ENTREVISTÃO - Gepeto e os 30 Anos do Ação Direta

No Brasil quando uma banda completa 10 anos de estrada já é vista como veterana, afinal trabalhar com arte e musica, sobretudo Ação Direta no Portal Rock Pressrock no país não é fácil. Agora imaginem quando uma banda que consegue chegar aos 30 anos? Em nossa cena temos nomes que independente de estilos escrevem há 30, 40, 50 anos a historia no rock nacional. Completando 30 anos e mesclando Hard-Core, Punk e Metal a banda do ABC paulista Ação Direta é um desses nomes. Gepeto, vocal e um dos fundadores da banda, falou sobre essas três décadas de história no entrevistão das Paginas Psicodélicas do Portal Rock Press. Gepeto ainda falou da situação politica no Brasil, sua outra banda o Letall e dos trabalhos da Bombardeiro Discos seu Selo/Distros. E como já é uma tradição, das Paginas Psicodélicas, a entrevista contou com participações especiais, dessa vez com Carlos Lopes (Dorsal Atlântica), Silvio Campos (Karne Krua), Fabio Downhill (Fokismo) e da banda Uzomi. SEGUE:

Gepeto e os 30 Anos do Ação Direta nas Paginas Psicodélicas do Portal Rock Press!
Entrevista por Michael Meneses - Fotos Divulgação

Ação Direta ao Vivo Portal Rock Press

1 – PORTAL ROCK PRESS: A banda completou 30 anos. Década a década, faça um balanço desses anos de luta e aprendizado...
Geperto Ação Direta no Portal Rock Press FOTO DIVULGAÇÃOGEPETO/Ação Direta -
Meu  primeiro  balanço é... Caracaaaa, como o tempo voou!  Passaram-se  três décadas!   Como é que estamos aqui ainda em  atividade? (Risos). Uma coisa que eu jamais imaginei quando começamos em 1987 é que a banda teria essa longevidade!  A década de 80 foi à época das descobertas e da grande busca por informações! Gravamos a nossa primeira fita-demo intitulada “Temos Que Agir” e vivenciamos a experiência de trocas de fitas K7s via correio. Enviamos a demo  para vários países da Europa e para os USA.  Além  de espalhar cópias por todo  Brasil. Era uma época difícil para tocar, pois além  da absoluta falta de espaços, os instrumentos eram bem precários e nem sabíamos tocar, ainda existia um conflito pesado entre as diversas gangs de SP e da região ABC que dominavam  seus territórios. Nessa época a gente estava começando em ir além  do envolvimento na cena Hard-Core/Punk a gente também curtia Metal e dividíamos ensaios com uma banda chamada Hammerhead (Nota do Portal Rock Press: Lendária banda de Thrash-Metal do ABC-Paulista). Sobrevivemos bem a esse período!  Entramos nos anos 90 lançando  nosso  primeiro  LP “Resistirei” numa época onde ainda era raro uma banda gravar um disco. O lance era bem  restrito e as informações ainda difíceis. E o que se desenhou foi uma época de ouro também. Vivenciamos  surgimento do Crossover, que foi a fusão do Punk com o Metal, estilo que influenciou muito a Ação Direta a moldar o seu  estilo.  Vivenciamos uma transformação, com a valorização e crescimento da cena underground, vivemos a transição  dos LPs para a então nova tecnologia dos CDs, os anos 1990 também foi a década que as pessoas adotaram  a filosofa D.I.Y. (Faça Você Mesmo) e os selos independentes bombaram forte, as pessoas ficaram  incentivadas a reconstruir a cena Punk/HC até então muito  desgastada pelo ganguismo e a violência dos anos 80! Foi na década de 1990 que caímos na estrada e gravamos 04 álbuns! “Resistirei” (1991), “Baseado  Em  Fatos Reais” (1994), “Entre A Benção E O Caos” (1997), “Intervenção” (1999), fizemos duas tours fantásticas pela Europa! Em 1997 nossa primeira aventura e 1999 onde trouxemos o álbum ao  vivo  “RISOTTO BOMBS - Live In Slovênia” gravado ao num show alucinante na cidade de Koper na Eslovênia. Entramos nos anos 2000 ganhando o nosso CD Tributo, o Ação Direta - Tributo (2000), uma iniciativa muito legal pilotada pelo pessoal do Selo Rasura Records que conseguiu reunir um cast de primeira e ficamos super honrados com a homenagem, onde participaram bandas clássicas e que marcaram época de SP, Brasília, Rio de Janeiro, Rio Grande Do Sul e Santa Catarina! Difícil citar uma ou outra, no geral foi um trabalho muito bom. A banda seguiu forte com o crescimento da cena independente em nível de Brasil ao lado de diversas bandas, selos e festivais, continuamos trabalhando e fizemos outras duas tours pela Europa em 2001 e 2004. Também lançamos mais 03 álbuns de estúdio, além  do  CD ao vivo  “Risotto Bombs - Live In Slovêna”, gravado  em  1999 e lançado  no inicio  de 2000. Lançamos “Revolta/Repúdio/Confronto/Resistência” (2003), “Massacre Humano” (2005), e “World Freak Show” (2012). Assistimos uma transformação devastadora e muito rápida com a chegada das tecnologias que atingiram o meio musical  de forma certeira. Computadores, .com.brs, MP3, troca de arquivos, plataformas digitais, redes sociais, smarthphones, links, etc. E aqui estamos, ainda ativos, criativos, contestadores e barulhentos.
 
