PAUL McCARTNEY – Os anos 2000: O novo milênio do velho Macca

Há menos de dez dias para o primeiro show de Paul McCartney no Brasil com a “Freshen Up Paul_McCartney_dossiê_2000_à_2009Tour”, relembraremos a primeira década do milênio que foi cheia de novidades para ele, na vida pessoal e profissional, incluindo um novo casamento, nova banda, novos discos e turnês.

DOSSIÊ: PAUL McCARTNEY – THE LONG AND WINDING ROAD
CAPÍTULO 7 – Os anos 2000: O novo milênio do velho Macca
TEXTO: Robert Moura – FOTOS: Divulgação

paul_mccartney_freshen_up_no_brasil.jpg

Um novo milênio se inicia e Paul McCartney seguiria incansável com suas produções, atuando como um verdadeiro “workaholic”. Mais uma série de CDs e DVDs seriam lançados, além de livros e pinturas. Na vida pessoal, ele teria que aprender a viver sem Linda. Um novo casamento duraria poucos anos, resultando num polêmico divórcio. Mas, no final, ele venceria, fechando mais uma década em plena atividade. Quem quiser ver o cara em pleno exercício de seu ofício, pode adquirir seu ingresso para os shows de São Paulo (26 e 27/3) e Curitiba (30/03) em:https://bit.ly/2Danf47. “Glad to be here in the heart of your song”

Heather Mills...
Em 1999, Paul tocou guitarra, fez vocais e co-escreveu o single “Vo!ce” com Heather Mills. Os royalties da gravação foram doados para vítimas da guerra na Croácia. Paul conheceu Heather num evento beneficente. Ela não era musicista. Na verdade, Heather era uma ex-modelo, envolvida em projetos que visavam ajudar pessoas com necessidades especiais, tendo ela mesma perdido parte de uma perna após ser atropelada por uma moto. Mesmo antes do acidente, ela viveu diversos dramas, desde abuso na infância, chegando a morar na rua depois de fugir de casa com um circo, para ficar num breve resumo. Em 2002, contra a vontade das filhas Mary e Stella, Paul se casaria com Heather. O enlace foi realizado numa rápida cerimônia num cartório na Irlanda, seguindo de um almoço. Mais tarde, seria realizada uma grande festa num castelo irlandês.

Liverpool Sound Collage...
album_liverpool_sound_collage_paul_mccartneyEm nova colaboração com Youth, e dessa vez, com a participação de Cian Ciaran da banda Super Furry Animals, Paul gravou um disco para ambientação de uma vernissage do artista plástico Peter Blake (criador da capa de “Sgt. Peppers”). Além de compor a faixa “Free Now”, Paul registrou entrevistas com pessoas nas ruas de Liverpool que foram inseridas nas mixagens, assim como trechos do “Liverpool Oratorio”, e de gravações e falas dos Beatles. O repertório contém: “Plastic Beetle”, “Peter Blake 2000”, “Real Gone Dub Made In Manifest In The Vortex Of The Eternal Now”, e “Made Up”.

Após a morte de Linda, Paul criou a Garland Appeal, instituição de caridade, de combate ao câncer. Em 2000, foi lançado, “A Garland For Linda”, um CD em tributo a Linda, com obras corais de compositores britânicos contemporâneos, interpretadas pelo Joyfyul Company Of Singers, com regência de Peter Broadbent.Beatles_Album_1 Paul compôs a música “Nova” que teve arranjo de John Harle.

Ainda em 2000, uma nova compilação dos Beatles chegou ao mercado. Intitulada “1”, ela trazia 27 sucessos dos Beatles que atingiram o topo das paradas. A coletânea teve o mesmo destino: primeiro lugar na Inglaterra, EUA e outros países. Por sua vez, Paul regravou “Maybe Baby” de Buddy Holly para a trilha do filme homônimo; e compôs “(I Want To) Come Home” para o filme “Estão Todos Bem”, que saiu como single, com “It’s So Easy”. Também, foi editado o livro, “Paul McCartney Paintings”, com pinturas de Paul, fruto da exposição realizada em 1999 no LA Art Forum, em Siegen, na Alemanha.

Wingspan: Hits And History... e An Intimate Portrait...
album_wingspan_hits__history_paul_mccartneyApesar do título, “Wingspan: Hits And History”, coletânea dos Wings, lançada em 2001, traria também gravações solo de McCartney, cobrindo o período de 1971 a 1984. O álbum duplo tem um CD com os “Hits”, e o outro, “History” com músicas menos conhecidas, mas não menos importantes. Na edição americana, a gravação de estúdio de “Coming Up” é substituída pela versão ao vivo lançada no single de 1979; e na japonesa é adicionada “Eat At Home”. Juntamente com o disco, que saiu em maio, foi lançado o documentário “Wings A Intimate Portrait”, no qual Paul é entrevistado por sua filha Mary, repassando a trajetória dos Wings. Nenhum ex-integrante da banda participou. Na ocasião, Denny Seiwell cedeu alguns filmes caseiros para Paul, e aproveitou o contato para cobrar uma prometida participação em lucros que nunca aconteceram. Segundo Denny, Paul ligou de volta aos prantos prometendo que faria tudo direitinho, e assim ele o fez!

