Let's go Murphys! - Dropkick Murphys + Booze & Glory - Circo Voador/RJ - 27/10/17

Em turnê de lançamento do álbum 11 Short Stories of Pain & Glory, o Dropkick Murphys trouxe o seu Celtic Punk Dropkick Murphys  27 10 2017  Circo Voador RJ Fotos Edy Monteiroao Brasil, para shows no Rio de Janeiro, São Paulo e Curitiba. O Circo Voador foi o palco do show no Rio e que contou com a banda Booze & Glory, fazendo o show de abertura.

 
Dropkick Murphys - Let's go Murphys!
Dropkick Murphys + Booze & Glory - 27/10/2017 - Circo Voador/RJ
Texto e Fotos: Edy Monteiro

Dropkick Murphys  27 10 2017  Circo Voador RJ Fotos Edy Monteiro

 
Com 21 anos de estrada, próximo a comemorar 20 anos de lançamento do seu primeiro disco (Do or Die), o Dropkick Murphys, é uma banda formada na cidade de Quincy – Massachusetts. A ênfase regionalista e também das raízes ancestrais celtas, moldam o conteúdo das suas canções “Celtic-Punk” com situações rotineiras, e saudações aos símbolos populares da região, sendo das mais notórias uma exaltação ao time de baseball local, o Boston Red Sox, na canção Tessie.
 
Dropkick Murphys  27 10 2017  Circo Voador RJ Fotos Edy Monteiro Os Ingleses do Booze & Glory aqueceram a galera que compareceu ao Circo Voador, e que certamente terá a apresentação do Dropkick Murphys registrada como sinônimo de uma noite memorável. Afinal tão esperada apresentação da banda no Rio de Janeiro levou ao delírio todos os presentes. Durante uma hora e quarenta, eles tocaram da melhor e mais dedicada forma possível, com um som peculiar para o pessoal aqui dos trópicos, gaita de fole e a flauta tin whistle presente, deixaram a pista com o ar celta. Tocando músicas dos discos, Do or Die, The Warrior's Code, The Meanist of Time, Signed and Sealed in Blood, e do novo álbum, 11 Short Stories of Pain & Glory, agradaram em todos os momentos o público, que não pararam por um instante de corresponder a empolgação da banda. Eles vieram ao Brasil compostos na atual formação, Al Barr (vocais), Ken Casey (vocais e baixo), James Lynch (guitarra e vocais), Matt Kelly (bateria), Tim Brennan (guitarra, bandolim, acordeão), Josh "Scruffy" Wallace (gaita de fole e tin whistle) e Jeff DaRosa (violão, banjo, teclado).
 
Cabe ressaltar que infelizmente o Circo Voador estava com metade da sua lotação, o que não é cena rara de acontecer por estes lados cariocas, mesmo com grandes bandas como o Dropkick Murphys. A galera local precisa acordar, lembrar que não basta marcar "presença" em sua rede social... os produtores estão correndo atrás dos nomes (ano passado a banda fez show único em SP, com casa cheia), mas precisam da presença maior do público, para essa roda continuar o ciclo. 
 
Voltemos ao show...
Mesmo com a empolgação lá em cima, tiveram alguns pontos mais altos ao longo da apresentação, destaque para o delírio extra quando tocaram The State of Massachusetts, Rose Tattoo, I'm Shipping Up to the Boston. Além desse momento, tradicionalmente o Dropkick Murphys executa covers em suas apresentações, o que acrescenta mais ainda com suas versões muito bem tocadas, de “Cretin Hop” (Ramones) e “I Fought the Law” (The Clash) arrebatou desde o primeiro acorde tocado. O final apoteótico, “You'll Never Walk Alone” (Canção do Gerry & The Pacemakers, mas regravada por meio mundo), com Al Barr puxando para o palco quem quisesse subir... e quem iria recusar. Para desespero dos técnicos de som, mas alegria do público, que deixou a pista para cantar junto a banda, fazendo coro no encerramento com Dynamite (AC/DC).
 
Mesmo em uma apresentação com um publico abaixo do esperado, o Dropkick Murphys em nenhum momento deixou parecer que isto seria desmotivador, muito pelo contrario, em todo show eles se mostraram totalmente imbuídos em apresentar o seu melhor ao público presente. A sintonia da banda em despejar toda a energia possível era recompensada na troca direta do publico, que saudou a banda com todo o calor que podiam emanar. Destaque para as performances de Tim Brennam, seja na guitarra, bandolim ou acordeão, eram extremamente empolgantes, os vocalistas Al Barr e Ken Casey o tempo inteiro se comunicando e chamando o público pro show.

Dropkick Murphys  27 10 2017  Circo Voador RJ Fotos Edy Monteiro


Por fim, é plenamente satisfatório assistir a um espetáculo profissional em todos os sentidos, onde não confundem uma apresentação correta como burocrática ou fria, pois fica claro que a banda e equipe se dedicam a executar um som na melhor qualidade. Soma-se mais um belo momento para manter acesa a magia do Circo Voador. – Texto/Fotos: Edy Monteiro.

Postado por Michael Meneses terça-feira, 31 de outubro de 2017 14:19:00 Categories: AC/DC Booze & Glory Circo Voador Dropkick Murphys Gerry & The Pacemakers Lapa/RJ Punk-Rock Ramones The Clash
Portal Rock Press