Mr. Catra! Valeu e Obrigado Por Tudo Paizão!

No último domingo, 9 de setembro de 2018, quase todo mundo foi pego de surpresa com a notícia do precoce falecimento Velorio_do_Mr_Catra_FOTO_JORGE_HELIdo Mr. Catra. Um artista que foi do Rock ao Funk Proibidão, atuou em videoclips, era querido e respeitado por nomes como Caetano Veloso, Lulu Santos e outros nomes da música nacional e do rock, indo do underground ao mainstream. 

Mr. Catra! Valeu e Obrigado Por Tudo Paizão!
TEXTO: Alexandre Beckão - FOTOS: Jorge Heli (Velório) e Divulgação

Primeiramente e antes, que os “Guardiões do Status-Quo Sobre Todas as Verdades” se manifestem, deixou tudo bem às claras. Não sou fã da música, e nem concordava Mr_Catra_Divulgaçãocom diversas ideias, que ele abraçava. Sou apenas, um observador distante do ser humano, pai de família, carioca, profissional da música, e até pelos relatos de pessoas que realmente conviveram com ele, um cara gente boa e bem humorado. Lançou nove álbuns, participou de várias coletâneas, teve inúmeras parcerias, conquistou uma enorme legião de fãs e admiradores por todo o Brasil, em quase 30 anos de carreira. Além de tudo, o Paizão tinha uma das melhores gargalhadas do showbizz tupiniquim.

Batizado por Wagner Domingues Costa, produtor, compositor, guitarrista, cantor e rapper. Nascido e criado no Morro do Borel/RJ. Nos anos 1980, estudou no tradicional Colégio Pedro II/Unidade Tijuca/RJ e onde teria militado no Grêmio Estudantil. Na mesma década, tornou-se guitarrista e montou a banda de rock O Beco, que chegou a fazer certo nome na cena independente, sobretudo nos saraus estudantis. 

Na década seguinte, fundou a produtora Rapsoulfunk, que além de ter lançar e produzir discos, também atuava como grife de moda e produzia de bailes, shows e eventos Funk e Hip-Hop no eixo Rio/São Paulo. A empresa foi uma parceria com o ex-VJ Primo Preto da MTV. Em 2004, a Rapsoulfunk fez a curadoria do Festival Hip-Hop Manifesta que levou ao palco do Riocentro em Jacarepaguá/RJ os rappers Snoop Dogg e Ja Rule. 

Seu 1º álbum, intitulado, “O Bonde dos Justos”, veio ao mundo em 1994.  Em 1999 lançou pela Warner Music “O Fiel”. Em parceria com o rapper carioca MV Bill, criou em 2001 o PPPomar ou Partido Popular Poder para a Maioria, porém sua permanência foi curta e já no ano seguinte se desligou da iniciativa por desentendimentos com Celso Athayde da CUFA, Produtor da Hutus, e então empresário de MV Bill e dos Racionais MC's. Ainda naquela época, por conta de suas letras, foi acusado de fazer apologia ao crime, especialmente pelo hit "Cachorro", cuja temática era a corrupção policial. Por vezes, suas gravações integraram CDs Piratas (os "Proibidão do Rap", aqueles que só se encontram nas banquinhas de camelô). No repertorio desses discos, sons de exaltação ao Comando Vermelho (Facção criminosa do RJ). A respeito disso, Catra teria dito ao Jornal do Brasil: "Não era nem pra ser gravado e comercializado. Simplesmente vamos aos bailes, às rádios e cantamos com a rapaziada". 

Em meados de 2000, sua popularidade nacional cresceu com músicas como "Adultério", um funk paródia de "Tédio", um dos maiores hits do Biquíni Cavadão. A versão foi incluída em coletâneas de funk, e tocou exaustivamente em rádios populares do Rio de Janeiro. Com isso, Catra passou a explorar cada vez mais a temática sexual em suas letras, que se tornaram apelativas. Com seu jeitão descompromissado, o sempre polêmico Mr. Catra esteve ativo ao longo dos anos em programas de TV e videoclipes de muitos artistas. Entre eles; "Mansão Thug Stronda" do Bonde da Stronda, “A Gente Faz a Festa”, do grupo de pagode Exaltasamba e "Mama", da Valesca Popozuda e também participou da premiação do 4º Prêmio Sexy Hot.

