PUSSY RIOT No Brasil: In The Revolution We Trust!

Pela primeira vez no Brasil, a banda russa Pussy Riot faz apresentações no tradicional Abril Pro Pussy_Riot_South_America_2019Rock, em Recife/PE, (19/4) e no Festival Garotas à Frente em São Paulo (20/4), quando será lançado o livro homônimo sobre a história do movimento Riot Grrrl americano, de autoria de Sarah Marcus. Na América do Sul, a Pussy Riot ainda faz shows na Uruguai, Argentina, Paraguai e Chile.

PUSSY RIOT no Brasil: In The Revolution We Trust!
TEXTO: Larissa Oliveira – FOTOS: Divulgação

Um show inédito no Brasil! Sim, é uma frase clichê, mas que resume bem a vinda do Pussy Riot ao país! A primeira parada da banda será no Abril Pro Rock que ocorre no dia 19 de abril onde a banda é uma das atrações do festivalPussy_Riot_FOTO_David_Brendan_Hall (que ocorre nos dias 12, 19 e 20 de Abril no Baile Perfumado na capital pernambucana). A segunda parada da banda em terras brasileiras, acontece no dia seguinte, (20/4), no festival Garotas à Frente, evento que ocorre no Fabrique Club em São Paulo. Além de contar com o Pussy Riot como atração principal, o evento marca o lançamento do livro que dá nome ao festival, escrito por Sarah Marcus.

Os Festivais...
Nos dois eventos, a força do rock feminino se faz presente, no Abril Pro Rock a data do show da Pussy Riot (9/04) conta com shows da Letrux (Rio de Janeiro), Demonia (Rio Grande do Norte), Sinta a Liga Crew (Paraíba) e as pernambucanas da Coco de Umbigada, Arrete, 808 Crew e discotecando DJ Karla Gnom. A programação geral do festival ainda conta com as bandas paulistas Eskröta e Manger Cadavre?, não necessariamente essas bandas são formadas apenas por mulheres, mas todas estão na luta e vale conferir! Os ingressos para o Abril Pro Rock estão à venda, em: https://bit.ly/2ODSsSo

Já no festival Garotas à Frente, a Pussy Riot divide o palco com a banda Sapataria (SP) e vale destacar que durante todo o festival, haverá exposições, workshops, stands e outras atividades, os Ingressos para o festival estão à venda no site: https://bit.ly/2UL343O. Em sua passagem pela América do Sul, a banda também confirmou apresentações no Uruguai, Argentina, Paraguai e Chile. Ao final dessa matéria temos o serviço completo da tour brasileira. Antes, conheça um pouco da história do coletivo Rússo!

Pussy Riot...
O avanço do neofascismo no mundo não começou ontem. A aversão às ideias de esquerda que ganharam força com a maior adesão do movimento feminista e de políticas de inclusão é um retrato de uma sociedade preconceituosa que tem elegido cada vez mais dirigentes que promovem a redução de direitos dos grupos menos favorecidos e o silêncio de quem protesta contra seus ideais. Grupos e bandas como o russo Pussy Riot são uma forma de revelar ao mundo a opressão de governos como o de Putin na Rússia, Trump nos EUA e Bolsonaro no Brasil entre outros. 

Formada no ano de 2011, a banda Pussy Riot buscou inspiração na cena punk dos anos 70, como o Oi! e seu hooliganismo, e anos 90, com o movimento punk feminista riot grrrl, elas têm protestado em diferentes lugares do mundo em oposição ao governo de Vladmir Putin, considerado autoritário, assim como, lutam por outras importantes pautas, e com isso, motivando jovens de vários países a não abaixarem suas cabeças diante de governos autoritários. Pussy_Riot_Album_Yбей_Cексиста_2012

Muito mais que uma banda de meninas, as ativistas do Pussy Riot lançaram o primeiro álbum em 2012, e recebeu o nome de “Убей Cексиста” (foto). No mesmo ano o coletivo ganhou notoriedade internacional quando cinco delas performaram um ato tido como “blasfêmico” na Catedral de Cristo Salvador de Moscou. Portando suas famosas bataclavas, elas pulavam e criticavam a hipocrisia existente entre o poder da instituição religiosa e a política. A intervenção política resultou na prisão três integrantes do Pussy Riot, Nadezhda Tolokonnikova, Maria Alyokhina e Yekaterina Samutsevich.

A repressão contra a liberdade de expressão na Rússia logo se tornou discussão central não somente na mídia, mas também entre artistas ao redor de mundo que demonstravam indignação e preocupação com a forma que prisioneiros eram tratados no país. A hashtag #FreePussyRiot simbolizava o estopim de diversos movimentos feministas que mobilizados de forma virtual para às ruas, denunciariam casos de opressão contra as mulheres. Após serem libertadas em 2013, Nadezhda Tolokonnikova e Maria Alyokhina tomaram a frente do grupo e concederam várias entrevistas relatando a podridão oculta do sistema prisional no país, além de se engajarem em outras causas, como os problemas no sistema de saúde e a dura censura contra a comunidade LGBT. Desde a sua libertação, Nadya e Maria, ao lado de outros membros, têm abrangido seu lugar de protesto a outros países. Participaram do seriado norte-americano House of Cards em um episódio que alude ao presidente russo e meses antes da eleição de Donald Trump nos Estados Unidos, lançaram “Make America Great Again”, música que critica à posição preconceituosa doPussy_Riot_In_Riot_We_Trust_album_2017 atual líder. 