Blackbird Singing... e o 11 de setembro...
Em 2001, Paul reuniu alguns de seus poemas e letras no livro “Blackbird Singing”. O primeiro poema que Paul escreveu na vida adulta, foi livro_letras_e_poemas_paul_mccartney_blackbird_singingem homenagem ao amigo Ivan Vaughan falecido em 1993, que o apresentou a John Lennon em 1957. Para Paul, foi a melhor forma de expressar seus sentimentos por ele.

No momento dos ataques ao World Trade Center, McCartney estava em um jato no aeroporto JFK que o levaria de volta a Londres. Ele pôde ver a fumaça dos ataques da janela do avião. Com os vôos cancelados, ele regressaria à cidade e veria os estragados causados. Na manhã seguinte, ele compôs “Freedom” em resposta à tragédia. Ela foi apresentada no concerto beneficente organizado por ele, em prol das famílias das vítimas, no Madison Square Garden, em 20 de outubro. Eric Clapton tocou a guitarra solo. “Lonely Road”, “From A Lover To A Friend”, “I’m Down”, “Yesterday” e “Let It Be” completaram o “set”. Em 2002, o evento que contou com participação de diversos artistas, seria lançado em CD e DVD com o título de “The Concert For New York City”.

Driving Rain...
album_driving_rain_paul_mccartneyPaul gravou baixo, guitarra, violão e piano, e contou com Abraham Laboriel Jr., ou simplesmente “Abe” (bateria e vocais), Rusty Anderson (guitarra e vocais), Gabe Dixon (teclados e vocais) e do produtor David Kahne (programação, samplers, sintetizador e guitarra). Abe, Rusty e Gabe eram desconhecidos de Paul até então, mas o agradaram tanto que os dois primeiros integrariam sua nova banda de apoio. “Lonely Road” fala de solidão e resistência, e “From A Lover To A Friend” segue na mesma direção. Em “She’s Given Up Talking”, Paul toca bateria, e Abe toca percussão eletrônica. O enérgico rock “Driving Rain” surge quebrando a melancolia de boa parte do disco. A pegada soul e rythmn and blues aparece em “I Do”, “Tiny Bubble” e “Magic” (que narra a noite em que ele conheceu Linda), enquanto “Your Way” traz uma dose de country com Paul na bateria e fazendo percussão em seus joelhos. “Heather” e “Your Loving Flame” são declarações à nova amada. A última estreou na TV BBC1 apenas com Paul ao piano e David Gilmour na guitarra, em 1999. “Spinning On As Axis” e “Back In The Sunshine Again” foram compostas por Paul em parceria com o filho James que toca percussão na primeira e guitarra na segunda. O rock “About You” oferece novo contraponto ao clima mais denso do trabalho. “Riding Into Jaipur” é um mantra com um mergulho numa sonoridade oriental indiana. “Rinse The Raindrops” é um extenso rock com várias partes diferentes e contrastantes. Ela foi gravada para encerrar o disco, mas Paul incluiria de última hora, a música, “Freedom”, sobre o ataque às Torres Gêmeas. Como o álbum, que seria lançado em novembro, já estava nas fábricas, inclusive com encartes impressos, ela não aparece nos créditos. A versão gravada ao vivo, com participação de Clapton, durante o concerto em prol das famílias das vítimas, recebeu “overdubs” em estúdio. As fotos da capa e encarte foram feitas com um relógio Casio com uma câmera embutida.

Como colaborador, Paul gravou: “That’s All Right, Mama” com o guitarrista Scotty Moore e o baterista DJ Fontana, ex-membros da banda de Elvis Presley, para “Good Rockin’ Tonight”, tributo à gravadora Sun Records que lançou Elvis, Jerry Lee Lewis Johnny Cash, Carl Perkins e Roy Orbison; fez backing vocals na versão de “So Bad” gravada por Lindsay Pagano em “Love & Faith & Inspiration”; participou de “Receptacle For The Respectable”, do disco “Rings Around The World” do Super Furry Animals, de forma inusitada, mastigando aipo (!); e, regravou “I’m Partial To Your Abracadabra” para “Brand New Boots and Parties”, tributo a Ian Dury, falecido em 2000.

A morte de George Harrison...
No dia 29 de novembro de 2001, o mundo perdeu George Harrison. O beatle faleceu em Los Angeles, na casa de um amigo. George que sobreviveu ao ataque do maníaco que invadiu sua casa em 1999, não resistiria aos avanços do câncer na garganta que atingiu seus pulmões e o cérebro. Dias antes de sua partida, ele recebeu a visita de Paul, no hospital em que se internara nos EUA. George estava de bom humor durante a visita, embora consciente de seu destino. Mais tarde, Paul revelaria que segurou por algum tempo a mão de George, com seus dedos entrelaçados, numa atitude de contato física à qual ele mesmo se surpreenderia. Ao saber da morte do amigo, Paul declarou que George “era seu irmãozinho querido e que o amava afetuosamente”.

