LOREENA MCKENNITT - A CELTA ERRANTE NO BRASIL: UM BREVE REVIEW!

A diva canadense Loreena Mckennitt desembarca na América do Sul com a turnê Lost Souls. No Brasil serão quatro shows LOREENA_MCKENNITTque acontecem, nos dias 30 e 31 de outubro, no Credicard Hall, em São Paulo, no feriado do dia 2 de novembro, no Km de Vantagens Hall, no Rio de Janeiro, e em 4/11 em Belo Horizonte, no Km de Vantagens Hall. Em seguida Loreena Mckennitt faz apresentações em Buenos Aires, na Argentina (7/11) e no dia 9/11 em Santiago, Chile. A turnê no Brasil é uma realização da Time For Fun e os ingressos estão à venda.

LOREENA MCKENNITT - A CELTA ERRANTE NO BRASIL: UM BREVE REVIEW
TEXTO: – Jonildo Dacyony – FOTOS: Divulgação

LOREENA_MCKENNITT_NO_BRASIL

Há algumas semanas, no trânsito congestionado do Rio de Janeiro, sintonizei uma dessas estações de rádio "easy listening" e ouvi a chamada do show de Loreena que acontecerá na cidade. Pra mim, que virei fã à primeira audição, soou quase como uma ofensa quando o locutor disse que se tratava da maior cantora da "Folk Music", "Música Celta" ou coisa parecida. Acontece que McKennitt é muito mais que isso. Tentarei, nas próximas linhas, explicar essa minha reação indignada, típica do mais chato dos fãs.

Em uma tarde, em meados da década de 1990, um amigo (Michael Meneses, hoje editor-chefe da Rock Press e criador  do Selo Cultural Parayba Records, que naquela época, era apenas um headbanger fedorento, mas sempre antenado) trouxe uma fita K7 com uma coletânea da Enya, na qual havia também três canções de uma cantora de quem nunca tinha ouvido falar, dona de uma belíssima voz de que alternava timbres agudos límpidos com graves aveludados. Era extremamente interessante, sobretudo pelos arranjos muito bem elaborados e a temática, que não devia absolutamente nada aos melhores compositores de qualquer estilo. As canções? "All Souls Night", "Bonny Portmore" e "Between the Shadows", essa última, uma instrumental, com um arranjo cujo tema principal era feito por uma harpa, que descobriria depois que era tocada pela própria cantora. A cantora? Loreena McKennitt.

Após escutar aquelas três canções, as quais, pouco tempo depois viria a descobrir que eram a sequência inicial do álbum "The Visit" e que havia outro amigo que o possuía. É óbvio que, em um tempo em que o compartilhamento de músicas se dava de forma muito mais lenta e dada a dificuldade  de se obter algo não tão óbvio, pedi pra fazer cópia pra mim, mas não tardou, também adquiri o CD ao encontrá-lo em um desses grandes magazines.
 
Daí em diante, comecei a pesquisar em grandes redes e em lojas especializadas em Rock e Metal (por que não?). O que consegui em seguida, foram dois itens da discografia da cantora que já haviam sido lançados no Brasil: "The Mask and Mirror" (quarto álbum de estúdio e meu predileto) e "A Winter Garden - Five Songs for a Season" (EP de releituras de canções tradicionais natalinas com arranjos simplesmente espetaculares). Naquela época, os primeiros álbuns não haviam sido lançados por aqui, salvo engano. Só consegui ouvir os três primeiros álbuns depois do lançamento de "Book of Secrets", de 1997. É importante ressaltar que a internet, ainda engatinhava no país e o downlood não era uma opção, pelo menos para nós, meros mortais.
 
Loreena possui uma formação musical muito polida, muito disciplinada. Por isso, é fácil notar o perfeccionismo com que suas composições são elaboradas, tanto em arranjos e letras, quanto em qualidade de gravação. Esses aspectos resultam em uma carreira bastante sólida desde o primeiro momento.
 
A estreia foi em 1985 com "Elemental", cuja base de quase todos os arranjos da um destaque especial a dois  instrumentos: a naarpa, e o acordeon,  prodigiosamente tocados por McKennitt. Os destaques desse debut são "Blacksmith", "Stolen Child" (inspirada em um poema de W.B. Yeats) e "Lullaby" (onde há uma linda citação de um texto de William Blake).
 
Dois anos depois, foi lançado "To Drive The Cold Winter Away", disco com qual, a cantora consolida uma de suas propostas musicais: a sua relação com os temas tradicionais, especialmente os natalinos, algo que futuramente seria uma constante em sua carreira. Das dez faixas, sete são do cancioneiro tradicional europeu, mas digo sem medo de errar que a canção mais bela que temos aqui, e sem dúvida uma das mais belas da canadense é "Snow", poema de Sir Archibald Lampman, musicado divinamente por McKennitt, tanto que foi incluída no já mencionado EP "A Winter Garden", de 1995, que por sua vez é uma espécie de prévia para um lançamento de anos mais tarde, "A Midwinter Night's Dream", que reune, além das cinco canções do EP, mais oito composições natalinas tradicionais, com roupagens, que como sempre, ganharam arranjos pra lá de originais. Impossível não destacar "God Rest Ye Merry", que faz parte das duas obras e que mostra as influências de música árabe, que já eram se faziam bastante presentes lá em 1994, na obra-prima, também anteriormente citada "The Mask and Mirror".
 