2 – PORTAL ROCK PRESS: Como estão sendo os shows de comemoração por esses 30 anos e em meio a essas comemorações a banda está com formação nova. Como e por que ocorreu a entrada de guitarrista Denis?
GEPETO -
Após o lançamento do álbum “World Freak Show”, tivemos de 2013 a 2015 um período forte de shows para promover oDenis Ação Direta no Portal Rock Press álbum! No final  de 2015 as coisas estavam estranhas e após 27 anos sem parar, demos umas merecidas férias à banda! Ficamos sem atividades, desplugados por mais de um ano e meio! Esse período foi importante e muito bom para todos, que puderam tocar suas vidas pessoais e seus projetos adiante além de refletirem sobre a banda! Em 2017 após alguns encontros e conversas, sentimos aquela vontade de trabalhar novamente, de reorganizar as coisas e comemorarmos os 30 anos da banda. Começamos a conversar sobre e logo que consultado, o guitarrista Marcus Pancho, nos informou que por motivos pessoais estava deixando a banda. Fizemos o convite ao  nosso velho amigo Dennis "Piuí" que havia tocado no Hellsakura com a Cherry (RIP) e no Garotos Podres. Ele aceitou na hora e a partir dai começamos um trabalho pesado de ensaios e a integração do novo integrante. Selecionamos a dedo um set-list especial com músicas de todas as fases e álbuns! Conseguimos fazer a estreia da nova formação e o primeiro show comemorativo no dia 09.09.2017 no Estúdio Rising Power do nosso amigo André Alves. Logo na sequencia, participamos de um festival aqui na região do ABC no final  de Outubro. Os shows rolaram bem e decidimos dar sequencia em  2018 na tour “Ação Direta - 30 Anos” e vamos batalhar para levarmos esse show para vários lugares do Brasil.
 
3 – PORTAL ROCK PRESS:Nesses 30 anos qual foi o período mais difícil da banda?
GEPETO -
Estar numa banda de corpo e alma durante três décadas não é uma tarefa fácil! É uma grande sucessão de altos e baixos! Um grande entrega! Creio que as saídas de componentes importantes foram situações difíceis que tivemos que superar. Abrir mão de projetos pessoais, estudos, relacionamentos e etc, para se dedicar e vivenciar o dia a dia de uma banda, as coisas que pegam e que temos que aprender a lidar. Uma situação pontual, muito difícil para nós aconteceu  durante a turnê europeia de 2004, quando  fomos impedidos de entrar na Inglaterra para cinco datas. Fomos deportados, enviados de volta a Holanda. Isso acarretou uma série de problemas que tivemos que resolver juntos, com decisões importantes a serem tomadas. Conseguimos contornar a situação e reequilibrar e finalizar a tour na ocasião!    
 