Driving USA Tour...
Em 2002, ele sairia em nova turnê. Pela primeira vez, sem Linda. Aliás, da última tour, só restaria Paul “Wix” Wickens nos cartaz_album_driving_rain_paul_mccartneyteclados. Os guitarristas Rusty Anderson, e Brian Ray (que estreou com Paul no Super Bowl XXXVI quando tocaram “Freedom”), juntamente com o baterista Abe completavam a nova banda ao lado de Paul. No repertório, canções dos Fab Four que ele ainda não havia executado ao vivo como, “Hello Goodbye” que abria o espetáculo; e emocionantes homenagens: a George com a execução de sua música, “Something”, cantada por ele se acompanhando apenas de um ukulele que ele ganhara de presente do próprio George; e a John com “Here Today”.

Em junho, Paul tocou na “Party At The Palace” no Jubileu de Ouro da Rainha, ao lado de Eric Clapton, Queen, Ozzy Osbourne, Tony Iommi, Joe Cocker, Phill Collins, Elton John e Tony Bennett. O “setlist” teve “Her Majesty”/“Blackbird”, “While My Guitar Gently Weeps” (com Clapton), “I Saw Her Standing There”, “Sgt. Pepper’s Lonely Hearts Club Band (Reprise)”/“The End”, “All You Need Is Love” (com Rod Stewart, Joe Cocker, Ladysmith Mambazo), e “Hey Jude" (com todos participantes). O show saiu em DVD.

Ainda em 2002, Paul fez um dueto com a cantora Lulu em “Inside Thing (Let ‘em in)” no disco “Together”; e compôs “Vanilla Sky”, para o filme homônimo, que foi indicada ao Oscar de melhor canção, ele se apresentou na cerimônia tocando-a ao lado de Rusty Anderson (violão) e Jim Walker (flauta).

Back In The U.S... e Back In The World...
paul_mccartney_album_back_in_the_world_and_back_in_the_usRegistros da nova turnê sairiam no CD duplo, “Back In The U.S. - Live 2002” com um “setlist” que inclui, entre outras, músicas dos Beatles que ele não havia tocado ao vivo: “Hello Goodbye”, “Getting Better”, “Mother Nature’s Son” e “Something” (de George Harrison, em homenagem a ele); as recentes: “Lonely Road”, “Driving Rain”, “Your Flame”, “Freedom” e “Vanilla Sky”; além de “Here Today” (composta em homenagem a John) que pela primeira vez ele incluía em shows. Uma edição alternativa, “Back In The World - Live” foi lançada, em 2003, com pequenas alterações no repertório. Saem: “Vanilla Sky”, “C Moon” e “Freedom”; e entram: “Calico Skies” e “Let’Em In” (gravadas em Osaka, no Japão), e “Michelle”, “She´s Leaving A Home” (gravadas na Cidade do México). A versão de “Hey Jude” também foi extraída do show no México. “Back In The U.S.” ganhou uma versão em DVD. Os créditos das músicas de Lennon & McCartney vieram invertidos no encarte do disco. No início da parceria, a ideia dos dois era alternar a disposição dos créditos como o ocorreu em “P.S. I Love You”. No entanto, Brian Epstein acabou convencendo Paul a manter sempre a ordem que começava com John. Em 1976, Paul inverteria os créditos em “Wings Over America”. Yoko reclamou, mas John não disse uma palavra sequer. Paul não se incomodava com a ordem nas canções que foram realmente feitas em dupla, mas algumas foram escritas apenas por um deles. E esse era o principal fator que fazia Paul querer a inversão. Linda chegou a ligar para Yoko que tinha poder de decisão por deter os direitos de John, pedindo a troca unicamente em “Yesterday”. Yoko recusou. Paul fez então a inversão por sua conta e risco no encarte de “Back In The U.S.”. Ele sofreu duras críticas da imprensa e de fãs que o acusavam de estar tentando prejudicar a reputação de John, o que estava extremamente distante de sua intenção.

Em 10 de maio de 2002, Paul McCartney se tornou o primeiro artista a realizar um concerto de rock no Coliseum de Roma. A plateia contou com cerca de 400 pessoas apenas, devido às limitações por questões de segurança e preservação do patrimônio. No dia seguinte, ele faria um show aberto do lado de fora do Coliseum para aproximadamente 500 mil pessoas.

Já, em 2003, Paul gravou baixo, guitarra e vocais em “Hurt Myself” do disco “Undressing Underwater” de seu escudeiro, Rusty Anderson. “A Love For You”, até então inédita, foi incluída na trilha do remake de “The In-Laws” (no Brasil, “Um Casamento de Alto Risco), juntamente com “I’m Carrying” (do disco “London Town”) e “Live and Let Die” (versão extraída do programa “One Hand Clapping”). Paul cedeu uma gravação de “Calico Skies” para o álbum “War Child Hope”, em prol das crianças vítimas da guerra no Iraque; e “Whole Life”, parceria com David Stewart, para o EP virtual “46664”, organizado pelo então presidente da África do Sul, Nelson Mandela, em favor de vítimas da AIDS.