Aliás, "The Mask and Mirror" é um capítulo mais do que especial na carreira de Loreena. Tem uma temática que nos remete ao Medievo e à Idade Moderna, dentro do contexto das cruzadas, com elementos do Cristianismo e Islamismo e reúne obras de São João da Cruz, W.B. Yeats (novamente) e William Shakespeare (com quem Loreena possui uma íntima ligação através de suas obras), todas musicadas de forma impecável. Pra completar, as maravilhosas, entre composições próprias, como "The Mystic's Dream", "Marrakesh Night Market" e "Full Circle", e as tradicionais, "The Bonny Swans" e "Santiago".

Antes dessa obra-prima, McKennitt havia lançado dois excelente trabalhos: "Parallel Dreams" e "The Visit". Em "Parallel", de 1989, seu terceiro álbum de estúdio, a cantora consolida uma de suas especialidades que é musicar textos clássicos de grandes autores, tendo também como destaque uma música que leva o nome de um quadro de um programa musical do qual ela havia participado no ano anterior: "Breaking the Silence".

Sobre a passagem da turnê Lost Souls na América do Sul Loreena declarou: "Desde nossa primeira turnê pela América do Sul em 2013, as pessoas escrevem e perguntam quando eu vou voltar. "Bem, estou muito feliz por anunciar que voltarei. Estou muito ansiosa para apresentar algumas das músicas do meu novo álbum.” Não há como ler esta declaração e não lembrar da primeira vez em que ouvi "The Visit" inteiro. Além daquelas três primeiras canções que me apresentaram a diva canadense, haviam "Greensleeves", a tradicional cantiga inglesa, musicada com uma delicadeza ímpar, "Tango to Evora", com sua melodia suave e melancólica, "Cymbeline", texto da clássica comédia de Shakespeare, "The Lady of Shalott", adaptada do poema Alfred Lord Tennyson e pra completar, "Courtyard Lullaby" e "The Old Ways", ambas estupendas composições próprias, sendo a última a melhor do disco.

Outro tipo de abordagem muito presente nas composições de McKennitt é o de manifestações culturais de determinadas regiões e povos. Isso aparece de forma bem evidente em "Mummer's Dance" ("The Book of Secrets", 1997), cujo vídeo clip é o mais famoso da cantora; em "All Souls Night" ("The Visit", 1991); em "Huron 'Beltane' Fire Dance" ("Parallel Dreams", 1989), entre outras. 

Essa profundidade em pesquisa musical, leva a um cuidado muito especial, no que diz respeito às informações fornecidas aos fãs: os encartes dos discos são sempre recheados de histórias sobre os processos de composição, desde a inspiração até algumas peculiaridades curiosas, muitas vezes em inglês e no idioma local. Algo que, sem dúvida aproxima os fãs de qualquer parte. 

Existe uma máxima no mundo da musica que diz que toda carreira de sucesso deve ser coroada com um belo registro ao vivo. Loreena já havia lançado um EP durante a turnê de "The Mask...", mas em 1998 resolve lançar o duplo ao vivo "Live in Paris and Toronto", deixando registrado o sucesso da turnê de "The Book of Souls". O set não só deu ênfase à esse álbum, como ele foi executado na íntegra, pra completar foram incluídas canções dos dois anteriores. Contudo, a turnê marca um momento trágico na vida pessoal da artista: Ronald Rees, seu noivo na época, morre em um acidente náutico, juntamente com seu irmão e um amigo, enquanto ocorria a mixagem do disco na Inglaterra. Ao saber da notícia, Loreena voltou imediatamente ao Canadá e posteriormente a renda da vendagem do álbum foi revertida para o Cook-Rees Memorial Fund For Water Search And Safety (instituição dedicada segurança na água). Em seguida, a cantora fez uma pausa de longos oito anos.

Em 2006, McKennitt volta à cena com "An Ancient Muse", um trabalho que mostra uma artista bem amadurecida, mas sem abandonar os elementos que sempre marcaram sua carreira. Da turnê, nasce o caprichadíssimo "Nights from the Alhambra", outro registro ao vivo, lançado em CD e DVD, e não poderia ser diferente, por conta das locações onde show foi realizado: o complexo palaciano de Carlos V, em Granada, Espanha. Além das músicas recém-lançadas à época, dessa vez foram contemplados os primeiros álbuns. Um registro com um cenário que tem tudo a ver com a música de Loreena.