Entre lutas, singles, EPs e vídeos, em 2017 foi lançado o disco “In Riot We Trust” (foto)naquele ano outra grande ação do coletivo e que veio a repercutir internacionalmente foi o protesto contra a falta de criticismo político durante a última Copa do Mundo da Rússia (2018). Na ocasião, ativistas do grupo, entre eles um homem, invadiram o estádio na partida final entre Croácia e França. 

Pussy_Riot_Foto_DivulgaçãoEm suas performances, o grupo que não costumam se apresentar juntas, se utiliza da técnica imagem/palavra/ação e de diferentes sonoridades a fim de traduzir a versatilidade de seus protestos políticos e a vinda delas, além de inédita e, sobretudo essencial em virtude de nosso cenário político atual. Por intermédio da produtora da tour no Brasil, a Powerline Music & Books a Nadya Tolokonnikova alegou: “Nossa ideia é tentar imaginar como o punk vai soar e parecer em 2028, tempos de resistência digital, levante contra a disparidade financeira e movimentos de massa para salvar o planeta.”.

Por que prestigiar a vinda do Pussy Riot ao Brasil e América do Sul?!...
Nunca foi novidade, é sim, sempre foi uma triste realidade, que feminicído, homofobia, racismo e outras ideias preconceituosas e fascistas sempre existiram. A diferença é que a mídia está expondo abertamente essa ferida. Por outro lado, líderes religiosos, políticos e personalidades tapam esse sol amargo com as peneiras velhas, isso quando os mesmos agem como motivadores dessas covardias e com isso as atrocidades continuam, em salas de aulas, esquinas e lares do Brasil e do mundo.  

Prestigiar esses eventos, e assistir as apresentações do Pussy Riot, é combater essas feridas com arte, cultura e rock, trazendo a reflexão para interagir com atitude. Música é para fazer pensar, e a vinda da Pussy Riot é uma motivação para continuar, e/ou, iniciar uma nova luta! - Larissa Oliveira.

SERVIÇO – ABRIL PRO ROCK 2019
Abril_Pro_Rock_2019

 

 

 






LOCAL:  Baile Perfumado – Recife - Pernambuco
DATAS:
12 DE ABRIL -
Amorphis (FIN) + Malefactor (BA) + Maestrick (SP) + Jackdevil (MA) + Malkuth (PE) + Camus (PE). 
19 DE ABRIL - Pussy Riot (RUS) + Letrux (RJ) + Coco de Umbigada (PE) + Sinta A Liga Crew (PB) + Arrete (PE) + 808 Crew (PE) + DJ Karla Gnom + Demonia (RN). 
20 DE ABRIL - Nuclear Assault (EUA) + Ratos de Porão (SP) + The Mist (BH) + Eskröta (SP) + Desalmado (SP) + Sanctifier (RN) + Manger Cadavre? (SP) + Flageladör (RJ) + Pesado (PE) + Exorcismo (PE). 
INGRESSOS:
Antecipados:
Disco de Ouro - R. Sete de Setembro, 318 - Boa Vista, Recife/PE
No Site:  https://bit.ly/2ODSsSo
INFO:https://bit.ly/2I886nY
EVENTO:  https://bit.ly/2UrvdQS

SERVIÇO - FESTIVAL GAROTAS À FRENTE 
Festival_Garotas_à_frente_São_Paulo_2019DATA:
20 de abril de 2019, às 16 horas 
LOCAL: Fabrique Club - Rua Barra Funda, 1071 - Barra Funda – SP/SP.
SHOWS: Sapataria + Pussy Riot
OUTRAS ATRAÇÕES DO FESTIVAL:
Lançamento de livros:
“Garotas à Frente: Como realmente aconteceu a revolução Riot Grrrl” de Sarah Marcus - pré-venda em: https://bit.ly/2OsvZb9
“Pussy Riot: um guia punk para o ativismo político” – de Nadya Tolokonnikova 
Expo: Guerrilla Girls (EUA) + Jane Herkenhoff (BRA) + Atóxico / Renata Nolasco (BRA) + Solar Shana Precária (BRA).
Workshop: Stencil e Lambe por Girls Rock Camp Brasil com Mathiza Passos e Siss - Simone Sapienza.
INGRESSOS:
Antecipados:
https://bit.ly/2UL343O
No Local: Apenas no dia do show.
CLASSIFICAÇÃO: 12 anos acompanhado dos pais ou responsáveis.
EVENTO: https://bit.ly/2HWDpTh

Redes sociais do Pussy Riot e suas ações:
Twitter:
www.twitter.com/pussyrrriot
Instagram de Nadya: http://www.instagram.com/nadyariot
Facebook: https://www.facebook.com/wearepussyriot/
Youtube: https://www.youtube.com/wearepussyriot
Mediazona: https://zona.media/ 

Comments

Comments are closed on this post.