Paul McCartney na Praça Vermelha...
No mesmo ano, Paul McCartney se apresentou pela primeira vez na Rússia. O DVD, “Paul McCartney In Red Square”, que seria lançado em jpaul_mccartney_in_red_squareunho de 2005, reúne os shows que aconteceram em Moscou (na primeira passagem, em 2003) e São Petersburgo (2004), intercalados com um documentário sobre os concertos e a relação do público russo com os Beatles num período em que era difícil adquirir seus discos. “Two Of Us” foi tocada ao vivo por ele pela primeira vez. Em meio a tantas novidades, Paul se tornaria pai novamente. Fruto de seu casamento com Heather Mills nasceria Beatrice Milly.


beatles_album_let_it_be_nakedO “Concert For George” foi organizado por Olivia Harrison e Eric Clapton em homenagem ao beatle no Royal Albert Hall. Paul cantou “For You Blue”, “All Things Must Pass” e “Something” (se acompanhando no ukulele que ganhara de presente de George e passando ao violão na segunda parte cantada em dueto com Clapton). Paul ficou ao piano em “While My Guitar Gently Weeps”, “My Sweet Lord” e “Wah-Wah”. O show foi lançado em DVD. Em novembro, saiu o álbum “Let It Be... Naked”, uma versão “despida” dos arranjos que Phil Spector adicionara às gravações originais. Uma redenção para Paul que sempre detestou o trabalho de Spector no disco, e gostava do som mais cru de Glyn John nas mixagens iniciais. “Maggie Mae” e “Dig It” foram excluídas, e entrou “Don’t Let Me Down” (lado B do single “Get Back”).filme_animação_the_music_and_animation_collection_paul_mccartney

No plano audiovisual, foi lançado em DVD em fevereiro de 2004, o documentário, “The Beatles: First U.S. Visit”, feito para a TV em 1964 sobre a primeira visita da banda aos EUA. Ele havia saído em VHS em 1991, incluindo as três participações da banda no Ed Sullivan Show e trechos da apresentação no Washington Coliseum. E, em setembro, saiu o filme de animações, “The Music And Animation Collection”, dirigido por Geoff Dunbar, com os curtas-metragens: “Tropic Island Hum”, “Tuesday” e “Ruppert And The Frog Song”.

Paul realizou um dueto com Brian Wilson em “A Friend Like You” do disco “Gettin’ In Over My Head”. E tocou baixo na regravação de “Do They Know It’s Christmas?” em função do aniversário de 20 anos do Band Aid com artistas da nova geração como Travis, Coldplay, Thom Yorke, além de Bono Vox.

“Something For The Weekend - Paul McCartney’s Glastonbury Groove”, uma compilação com algumas de suas músicas favoritas, foi lançada emlivro_paul_mccartenry_each_one_believing junho de 2004, incluindo, entre outras, “Mean Old Man” (com James Taylor), “God Only Knows” que Paul considera a mais bela canção pop já composta (com Brian Wilson), “The Very Thought Of You” (com Nat King Cole), o “Noturno N.2” de Chopin (interpretado por Maria João Pires), a “Galliard” de Benjamim Britten (com Julian Bream), “Marwa Blues” (com George Harrison) sua peça, “Spiral” (com a London Symphony Orchestra) e “Temporary Secretary” e “Calico Sky” (ambas com ele mesmo). Em outubro, foi lançado “Each One Believing”, livro de fotos dos shows e bastidores da turnê 2003-2004. Os cliques são de Bill Berstein, que iniciou seus trabalhos com Paul na “World Tour” de 1989. O livro é recheado com textos e entrevistas com Paul e sua banda.

Twin Freaks...
album_twin_freaks_Paul_McCartneyEm junho de 2005, Paul colocou na praça mais um trabalho de música eletrônica. Lançado apenas em vinil duplo, o disco traz remixes de gravações solo e com os Wings feitos pelo DJ Freelance Hellraiser (nome artístico de Roy Kerr). Ele foi o responsável pelos remixes que rolavam na abertura dos shows de Paul na turnê de 2004. “Lalula” é a única faixa criada por Paul especialmente para o álbum. O nome “Twin Freaks” veio da pintura de Paul que ilustra a capa do trabalho.

Paul se apresentou no Live 8, no Hyde Park, em Londres, no dia 2 de julho. Ele abriu o evento tocando “Sgt. Peppers” com o U2, e fez o show de encerramento com “Get Back”, “Drive My Car” (com participação de George Michael), “Helter Skelter”, “The Long And Winding Road” e “Hey Jude”.

