Shaped Pool foi o 6º álbum em 1º lugar e certificado como ouro no Reino Unido em junho de 2016 e se tornou um Best-seller em vinil. Também foi o 5º álbum a ser indicado ao Mercury Prize, fazendo deles o maior finalista da história do prêmio, indicado ao prêmio de Melhor Álbum de Música Alternativa e Melhor Canção Rock ("Burn The Witch") no 59º Grammy Awards. E ainda, apareceu em várias listas de publicações dos melhores álbuns do ano. O disco foi promovido em eventos em lojas de discos em todo o mundo, com um streaming de áudio válido por "um dia", incluindo playlists selecionadas pela banda e uma gravação de sua apresentação recente no London Roundhouse, além de competições, obras de arte, e outras atividades. Uma loja participante em Istambul fechou depois de um ataque de uma gangue irritada por clientes que bebiam cerveja e tocavam música durante o Ramadã, o mês sagrado muçulmano de jejum. O Radiohead divulgou um comunicado condenando os ataques e oferecendo "amor e apoio" aos fãs de Istambul.

Excursionaram de maio a outubro, pela Europa, EUA, e Japão divulgando o álbum. Eles começaram uma 2ª turnê nos EUA em março de 2017, culminando como Headliners no Festival Coachella de abril de 2017. Uma turnê europeia seguiu entre junho e julho, com vários shows em festivais, incluindo a 3ª apresentação no Glastonbury Festival. Em julho, relançaram a radiohead.tv com gravações de apresentações ao vivo recentes. A turnê Moon Shaped Pool atraiu críticas pela inclusão de uma data em Tel Aviv em julho, desconsiderando a campanha de boicote, desinvestimento e sanções de um boicote cultural internacional a Israel. Foram alvos de protestos em alguns concertos, em que partes da plateia desdobraram bandeiras palestinas. Em 23 de abril, mais de 50 figuras proeminentes, incluindo o músico Roger Waters, cujo álbum “É Essa a Vida Que Realmente Queremos?” (2017), e produzido por Godrich, assinou uma petição pedindo o cancelamento do show. Yorke disse à Rolling Stone que achou a crítica: "Extremamente perturbadora... (os críticos) escolheram, em vez de se comunicar diretamente conosco, jogaram a merda em público. É muito desrespeitoso assumir que estamos sendo mal informados ou que somos tão retardados que não podemos tomar essas decisões por nós mesmos. Achei que foi paternalista ao extremo." Ele sentiu que as críticas criavam "Energia Divisória" em vez de "Unir as pessoas". Godrich acrescentou que ele: “Não acredito em boicotes culturais... Eu não acho que eles sejam positivos, nunca... As pessoas que você estaria negando (a música) são as pessoas que concordariam com você e não necessariamente concordam com seu governo". Waters respondeu em uma declaração pública dizendo que ele havia escrito para Yorke meses antes, mas que Yorke respondeu com raiva e não o respondeu a um segundo contato. 

Em 11 de julho, o cineasta Ken Loach escreveu ao Independent: "a recusa teimosa da banda em concordar com os muitos críticos de seu concerto mal aconselhado em Tel Aviv, sugere que eles só querem ouvir um lado, o que apoia o apartheid... O Radiohead precisa decidir se eles estão com os oprimidos ou com os opressores." Yorke respondeu em um comunicado: "Tocar em um país, não é o mesmo que endossar um governo. Música, arte e cultura são sobre cruzar fronteiras sem construí-las, sobre mentes abertas não fechadas, sobre humanidade compartilhada, diálogo e liberdade de expressão". O show foi adiante como planejado, com Yorke dizendo ao público:" Muito foi dito sobre isso, mas no final tocamos algumas músicas.” No Brasil os músicos Caetano Veloso e Gilberto Gil também foram criticados por shows em Tel Aviv em 2015.