4 – PORTAL ROCK PRESS: A banda já esteve em 4 turnês pela Europa, em uma mini tour na Argentina e diversos shows pelo Brasil. Cada tour é sempre uma nova experiência. O que uma tour ensina a outra tour?
GEPETO -
O aprendizado  é grande! Musicalmente falando uma tour transforma uma banda! Você adquire entrosamento ímpar, passa a ter um padrão de timbres independente do local, das condições técnicas, da acústica sabe, é um lance que da aquela parede ao som da banda! Tem o lance de trazer também  um domínio sobre palco, resistência e a experiência. Culturalmente os choques culturais proporcionados por essas turnês mudaram  nossas vidas, nossos jeitos de pensar, nossas motivações, nossas visões e atitudes perante a vida em sociedade e o mundo em que vivemos. Essa bagagem lhe torna um músico bem melhor. E a estrada ensina coisas que são para a vida e que você sempre traz como experiência para uma próxima tour! Por exemplo, não se esquecer de levar papel higiênico, dormir e se alimentar sempre que possível, independente das situações manter sempre o bom humor, respeitar pessoas e regras locais, etc.

Discografia Ação Direta no Portal Rock Press

5 – PORTAL ROCK PRESS: Ação Direta lançou 8 álbuns oficiais, analise um a um esses discos...
GEPETO – “RESISTIREI” (1991)
- Nosso  primeiro LP! Gravação  tosca, falta de experiência em estúdio e um repertório que abrangeu a primeira fase da banda. Já ficava clara ali a mistura de Punk/HC e Metal. 
“BASEADO EM FATOS REAIS” (1994) - Nosso segundo álbum veio com uma gravação / produção mais refinada. Assinamos com o selo Devil Discos e tivemos João Gordo (R.D.P.) conosco no estúdio produzindo junto com o mestre RH Jackson. O disco mostra uma faceta mais Hard-Core/Metal com algumas inserções acústicas. 
“ENTRE A BENÇÃO E O CAOS” (1997) - Este trabalho é um divisor de águas na nossa história e um clássico do HARDCORE nacional. Esse álbum teve produção do Boka (R.D.P.) e foi lançado pelo selo Pecúlio Discos. Marca a estreia do baterista Marcão (Ação Direta / Dead Fish) na banda e agradou em  cheio a galera, recebeu  diversas criticas positivas no Brasil e também em fanzines europeus e americanos e recebeu prensagem  em versão LP na Alemanha e Inglaterra.
“INTERVENÇÃO” (1999) - Após retornarmos de nossa primeira tour pela Europa em  1997, ainda sobre um choque cultural extremo compomos esse álbum em 06 meses. Até hoje é um disco experimental onde a banda quebrou barreiras e resolveu  experimentar sonoridades diferentes e letras de auto  conhecimento e existencialismo. Produzido pelo mestre Marcelo Pompeu, “Intervenção” recebeu prensagem europeia na Alemanha e na Espanha.
“RISOTTO BOMBS - LIVE IN SLOVÊNA 1999” (2000) - Considero  esse álbum um documento  do Hard-Core Brasileiro na Europa. O álbum foi gravado  110% ao vivo numa fita K7 de 90 min, por cima de um AC/DC que estávamos ouvindo na van. Esse foi o 12 show da tour e estávamos bem afinados e entrosados. A qualidade da gravação surpreende pela ótima qualidade e traz a banda num momento ímpar de entrosamento e pegada.
“REVOLTA/REPÚDIO/CONFRONTO/RESISTÊNCIA” (2003) - Outro álbum clássico que teve excelente repercussão no Brasil e no exterior. Recebeu  prensagens em CD na Inglaterra e em LP na Alemanha com capa dupla e 7 EP de bônus. O álbum foi muito bem aceito também  pelos brasileiros, e rendeu  a banda o primeiro  vídeo-clip, vinculado na época na MTV e TV Cultura e foi eleito pela 7 Inch da Grécia, o melhor álbum de Hard-Core de 2003. A produção ficou a cargo  do Marcelo Pompeu e Heros Trench e foi muito elogiada pela impressa em geral. Marcão (Claustrofobia) e Jão (R.D.P.) fazem  participações especiais.
“MASSACRE HUMANO” (2005) - Esse é o nosso álbum Preto e Branco, nosso álbum Black Metal (Risos)! Gravado em sistema analógico, o disco foi produzido pelo mestre do barulho Ciero, no estúdio Da Tribo em SP. Traz musicas que beiram o Grind-Core e o Death-Metal numa mistura interessante  com o HARDCORE da banda. O álbum rendeu a banda mais uma tour europeia e foi muito bem  aceito  pelo publico geral.
“WORLD FREAK SHOW” (2012) - Fizemos esse álbum para marcar as comemorações pelos 25 anos da banda. Produzido novamente pela dupla Pompeu/Heros, o disco traz diversos convidados como Alex (Krisiun), Palmito (Tujerpiis), Vlads (Ulster), João (Test) além  do  próprio Pompeu (Korzus). A tour promocional rendeu a banda participações em diversos festivais pelo Brasil e vídeo clipes para as músicas “Desconstrução” e “Manifesto”.
 