Chaos And Creation In The Backyard...
album_chaos_and_creation_in_the_backyard_paul_mccartneyCom produção de Nigel Godrich, que foi sugerido por Geoge Martin, Paul conseguiria manter seu alto padrão de qualidade. “Fine Line”, um rock baseado na levada do piano tocado por Paul abre o disco. Aliás, mais uma vez ele toca a quase totalidade dos instrumentos. “How Kind Of You” é um agradecimento à Linda por ter sido a única pessoa a ficar do seu lado durante todo o processo da ação judicial que abriu para conquistar sua independência dos Beatles e de Allen Klein após a separação da banda. “Jenny Wren” revisita o estilo de violão “fingerstyle”, explorado por Paul de forma marcante em “Blackbird”. “Wren” é, também, uma espécie de pássaro. O título coincide com o nome de uma personagem do romance “Our Mutual Friend” de Charles Dickens. O flautista Pedro Eustache executa o solo de duduk (oboé armênio). “At The Mercy” que foi composta de última hora tornou-se a faixa predileta de Nigel no álbum. “Friends To Go” é dedicada a George Harrison. “English Tea” é uma elegante balada na qual Paul celebra o antigo costume inglês de reunir para tomar chá. Ele toca o piano (e também executa o solo de flauta) acompanhado por um quarteto de cordas. “Too Much Rain” lembra mais uma vez de George e Linda. “A Certain Softness” é outro flerte de Paul com a música latina. “Riding To Vanity Fair” causou polêmica durante as gravações, pois, Godrich não gostara muito dela, e a faixa só foi concluída após várias discussões e algumas alterações na letra e em seu andamento feitas por Paul. “Follow Me” foi tocada pela primeira vez ao vivo um ano antes, no festival Glastonburry. No rock “Promisse To You Girl”, Paul volta a lembrar das harmonias vocais dos Beach Boys e do Queen. “This Never Happened Before”, uma de suas mais encantadoras criações foi cedida a uma massagista de Paul para ser usada em seu casamento. Ele mostrou a música a ela durante uma sessão de massagem ainda cartaz_chaos_and_creation_in_the_backyard_paul_mccartneynum CD não-oficial. Como ela adorou a canção, ele a emprestou para a cerimônia, com a condição que ela devolvesse logo depois para não ser pirateada, e ela ganharia o CD oficial quando fosse lançado. A “maratona” “Anyway” tem uma faixa instrumental escondida, “I’ve Only Got Two Hands”, em seu final. “Comfort Of Love”, “Growing Up, Falling Down”, “I Want You To Fly”, “Summer Of’ 59” e “This Loving Game” saíram nos single de “Fine Line” e “Jenny Wren”. “She Is So Beautiful” foi incluída no disco japonês. A edição especial trazia um DVD com o documentário “Between Chaos And Creation”. A capa tem uma foto de Paul feita por seu irmão Mike, no quintal de casa em 1962. Uma versão em CD promocional limitada foi lançada pela concessionária de automóveis Lexus, com o primeiro disco contendo a versão integral de “Chaos and Creation”, e o segundo apresentando sucessos e músicas menos conhecidas da carreira. Em julho de 2005, Paul realizou a apresentação “Chaos And Creation At Abbey Road”, para uma pequena plateia de convidados, que foi gravado para a TV BBC 2, no qual ele tocou sozinho algumas canções se acompanhando ao violão ou piano, mostrando alguns “truques” usados em suas gravações, Nigel Godrich participa de “How Kind Of You” criando loops enquanto Paul canta e toca violão. No final, ele grava uma faixa improvisada fazendo overdubs de bateria, baixo, guitarra, piano e voz.

Paul tocou guitarra e violão em “A Time To Love”, faixa-título do álbum de Stevie Wonder. A coletânea, “Never Stop Doing What You Love”, com sucessos solo e dos Wings não disponibilizada para venda foi feita especialmente para a empresa do setor financeiro Fidelity Investiments presentear funcionários e clientes. Ainda em 2005, Paul escreveu o livro infantil “High In The Clouds” juntamente com Geoff Dunbar e Philip Ardagh.

Entre 2001 e 2005, Paul, que aderira à causa defendida por Heather Mills contra as minas terrestres, “No More Landmines”, participou do evento de gala beneficente da instituição “Adopt-A-Minefield”, para a conscientização sobre minas terrestres, e ajuda aos sobreviventes no Afeganistão, Angola, Bósnia-Herzegovina, Camboja, Croácia, Laos, Moçambique, e Vietnã. Durante esses anos, Paul dividiu o palco com Paul Simon, Brian Wilson, James Taylor, Neil Young e Tony Bennett.

Ecce Cor Meum...
album_ecce_cor_meum_paul_mccartney_2006Paul compôs um novo oratório para o Magdalen College de Oxford, a pedido de seu presidente, Anthony Smit (1998-2005), para a inauguração de sua nova sala de concerto. A obra atrasaria em função da morte de Linda, e só foi concluída em 2001 quando teve sua estreia realizada no Sheldoniam Theatre em novembro com o Coro do Magdalen College, regido por Bill Ives. No entanto, a gravação para lançamento em disco, só ocorreria em março de 2006, que incluiu a participação do Concert Chorale of New York, os coros infantis do Magdalen College e do King’s College, o London Voices e a Academy Of The Choir Of King’s College. O título, “Ecce Cor ecce_cor_meum_paul_mccartney_cartazMeum” (“Eis Meu Coração”, a inscrição está presente no brasão que McCartney recebeu em seu aniversário de 59 anos), foi inspirado na frase que ele viu numa estátua de Jesus na Igreja de Santo Inácio de Loyola, em Nova York que se refere ao Sagrado Coração de Jesus, mas ele faria uma adaptação livre. Paul recebeu o prêmio de melhor álbum clássico da revista e rádio Classical Brits.

A obra tem quatro movimentos, “Spiritus”, “Gratia”, “Musica” e “Ecce”. Posteriormente foi incluído um interlúdio de luto por Linda. O texto de autoria de Paul foi escrito em inglês e tem trechos em latim celebra o amor à música. Paul revelou que por sua inocência na área, só depois de escrever o texto, descobriu que normalmente a prática é que o compositor encontre um texto para depois musicá-lo (Wagner é um exemplo raro de compositor que escrevia seus próprios textos). Da gravação, destacam-se o belíssimo solo interpretado pela soprano Kate Royal em “Gratia”, e o solo de trompete executado por Mark Law, em “Musica”, que remete à sua trilha, “The Family Way”.