Depois do lançamento do já citado "A Midwinter Night's Dreams", é lançado "A Mediterranean Odissey", um álbum duplo, que em um disco traz uma coletânea de gravações de estúdio selecionadas pela própria cantora e no outro, traz versões ao vivo inéditas de outras canções.
 
O nono trabalho de estúdio da cantora, "The Wind that Shakes The Barley" chega às lojas em 2010 e traz como destaque canções como "As I Roved Out", "Down by the Sally Gardens", além da faixa-título. 
 
Em 2012, um show em formato mais intimista, com apenas três músicos no palco: Brian Hughes, Caroline Lavelle e Loreena, dá origem a "Troubadors on the Rhine", mais um ao vivo na carreira da cantora. Depois, no ano seguinte, é lançada uma ótima coletânea chamada "The Journey so Far: The Best of Loreena McKennitt", que indico principalmente pra quem não tem muita familiaridade com o repertório da artista. 

Cinco anos após o lançamento desse "Best of" é lançado "Lost Souls", que chegou ao mercado em maio de 2018, com a excelência resultante do talento e perfeccionismo que McKennitt traz desde o início da carreira. O álbum foi produzido pela própria cantora e foi lançado no formato CD, disco de vinil de 180 gramas e em todos os serviços de música, incluindo iTunes, Apple Music e Spotify e traz ótimas composições, como "Spanish Guitars and Night Plazas", "The Ballad of Fox Hunter", "La Belle Dame Sans Merci" e a canção que dá nome ao trabalho. Acompanhada de Brian Hughes (guitarras, oud e celta bouzouki), Caroline Lavelle (violoncelo), Hugh Marsh (violino), Dudley Philips (contrabaixo) e Robert Brian (bateria).

Debruçar-se sobre a carreira de uma artista como Loreena McKennitt é bastante desafiador, pois devido à diversidade musical e poético-literária de sua obra, facilmente pode-se deixar de fora algum aspecto importante, mas por outro lado, é extremamente prazeroso ter a oportunidade de poder mostrar que a talentosa artista de Manitoba, a "celta errante", como ela mesma se define, vai muito, mas muito além da "maior voz da Folk Music", é uma diva, uma musa que reune todos os elementos narrados aqui e quiçá, alguns que possam ter sido esquecidos para fazer de uma apresentação sua uma experiência inesquecível. – Jonildo Dacyony.

Loreena Mckennitt - Turnê Lost Souls – Brasil 2018 
SERVIÇO:
SÃO PAULO/SP
DATAS:
 Dias 30 e 31 de outubro de 2018, às 21:30     
LOCAL: Credicard Hall SP – Av. das Nações Unidas, 17.955 – Santo Amaro –SP/SP.
CAPACIDADE: 4.171 pessoas.
CLASSIFICAÇÃO: 08 a 13 anos: Permitida a entrada acompanhados dos pais ou responsável legal. 14 anos em diante: Permitida a entrada desacompanhados.
INGRESSOS:
Com taxa de conveniência:
 http://premier.ticketsforfun.com.br/
Bilheteria oficial (sem taxa de conveniência): Credicard Hall - Av. das Nações Unidas, 17.955 - Santo Amaro – SP/SP.

RIO DE JANEIRO/RJ
DATA:
 Sexta-feira -  02 de novembro de 2018, às 22h.
LOCAL: Km de Vantagens Hall - Av. Ayrton Senna, 3000 - Shopping Via Parque - Barra da Tijuca/RJ
CAPACIDADE: 2.822 pessoas.
CLASSIFICAÇÃO: 08 a 13 anos: Permitida a entrada acompanhados dos pais ou responsável legal. 14 anos em diante: Permitida a entrada desacompanhados.
INGRESSOS:
Com taxa de conveniência:
 http://premier.ticketsforfun.com.br/
Bilheteria oficial (sem taxa de conveniência): Km de Vantagens Hall RJ - Av. Ayrton Senna, 3000 - Shopping Via Parque - Barra da Tijuca/RJ.
 
BELO HORIZONTE/MG
DATA: 
Domingo, dia 04 de novembro de 2018, às 20h30.
LOCAL: Km de Vantagens Hall BH – Av. Nossa Senhora do Carmo, 230 – São Pedro – Belo Horizonte/MG.
CAPACIDADE: 3.650 pessoas.
CLASSIFICAÇÃO: 08 a 13 anos: Permitida a entrada acompanhados dos pais ou responsável legal. 14 anos em diante: Permitida a entrada desacompanhados.
INGRESSOS:
Com taxa de conveniência:
 http://premier.ticketsforfun.com.br/
Bilheteria oficial (sem taxa de conveniência): Km de Vantagens Hall BH - BH – Av. Nossa Senhora do Carmo, 230 – São Pedro – Belo Horizonte/MG.

Portal Rock Press