6 – PORTAL ROCK PRESS: A banda participou de varias coletâneas e splits. Hoje, por conta da internet tais formatos estão Ação Direta no Portal Rock Presscada vez mais perdendo espaço. Qual seu ponto de vista sobre essa situação?
GEPETO –
Estamos vivendo uma nova era, onde a vida digital está tomando  conta e o jeito de se música entre as gerações mais novas é diferente! As trocas de arquivos, as plataformas digitais, youtube, por exemplo, são as tecnologias que tomaram  conta no momento, mas ainda não sabemos para onde vamos ao quesito tecnologia. Tudo muda muito rápido e as pessoas estão  vivendo  essa "urgência" e "desapego" de forma desordenada e intensa. Juntamos isso ao fato de sermos um país subdesenvolvido, mergulhado em  crises econômicas e o fato dessas novas gerações não demostrarem tanta vontade e interesse em renovação vem enfraquecendo muito o cenário do ROCK no país! Nesse momento não sabemos para onde as coisas vão  caminhar! É um momento de incertezas e muitas dúvidas. Vivemos uma explosão de informações para um público que não tem formação!
 
7 – PORTAL ROCK PRESS: Falando em discos a banda prepara um álbum para 2018, o que já pode adiantar sobre esse novo trabalho?AÇÃO DIRETA Baixo Portal Rock Press
GEPETO – Quando nos reunimos e conversamos sobre os projetos futuros, um novo álbum veio com força na pauta para marcar nossos 30 anos. Então, paralelo aos shows comemorativos, começamos a trabalhar ideias novas e resgatamos algumas ideias que havíamos começado a desenvolver antes das nossas férias. Estamos bem focados no trabalho e creio que até a metade do ano álbum estará chegando! Será o sucessor do “World Freak Show” nosso ultimo álbum lançado em 2013. Estamos motivados, mas ainda não da para adiantar muita coisa, pois estamos no inicio dos trabalhos!
 
8 - PORTAL ROCK PRESS:: Como anda as atividades do seu selo o Bombardeiro Discos? 
GEPETO –
Cara, a Bombardeio sempre foi muito mais voltada para ser uma distribuidora do que um selo. Lancei algumas bandas e álbuns que eu curto, também reeditei alguns CDs da Ação Direta nos últimos anos, mas mantive meu foco em distribuição. Após essa crise as vendas enfraqueceram e eu dei uma reduzida brusca nos trabalhos da Distro e ativei o braço "Produções" da Bombardeio, me envolvendo  por dois anos na tour da Letall onde fiquei responsável e cuidei de perto da agenda entre 2016 e 2017 com 55 shows realizados pela Lettall para a tour “Máquina De Propaganda”! Minha meta é continuar trabalhando com o Selo/Distro em 2018 e é claro com a Bombardeio Produções também!     

9 - PORTAL ROCK PRESS: Letall é sua outra banda.  2017 foi um ano bastante ativo para a banda, como serão as atividades desse projeto em 2018?
GEPETO – Verdade! 2017 foi um ano excelente para a Letall! Um ano de muito trabalho na divulgação do álbum de estreia “Máquina De Propaganda”. Fizemos 28 shows em 2017, passamos por SP, ABC e interior de paulista e tours por MG e SC além de uma rápida passagem  pelo RJ, lançamos o nosso  segundo vídeo clipe oficial da música “Seres Obsoletos”. No momento estamos testando um novo baterista e trabalhando no repertório do novo álbum da Letall. Nesse sentido  os trabalhos estão  bem  adiantados e o novo repertório praticamente pronto! O disco tem previsão para o primeiro semestre de 2018!
 