A incompatibilidade de gênios marcou o casamento de Paul e Heather que durou apenas quatro anos e terminou com muita tensão. A imprensa explorou a vida pregressa de Heather, que por sua vez, fez acusações públicas à figura de Paul, apelando para níveis baixíssimos que incluiu ataques a Stella McCartney.

The Space With US...
dvd_the_space_within_us_paul_mccartneyAssim como em “Back In The US”, no DVD “The Space Within US”, temos as imagens de shows intercaladas com depoimentos e bastidores, além de passagens de sons, o vídeo usado para a entrada de Paul no palco e um making of. Extremamente à vontade, Paul brinca até com o tombo que levou na segunda noite da turnê em Tampa na Flórida quando caiu no buraco de onde subia o piano. O título que sugere uma viagem ao nosso íntimo, e se aplica também ao espaço sideral, se refere ao fato de astronautas da NASA terem sido acordados ao som de "Good Day Sunshine" dos Beatles quando retornavam à Terra, e mostra as cenas de Paul tocando ao vivo para os astronautas na Estação Espacial Internacional. Entre as canções dos Beatles, algumas que ele nunca havia tocado ao vivo (sempre tem uma): “I´ll Get You”, “Please, Please Me”, “I Will”, “She Came Through The Bedroom Window”; e “Too Many People” dos Wings. E, faixas  de “Chaos and Creation In The Backyard”, reforçam as novidades: “Fine Line”, “English Tea”, “Follow Me”, “Jenny Wren”. Já, “Friends To Go” e “How Kind Of You” são mostradas durante passagens de som, assim como “Whola Lotta Shakin’ Goin’ On”. Um detalhe denunciado no vídeo é a separação de Paul e Heather Mills. Logo no início, Paul aparece caminhando sozinho e fazendo divagações a respeito da imaginação, da infância, do espaço e da realidade. No DVD anterior, Heather estava ao seu lado todo o tempo. No final, eis novamente o Paul solitário caminhando em uma longa e sinuosa estrada no campo. Enquanto teóricos tentam provar o poder terapêutico da música, Paul parecia estar se automedicando com seu trabalho.

Ele seguiu colaborando com amigos, gravando: “The Very Thought Of You”, em dueto com Tony Bennett, para o álbum “Duets: An American Classic”, do cantor americano; “Bring It On Home To Me” com George Benson e Al Jarreau para o disco “Givin' It Up”; e “Heal The Pain” com George Michael para “Twenty Five”.

O Cirque du Soleil produziu o espetáculo “Love” baseado na obra dos Beatles, que foi apresentado no Mirage Las Vegas Casino. Em novembro de 2006, seria lançado um álbum produzido por George Martin e seu filho Giles com os remixes utilizados no espetáculo. Paul, Ringo, Olivia Harrison e Yoko iriam juntos à apresentação comemorativa de um ano de temporada. Em 2008, saiu um documentário sobre a produção do espetáculo.

Memory Almost Full...
album_memory_almost_full_paul_mccartneyLançado pela Hear Music, uma gravadora independente pertencente ao Grupo Starbucks, a produção de “Memory Almost Full” ficou a cargo de David Kahne, e contou com os músicos que vinham acompanhando Paul. Algumas canções foram compostas para o “Chaos And Creation”. O som de um bumbo e de um bandolim são os primeiros ouvidos no disco. Então surge a voz de Paul cantando “Everybody gonna dance tonight” (“Todo mundo vai dançar hoje à noite”). Apesar das dores, ele seguia a vida tentando enxergar o lado positivo. Esse clima alegre e otimista seria recriado cada vez que ele tocasse “Dance Tonight” nos shows. “Ever Present Past” é um rock moderninho no qual ele questiona o que fez e o que deixou de fazer ao longo da vida. “See Your Sunshine” é uma canção de amor dedicada à ex-esposa Heather, uma vez que as músicas foram feitas antes, durante e depois da separação (enquanto, “Mr. Bellamy” seria sobre o divórcio). “Only Mama Knows” é um rock totalmente Wings, desde a introdução feita nos teclados às guitarras distorcidas, o tema e a voz rascante de Paul. A triste “You Tell Me” relembra belas cenas de um passado que parece muito distante, a ponto de deixar uma incerteza de que realmente viveu aqueles momentos. Obviamente, ele está falando de Linda. O gospel “Gratitude” mostra a dignidade de um amante que mesmo decepcionado, reconhece o que viveu de importante: “I should stop loving you, think what you put me through, but I don't want to lock my heart away” (“Eu deveria parar de te amar, pense no que você me fez passar, mas eu não quero bloquear meu coração”). Em “Vintage Clothes”, Paul nos alerta “Don’t live in the past” (“Não viva no passado”), conselho que ele parece seguir, pessoal e musicalmente, pois mesmo quando se inspira em sua própria obra, ele sempre forja novas sonoridades. Paul segue no tema em “That Was Me” que relembra diferentes épocas de sua vida (a memória quase completa denunciada no título do álbum), e reconhece que ele é a soma de todos aqueles “Pauls”. A letra de “Feet In The Clouds” tem a frase mais que contundente: “Love is fab it's like a stab in the heart” (“O amor é fabuloso, ele é como uma facada no coração”) que pode dar uma ideia de como Paul se sentia. “The House Of Wax” tem letra e música apocalípticas com imagens fortes: “Lightning hits the house of wax women scream and run around to dance upon the battleground like wild demented horses” (“O relâmpago atinge a casa da cera, as mulheres gritam e correm para dançar no campo de batalha como cavalos selvagens dementes”). A jornada é concluída em “End Of The End” em que ele canta sobre a morte: “At the end of the end, it's the start of a journey to a much better place, and this wasn't bad so a much better place would have to be special, no need to be sad” (“O final do final é o começo de uma jornada para um lugar muito melhor, e isso não é ruim, então, haverá um lugar muito melhor que será especial, não precisa ficar triste”). O rock, “Nod Your Head”, encerra o álbum de forma atípica. Lançado em junho de 2007, a edição “deluxe” traz como bônus, “In Private”, “Why So Blue”, “222”, uma entrevista de 26 minutos na qual Paul comenta cada uma das faixas; e um DVD com 5 músicas ao vivo no Electric Ballroon, em Londres, e os clipes de “Dance Tonight” e “Ever Present Past”.