Em maio de 2017, o Radiohead anunciou a reedição do OK Computer no 20º aniversário, OK Computer: OKNOTOK 1997/2017, inclui uma versão remasterizada do álbum, B-sides e as inéditas: "I Promise", "Man Of War" e "Lift". A The Boxed Edition contém obras de arte, notas adicionais e um K7 com demos e sessões de gravação. A versão digital foi lançada em junho de 2017, com edições físicas enviadas em julho. A reedição foi promovida com cartazes espalhados pelo mundo com mensagens enigmáticas, um video-teaser de computação gráfica "Glitchy", a letra de "Climbing Up the Walls", e os videoclipes para as novas faixas. OKNOTOK ficou no topo das paradas britânicas na semana de lançamento, impulsionado pelo show em Glastonbury. Em 20 de agosto de 2017, Yorke e Jonny Greenwood realizaram um concerto beneficente em Le Marche, na Itália, em prol das vítimas do terremoto de agosto de 2016 na região central da Itália. O Radiohead colaborou ainda com o compositor de filmes Hans Zimmer com uma nova versão de "Bloom" para a série de documentários sobre natureza Blue Planet II. A nova faixa, "(Ocean) Bloom", traz novos vocais de Yorke gravados ao lado da BBC Concert Orchestra. Em outubro, a banda foi indicada ao Hall da Fama do Rock And Roll, era primeira vez que eles foram elegíveis. No mesmo mês, Selway lançou seu 3º trabalho solo, a trilha sonora do filme “Let Me Go”. Em 2018, Jonny Greenwood fez seu 2º filme de Lynne Ramsay, “You Were Never Really Here”, e foi indicado ao Oscar de Melhor Trilha Sonora por sua 5ª colaboração com Paul Anderson, em “Phantom Thread”. 

Influências & Estilo:
RadioheadEntre as primeiras influências do Radiohead estavam Queen, Pink Floyd e Elvis Costello, bandas pós-punk como Joy Division, Siouxsie And The Banshees e Magazine, e significativamente bandas de rock alternativo como U2, R.E.M., The Pixies, The Smiths e Sonic Youth. Em meados da década de 1990, Começaram a adotar métodos de gravação do Hip-Hop, inspirado pelo trabalho de sampler do DJ Shadow, e se interessaram em usar computadores para gerar sons. Outras influências incluem o jazz de Miles Davis, Charlie Mingus e Alice Coltrane, as trilhas sonoras de Ennio Morricone, grupos de rock dos anos 1960, como os Beatles e os Beach Boys, e a técnica de produção de "Wall Of Sound" de Phil Spector. A música eletrônica de Kid A e Amnesiac foi inspirada pela admiração de Yorke pela música eletrônica exemplificada por artistas da Warp Records, como Aphex Twin. Aliás em 2013, Yorke citou Aphex Twin como sua maior influência. O Jazz de Charles Mingus, Alice Coltrane e Miles Davis, e as bandas de Krautrock dos anos 1970, como Can e Neu!, foram outras influências importantes durante este período. O interesse de Jonny Greenwood pela música clássica do século 20 também teve um papel, já que a influência dos compositores Krzysztof Penderecki e Olivier Messiaen era aparente. Desde a gravação de Kid A, Greenwood toca um Ondes Martenot, um dos primeiros instrumentos eletrônicos popularizados por Messiaen. Na gravação de In Rainbows, foram citados Rock, Música Eletrônica, Hip-Hop e músicos experimentais como influências, incluindo Björk, M.I.A, Liars, Modeselektor e Spank Rock. Em 2011, Yorke negou que a banda tivesse deliberadamente mudado de estilos musicais ou que fizesse "Música Experimental", dizendo que a banda estava "constantemente absorvendo música" e que uma variedade de músicos está sempre influenciando seu trabalho. O baterista Clive Deamer, que gravou e toca com o Radiohead desde 2011, disse que o Radiohead não se vê como uma banda de rock, e notou que sua metodologia tinha paralelos mais próximos com o jazz: “Eles deliberadamente tentam evitar clichês e formulas padronizadas para criar sua música... Bandas de rock não fazem isso. Isso é muito mais próximo de uma mentalidade jazzística.” - TEXTO: Alexandre Beckão.

Rock Press

Comentários

Comentários não permitidos neste 'Post'.