10 – PORTAL ROCK PRESS: Falando de politica agora. Vocês são do ABC Paulista, berço politico e do movimento Punk brasileiro. Como você tá vendo a situação politica do País e qual sua expectativa para as eleições de 2018 no ABC, em São Paulo e no Brasil?
GEPETO –
Eu como muitos amigos e familiares estamos preocupadíssimos com a situação do país que não é nada boa! Vejo propagandas mentirosas o tempo todo na TV iludindo o já tão alienado e manobrado Zé Povinho Brasileiro! Propagandas dizendo que os empregos estão crescendo, que a economia reagiu e está melhorado, blá, blá, blá! Mas basta olhar a realidade ao nosso redor, andar pelas ruas e cidades e perceber o crescimento impactante de pessoas em situação de rua, olhar os jovens, a música ruim que Faz/Escuta no Brasil, a situação das escolas e hospitais públicos e os números alarmantes de violência e intolerância para traçarmos um raio-X da realidade e vermos o quanto  regredimos nos últimos anos, tanto pelo abandono geral quando pelas péssimas gestões politicas dos "representantes" eleitos pelo povo ou por golpes e armações. O país está polarizado, dividido e infectado por bandidos, psicopatas, religiosos hipócritas e fanáticos, direitistas e esquerdistas escrotos, crimes organizados, corrupção  e gente canalha, de má índole e que não representa em  nada o povo! É um momento critico e muito importante! Temos visto  juízes, políticos e empresários acobertando e trabalhando para livrar da justiça essas pessoas que causaram um dano gigantesco ao país e a diversas famílias! É preciso marcar bem os nomes desses vermes e varre-los da politica e de cargos púbicos para sempre. Precisamos dar um basta e lutar pelo  fim  desse maldito foro privilegiado, onde tratam esses canalhas como  deuses. Que as pessoas sérias, do bem, trabalhadoras, corretas, produtivas, criativas, construtivas, positivas e de vontade forte possam se fazer ouvir nesse país tão desigual e injusto!
 
Uma tradição da Rock Press é convidar músicos e formadores de opinião para fazer perguntas às bandas que entrevistamos, selecionamos algumas que recebemos.

11 – Do inicio da banda, nos anos 1980 até os dias de hoje, muito mudou na cena e na comunicação dos artistas com o publico e vice-versa. Até onde isso hoje é positivo e até onde é negativo? – (Fabio Downhill Vocal Banda Fokismo/RJ) 
GEPETO –
Fabio, prazer!  Obrigado por estar participando amigo! Você tem  toda razão, essa comunicação mudou demais, passou por revoluções nas ultimas décadas! No inicio a gente se comunicava e divulgava nosso trabalho  com o público através de pesados serviços de correio que incluíam  cartas, todas escritas de punho e uma constante troca de LPs, K7 e 7EPs! Era assim que fazíamos nossa música chegar a lugares distantes do  Brasil e do  exterior! E o público também agia assim em relação às bandas. As bandas conseguiam matérias em fanzines xerocados ou jornais alternativos de Rock e o publico, ao tomar conhecimento da existência dessas bandas, escreviam  cartas solicitando material. Nos anos 2000 com a chegada dos CDs, tudo  ficou mais fácil e as bandas começaram a se aventurar e gravar seus próprios trabalhos e lança-los nessa versão. A abertura das informações e essa nova tecnologia incentivaram a criação de centenas e centenas de selos e distribuidoras independentes por todo o Brasil, que ajudaram e muito a difundir a nossa música e contracultura. Essa nova realidade foi seguida também por diversos "Agentes Culturais" que passaram a produzir shows e festivais pelo Brasil e a cena ganhou um novo folego e muita força. Mas as transformações tecnológicas agora são rápidas e vieram as trocas de arquivos digitais, My Space, MP3 e de repente tudo esta lá dentro disponível, fácil, gratuito... As gravadoras, distribuidoras e lojas que difundem  a música pesada sentiram  na pele essas transformações e de repente toda a magia dos álbuns físicos deram lugar as plataformas digitais. Todas essas transformações ainda são muito novas para nós e é praticamente impossível sabermos para onde vamos com tantas transformações rápidas e difíceis de serem  acompanhadas. Claro que hoje as coisas são mais fáceis com acesso a instrumentos, programas de gravação, divulgação online e espaços para shows e essa é a parte positiva. A parte negativa que percebo, é o desinteresse das novas gerações por CDs, LPs, EPs, enfim material físico. O jeito de se ouvir música mudou completamente. E esta é a questão: Esta tudo ai diluído. Um furacão  de informações disponíveis, mas nenhuma formação.
 