Amoeba’s Secret...
EP gravado ao vivo num show surpresa realizado na loja Amoeba Music em Los Angeles no dia 27 de junho de 2007 (Ringo estava na plateia). Originalmente, foi lançada apenas numa edição limitada em vinil no mesmo ano (e em CD, em 2009). O EP traz “C Moon”, “That Was Me”, “I Saw Her Standing There” e “Only Mama Knows”. A arte da capa em baixa qualidade tem mais uma vez a intenção de simular um “bootleg”. Paul foi nomeado ao Grammy por melhor performance vocal solo rock em “I Saw Her Standing In There” e melhor vocal pop em “That Was Me”. Ele se apresentou na cerimônia de 2009, tendo David Grohl na bateria em “I Saw Her Standing There”. Em 2010, sairia um CD, apenas na Inglaterra e na Irlanda numa promoção dos jornais “The Mail on Sunday” e “The Irish Sunday Mail", incluindo, além das faixas lançadas no EP, “Here Today”, “Back In The USSR”, “Get Back”, “Hey Jude”, “Lady Madonna”, “Drive My Car”, “Dance Tonight” e “Blackbird”. Uma terceira versão, “The Extended Set”, com adição de “Nod Your Head” e “House Of Wax” foi disponibilizada em seu site com acesso livre para membros “premium”. Em agosto, foi lançado um EP para venda exclusiva no iTunes com faixas extraídas da apresentação no London Festival em 5 de julho.

The McCartney Years...
dvd_the_mccartney_years_paul_mccartneyEm novembro de 2007, chegou ao mercado um box com 3 DVDs, intitulado “McCartney Years”. Os volumes 1 e 2 trazem videoclipes realizados entre 1970 e 2005. O terceiro tem músicas extraídas dos shows: “Rockshow” da turnê dos Wings em 1975; do “Unplugged” de 1991; do Festival de Glastonburry em 2004; do Super Bowl XXXIX, em 2005; e “Let It Be” no Live Aid de 1985.

Sempre colaborando com amigos e participando de tributos aos seus ídolos, em 2007, Paul apareceu em “Going Home: A Tribute To Fats Domino”, na música “I Want To Walk You Home” com Allen Toussaint; e realizou um dueto com Nittin Sawhney em “My Soul” no disco “London Undersound”.

Já, em junho de 2008, Paul tocou no Estádio Anfield, em Liverpool. Ele abriu com “Hippy Hippy Shake” e fez um novo tributo a John cantando “A Day In The Life” emendando com “Give Peace A Chance”. David Grohl tocou guitarra em “Band On The Run” e bateria em “Back In The USSR” e “I Saw Her Standing In There”. Em seguida ele partiu para Kiev, onde fez uma grande apresentação para cerca de 350 mil pessoas com transmissão da TV ucraniana. A próxima parada foi em Québec, onde se apresentou nas comemorações do aniversário de 400 anos da cidade, tocando para 275 mil pessoas. Dias depois ele tocaria em um concerto pela paz, em Tel Aviv, em Israel para 40 mil pessoas. Em 18 julho, Paul faria uma participação no show de Billy Joel no Shea Stadium cantando “I Saw Her Standing There” e “Let It Be”. A apresentação seria a última antes da demolição do estádio onde os Beatles fizeram seu histórico show em 1965. O resultado pode ser conferido no CD e DVD de Billy Joel, “Live At The Shea Stadium: The Concert” de 2011.