O Paizão e a Família!
Catra ficou famoso por ser casado com três mulheres, além de outros relacionamentos, que lhe renderam mais de 30 filhos. Isso sem falar nos filhos que ele adotou, entre os adotados, consta que ele adotou os três filhos de sua empregada domestica, quando esta veio a falecer. Quebrando o estereotipo de “Quem é do funk não tem Estudo”, ele era formado em Direito, e falava cinco idiomas: português, inglês, francês, alemão e hebraico.

Mr. Catra & Os Templários...
Mr_Catra_e_ Os_templariosEm Janeiro de 2015, Catra anunciou o projeto de uma banda rock, intitulada Mr. Catra e os Templários. A banda lançou um EP homônimo independente em dezembro daquele ano. Críticas vieram de todos os lados, teve quem torceu o nariz, e teve quem o enaltecesse pela atitude. Foi chamando de aproveitador, modista, e que entrou no Rock pelo dinheiro (Qual dinheiro?!). Já aqueles que ao menos o respeitaram com o projeto, foram os que estiveram antenados com os trabalhos de Catra, alguns desde os anos 1980.

A Doença...
No inicio de 2017, descobriu que tinha câncer no estômago, porém somente em dezembro daquele ano revelou a doença. Depois de meses de luta, veio a falecer no último, 9 de setembro de 2018. 

Fica aqui nosso pequeno tributo ao artista e trabalhador da música, quer você goste dele ou não, apenas porque uma coisa não tem nada a ver com a outra, e o aplauso jamais deve ser negado ao artista. Aos Familiares, Amigos, Parceiros de Palco e Fãs nosso maior Respeito. Catra, vai de boa e fica na Paz! – Alexandre Beckão. 

ESCUTE Mr. Catra & Os Templários: https://www.youtube.com/watch?v=kTWeznBNt4s
FANPAGE:   https://www.facebook.com/MrCatraeOsTemplarios/

DEPOIMENTOS:
Luciano Paz (Tomarock Produções) - Duque de Caxias/RJ –
“Conheci o Mr. Catra em 2005 em um show no extinto Tribunal Do Chopp em Caxias. Quando ele chegou na casa cumprimentou todos os seguranças e funcionários. Foi um show de funk diferenciado, ele tinha o público na mão, uma vibe absurda, um transe coletivo. Nesse dia eu e o amigo Luciano Félix trocamos uma baita ideia com ele sobre Thrash Metal Bay Area e o Thrash Metal Alemão. Mr Catra foi o maior artista de funk independente que vi, ele lançou CD de funk, um disco de samba maravilhoso, enquanto o disco de rock com os Templários que todo mundo ficou babando ovo na verdade nem era tão bom assim. O cara deixou três esposas e 32 filhos, alguma desses foram adotada tendo HIV. Era inteligente pra cacete, e a prova que estereotipar funkeiro chamando de burro é um baita erro. Uma grande perda e esse aí merecia aquele paraíso muçulmano com 30 virgens e não o céu católico sem graça. Descanse em paz Mr Catra, um homão da porra!”

Pablo Laignier (Músico e Professor de Comunicação Social) - Rio de Janeiro/RJ – "Mr. Catra tornou-se um símbolo da irreverência do funk do Rio de Janeiro. Sua personalidade cativante vai deixar saudades para os amantes deste gênero musical. Catra era autêntico e muito respeitado tanto pelos funkeiros quanto pelos pesquisadores. Meus sentimentos por esta perda".

Postado por Michael Meneses segunda-feira, 17 de setembro de 2018 09:15:00 Categories: Biquíni Cavadão Funk Heavy Metal Mr. Catra Mr. Catra & Os Templários MTV MV Bill Rock Tomarock Prod. Underground
Portal Rock Press