12 – O Rock perdeu sua relevância cultural? (Carlos Lopes da banda Dorsal Atlântica – RJ/RJ). 
GEPETO –
Grande Carlão!  CANUDOS na cabeça! Satisfação! O Rock está sim perdendo sua essência, sua atitude, seu alto  teor de contestação. Foi transformado pela indústria e pela mídia em um produto de consumo barato e sem inspiração e deixado como um "bagaço". Após um período muito fértil e marcante nos anos 90 o Rock sofre com as transformações do mundo tecnológico que atingiu em cheio a indústria e todo o circuito independente e vem mudando radicalmente e rapidamente os costumes dos jovens... Mas não  é só isso! Toda aquela magia que estava envolta a constante busca e difusão de informações, ideologias, posições politicas claras e atitudes éticas se perderam  com a chegada da era digital, pela qual  estamos atravessando e que vem transformado não  só Rock, mas o comportamento geral das sociedades pelo mundo. As pessoas vivem  a era do "agora", do imediato, da rapidez da informação e do descartável. Misturamos tudo isso a um país de terceiro mundo, subdesenvolvido, onde a cultura foi deixada de lado pelos "representantes" da nação e onde se prevalece um sentimento colonial entre o Zé Povo que valoriza mais artistas internacionais do que seus próprios, tem contribuído e muito para esse momento tão critico do Rock e da música geral. É claro que temos uma cena de bandas verdadeiras, fazendo Rock com rebeldia, inteligência e atitude, mas estão restritas a uma cena underground empobrecida e desestruturada e que ficam limitadas a um raio de ação pequeno, salvo  algumas exceções a serem  contadas nos dedos de uma mão. A crise econômica que assola o país atinge direto a cultura. Recentemente em SP vimos casas tradicionais de Rock fecharem suas portas e muito disso porque o público sumiu dos eventos.

13 – O Ação Direta nasceu na trincheira do Punk/HC, hoje flerta com metal, e outros estilos. Isso foi uma busca? Já às letras permanecem com fundamento politico social. Isso é uma convicção? – (Sylvio Campos – Banda Karne Krua – Aracaju/SE).
GEPETO –
Satisfação grande Sylvio! Obrigado pela participação aqui! Como citei acima, a banda surgiu em  meio a toda essa efervescência cultural. Na metade dos anos 80, a cena Punk/HC sofria com as guerras tribais das gangues e o Metal, nas suas vertentes mais agressivas explodia no Brasil inteiro, incluindo  o crossover e que nos influencio muito. Então essa fusão de estilos já veio desde o inicio. Mas só no decorrer dos anos, adquirindo bagagem e experiências é que conseguimos evoluir nos instrumentos e a partir dai começamos a moldar o estilo da banda. No inicio nossas letras eram panfletárias e cheias de palavras de ordem, e com aquela inocência de inicio de carreira.  Mas sempre nos preocupamos muito com essa parte temática. Hoje abordamos temas variados que vão do cotidiano, existencialismo, reflexões e comportamento humano. A música sempre foi para nós um meio de expressão!
 
14 – Como uma banda como Ação Direta analisa a atual conjuntura ideológica do país, com a crescente intolerância e polarização do extremismo? (Banda Uzomi/RJ).
GEPETO
– Grande banda UZOMI! Salve geralllll rapaziadaaaa! Então... Com preocupação, tristeza e indignação! Creio que esse é o principal retrato de que as instituições estão  falidas, falharam e não atendem mais os cidadãos. Tudo  virou uma grande disputa e imposição de opiniões, burras e limitadas. Regredimos, andamos para trás. Vivemos a misera divisão de "Coxinhas X Vermelhoides" e rotulados com essa pobreza as pessoas não tem força de olharam mais a fundo. Estamos em  guerra uns com os outros enquanto as castas burguesas nadam na lama da corrupção. E as pessoas estão tão  emburrecidas e alienadas que se vendem a esses rótulos nojentos e passam a serem  massas de manobra. Enquanto o humanismo  fica cada vez mais em  baixa, os sistemas opressores avançam e os direitos dos cidadãos são cada vez mais violados e reduzidos a pó!    
 