Electric Arguments...
album_electric_arguments_paul_mccartneyNovo álbum do “The Fireman” (o duo experimental de Paul com Youth) ganhou vida em novembro de 2008. Se o experimentalismo invadiu o trabalho tradicional de Paul, agora o caminho seria inverso, o tradicional invadia o experimental. “Electric Arguments” apresentaria várias faixas com vocal de Paul em primeiro plano, aproximando-se mais do formato canção, embora mantendo a pegada eletrônica, e flertando com o industrial. Inclusive, pela primeira vez músicas do projeto entrariam nos shows de Paul. Foram elas, “Highway” e “Sing The Changes”. “Nothing Too Much Just Out Of Sight” surge como um blues futurista que bebe nas fontes de Jimi Hendrix, outro músico por quem Paul tem enorme apreço, com guitarras distorcidas bastante saturadas. “Two Magpies”, com uma levada country ao violão, alivia no peso, e prepara a entrada de “Sing The Changes” que saiu como single e com uma mixagem mais “careta” passaria fácil como uma faixa de um disco regular de Paul. “Travelling Light” apresenta um registro mais grave da voz de tenor de Paul, que ele não explora com muita frequência. A dançante, “Highway”, também tem base no blues com direito a uma gaitinha no final. “Light From Your Lighthouse” tem o clima de canções entoadas em coro por apreciadores de cerveja numa mesa de bar. “Sun Is Shining” traz McCartney em seu estado puro, que com uma letra otimista, se afasta um pouco da sonoridade “alternativa” do The Fireman. “Dance Til’ We’re High”, estrategicamente posicionada no meio do disco, parece dividir, ou servir de elo entre, as suas duas perspectivas que na primeira parte aproxima do trabalho mais regular de Paul, e na segunda mergulha no experimentalismo. Os sons orientais aparecem novamente na obra de Paul em “Lifelong Passion” e “Is This Love?” remetendo aos anos 1960. Em “Lovers In A Dream”, “Universal Here, Everlasting Now”, as características do The Fireman sobressaem nas misturas e colagens com influência de música aleatória e concreta. O título, “Electric Arguments”, foi inspirado no poema “Kansas City to St. Louis” de Allen Ginsberg, e a capa traz outra pintura de McCartney.

Outra grande perda para Paul foi Neil Aspinall que morreu em decorrência de um câncer. Ele acompanhou toda a trajetória dos Beatles, e foi colega de Paul e George no Liverpool Institute, sendo a pessoa mais íntima e próxima a eles.

The Beatles Remasters...
Beatles_Remasters_Box_StereoEm 2009, a discografia dos Beatles seria lançada em edições remasterizadas, finalmente apresentando a obra integral da banda em edições digitais caprichadas, em detrimento aos primeiros lançamentos em CD que não tiveram o cuidado merecido. O material foi disponibilizado em dois bgame_the_beatles_rock_bandoxs, um mono e outro estéreo, e em CDs individuais (no caso das gravações em estéreo). As caixas continham um DVD com os mini-documentários de cada álbum, que constavam nos discos individuais. Uma edição limitada em USB flash drive em formato de uma maçã também fez parte do pacote. Na mesma leva, foi lançado o game “The Beatles: Rock Band”.

Good Evening New York City...
album_good_evening_new_york_city_2009_paul_mccartneyAs gravações ao vivo que são oriundas das três noites de shows na inauguração do New York ‘s Citi Field (o estádio fica ao lado do antigo Shea Stadium) foram lançadas num pacote contendo dois CD e um DVD (com um documentário incluso). A edição “Deluxe” traz um DVD extra com a apresentação de Paul na marquise do Ed Sullivan Theatre no programa Late Show with David Letterman e outro documentário. A versão de “Helter Skelter” ganhou o Grammy na categoria de Melhor Performance Vocal de Rock Solo. Billy Joel cantou e tocou piano em “I Saw Her Standing There”.

Paul gravou a canção/vinheta “Meet Free Monday” (exclusivamente para download) do projeto “Meatless Monday” que tenta estimular oPaul_McCartney_dossiê_2000_à_2009 não consumo de carne, especialmente às segundas-feiras. A música “Great Day” (lançada originalmente no disco “Flaming Pie”, 1997) foi incluída na trilha do filme “Funny People”. Paul também fez novas participações em trabalhos alheios, gravando backing vocals em “Walk With You” do disco “Y Not” de Ringo Starr, e em “Boots And Sand” de “Roadsinger” de Yusuf Islan (Cat Stevens); e ainda canta e toca piano em “I’m In Love Again” do álbum “A Sideman’s Journey” de Klaus Voormann. Paul e Ringo participaram do show beneficente “Change Begins Within”, com renda doada à David Lynch Foundation, no Radio City Music Hall em abril de 2009. Ringo cantou “With A Little Help From My Friends”, e tocou bateria em “Cosmically Conscious” e “I Saw Her Standing There”.
 
Apesar das dores e problemas pessoais, McCartney fecharia a primeira década do novo milênio com um saldo positivo e se mantendo muito ativo musicalmente. Nos anos seguintes, suas “viagens mágicas” continuariam e o Brasil se tornaria parada regular de suas turnês.

No último capítulo: Turnês mundiais e (muitos) shows no Brasil... - Robert Moura.
 
LEIA AS PARTES DO DOSSIÊ PAUL McCARTNEY EM: http://portalrockpress.com.br/dossies

ROBERT MOURA - É natural de Belo Horizonte. Bacharel em Música (UEMG) e Mestrando em Artes (UEMG). Professor na Alaúde Escola de Música. Tocou guitarra em bandas de Rock na capital mineira. Atualmente seu trabalho está focado no violão clássico e trilhas para teatro.

Rock Press

Comments