15 – PORTAL ROCK PRESS: A banda completou 30 anos e o movimento Punk no Brasil chegou aos 40, como você ver a cena nos dias de hoje e como você conheceu o Punk? 
GEPETO – Nasci na Zona Leste de SP, em 1970.  Em 1978 me mudei com minha família para São Bernardo Do Campo, cidade do ABC Paulista. Época de movimentos sindicais, e com a cidade em  estado de sitio com tanques de guerra no Paço Municipal, exercito e repressão a greves, enfim, ali estava eu  com 8 para 9 anos em  contato com todos esses acontecimentos. Perto  da minha casa havia uma praça chamada JD Lavínia e ali se reuniam os Punks num paredão de uma fabrica ao lado dessa praça. O visual  adotado pela galera era de chocar, principalmente em  tempos de ditadura militar. Foi ali na escola EEPG Santa Olímpia que conheci o Panda. A gente estava começando  a curtir Rock. Naquela época ou você era Punk ou Roqueiro. Não existia os termos Headbanger, Metaleiro, Crust, Anarco... Esse meu amigo, começou a se envolver com o movimento  Punk e me apresentou vários sons que rolavam na época, inclusive os primeiros álbuns tipo Lixomania, Grito Suburbano e SUB, além,  de gravações precárias de bandas locais como Ulster, Passeatas, Hino Mortal, Rebelião Suburbana, Libertação  Radical... Isso já na segunda metade da década de 80 e ali eu me identifiquei muito com essa postura e sonoridade. Em 1987 eu e o Panda fundamos a Ação Direta. A cena nos dias de hoje é melhor, mais pacífica, menos ganguista, existem mais espaços, apesar do fechamento de tantos locais nos últimos anos por conta da nossa eterna crise econômica/social. Temos excelentes bandas em todos os níveis e uma cena ativa, mas que ainda precisa passar por muitos processos de evolução.
 
Ação Direta no Portal Rock Press16 – R.P.: O que vocês estão escutando, bandas, estilos...
Gepeto (Vocal) –
Discharge, R.D.P., Ramones, The Cranberries, Motorhead, Letall.
Galo (Baixo) - Slayer, R.D.P., Sonic Rendevouz Band, Queens of The Stone Age, ET Macaco.
Marcão (Bateria) - Japanische Kampfhorspiele, Slayer, Celtic Frost, Cavalera Conspiracy, Call Of The Void.
Dennis (Guitarra) - O Japa nós o proibimos de escutar qualquer banda que não seja Ação Direta até aprender a tocar o repertório todo. (Risos!).

 
17 - R.P.: Deixe sua mensagem final e aos leitores do novo Portal Rock Press?
GEPETO –
Obrigado pela matéria e vida longa a ROCK PRESS ! Nos veremos nos shows! FELIZ 2018, com paz, saúde e felicidades a todos!

AÇÃO DIRETA - 30 ANOSAGENDA DE SHOWS:
Ação Direta e Agrotóxico no Estudio Espaço Som em SP dia 3 2  2018AÇÃO DIRETA (30 anos) & AGROTÓXICO (25 anos)
- Celebram seus muitos anos de estrada na Sala A do Espaço Som!
ABERTURA: Tumbero
DATA: Sábado, 3 de fevereiro às 19:30
LOCAL: Espaço Som
ENDEREÇO: Rua Teodoro Sampaio, 512 Pinheiros - SP/SP
INGRESSOS: www.redstar77.com
EVENTO: https://www.facebook.com/events/2107219922830337/


Ação Direta e Ulster em São Bernardo do Campo SPAÇÃO DIRETA + ULSTER + TUJERPIIS
LOCAL: Casa Amarela Underground Party
ENDEREÇO: Rua Alberto da Silva, 386, Sta Terezinha - São Bernardo do Campus/SP
DATA: Sábado, 17 de Fevereiro às 19:30
INGRESSOS: No Local

 

 

AÇÃO DIRETA - Contatos e links:
Ação Direta disco Tributo Portal Rock PressE-MAIL:
bandaacaodireta@gmail.com 
INSTAGRAM: http://www.instagram.com/acaodiretaoficial 
FACEBOOK: https://www.facebook.com/acaodiretaoficial/
DISCO TRIBUTO (2000): https://www.youtube.com/watch?v=EpeAXPjhmSM&list=PL97-WpMvt1nDzKIHRvXrb50aR9LSVgHqJ