DOSSIÊ: Pearl Jam

Depois dos shows explosivos do Foo Figthers, outro ícone dos anos 1990 e oriundo de Seattle DOSSIÊ PEARL JAMretorna ao Brasil. Agora é a vez do Pearl Jam que chega é uma das atrações das edições Sul-Americana do Lollapalooza. Os shows começam no Chile dia 13 de março no Movistar Arena, dia 16 no Lollapalooza Chile e no dia 18, na edição Argentina do Festival. No Brasil as apresentações acontecem no Maracanã/RJ, dia 22, e no Lollapalooza Brasil em São Paulo, dia 24, fechando a segunda noite do festival. Edder Vedder, ainda fará três shows solo também no sábado dia 24, no Citibank Hall/SP.  Em seguida, a banda se apresenta na Europa entre os meses de maio e junho e em agosto em Seattle (EUA). O PORTAL ROCK PRESS preparou o DOSSIÊ: PEARL JAM!


DOSSIÊ: PEARL JAM  
TEXTO: Denise Helena e Michael Meneses
FOTOS: Divulgação e Denise Helena

Pearl Jam DIVULGAÇÃO

Lá se vão quase 30 anos de história, tudo começou com o fim da banda Mother Love Bone, uma das percussoras, ainda nos anos 1980, da chamada Cena Grunge, aquele que se tornou o principal segmento rock da década de 1990, e por fim a banda foi o embrião do Pearl Jam. Hoje, com dez álbuns de estúdio e cerca de 60 milhões cópias vendidas em todo mundo, a banda é sem duvida o maior sobrevivente daquele movimento vindo de Seattle, e quando falamos em sobrevivente, o termo vale em todos os sentidos. Ligthning Bolt, disco de 2013 e mais recente álbum da banda, alcançou apenas no Brasil, a marca de 50.000 cópias vendidas, rendendo disco de ouro por aqui.

“FOOTSTEPS” – Os Primeiros Passos...
O ano era 1990, quando o então vocalista da banda Mother Love Bone, Andrew Wood vem a óbito após sofrer uma overdose de heroína. Os demais músicos da banda, Jeff Amment (Baixo) e Stone Gossard (Guitarra), seguem em busca de novos rumos musicais. Logo se juntam a Mike Mccready, (ex-guitarrista da banda Shadow). Com essa formação e tendo como baterista, Matt Cameron do Soundgarden, gravam uma fita-demo com cinco músicas instrumentais. É neste momento que suge Eddie Vedder indicado por Jack Irons, Ex-baterista do Red Hot Chilli Peppers, banda que naquela época era uma revelação e com seus músicos inclusive atuando em filmes como o baixista Flea que participou do filme “De Volta Para o Futuro” entre outros. 

Vedder que integrou a banda Bad Radio, na qual tocava “Betterman” um dos maiores sucessos no Pearl Jam, recebeu a fita para um "Teste de Admissão" com aqueles sons instrumentais. Reza a lenda que Eddie Vedder que nessa época morava em San Diego na Califórnia, saiu para surfar e entre uma onda e outra, voltou com as letras de sons que marcariam o início da banda: “Alive”, “Once” e “Footsteps”. Eddie costumava dizer que aquela demo tape intitulada de “Momma Son” era uma mini-ópera. Tão logo os outros integrantes receberam a gravação teste de Eddie o descreveram como “Intenso”. Pronto, aprovação com méritos! Rapidamente Eddie voa para Seattle e com os novos companheiros para iniciar as gravações do que veria a ser o álbum Ten, porém, antes disso...

Naquela virada de década era uma época de anos produtivos, bandas simplesmente apareciam, era algo natural da juventude mundial. Talvez por isso, que antes mesmo dos primeiros ensaios do Pearl Jam, os músicos Jeff Amment, Stone Gossard e Mike Mccready juntaram-se a Chris Cornell e ao Baterista Matt Cameron, então vocalista e baterista do Soundgarden, e para fundaram outro projeto referencial daqueles anos, a banda Temple of The Dog, uma homenagem ao amigo falecido, Andrew Wood, e que contou com a participação de Eddie na música mais famosa da banda, “Hunger Strike”. A canção é um daqueles chamados, “Hino de uma Geração”. No caso a então emergente “Geração Grunge”. Essa parceria selou para sempre a amizade entre Eddie Vedder e Chris Cornell, considerada uma das mais promissoras da história do rock.

Após seis dias de intensos ensaios, mais precisamente em 22 de outubro de 1990 o Pearl Jam faz sua primeira apresentação. A data é considerada o “Aniversário da Banda” sendo comemorada anualmente por fãs pelo mundo. Naquela época a banda atendia por Mookie Blaylock, em homenagem ao jogador de basquete dos Nets. Porém, o jogador não autorizou e eles optaram por Pearl Jam. O nome gera várias interpretações, a mais popular diz que a avó de Eddie Vedder, se chamava Pearl, foi casada com um descendente de índios e fazia uma geleia com ingredientes “alucinógenos”. Censuras e loucuras a parte, mesmo sem a autorização de Mookie, a homenagem ao jogador se manteve com o nome do primeiro álbum, Ten, afinal 10 era o número da camisa de Mookie. Os músicos do Pearl Jam são apaixonados por esporte, especialmente, beisebol e basquete, onde um dos grandes amigos de Eddie Vedder é o excêntrico jogador de basquete Denis Rodman. Outra forte relação de Eddie Vedder é com o time de beisebol de sua cidade natal, Chicago, o Chicago Cubs. Eddie sempre foi visto assistindo aos jogos, o que rendeu o documentário “Lets Play To” com um show da banda no Estádio Wigrley Field, O doc. foi lançado em CD, DVD e Vinil e no Brasil foi exibido nos cinemas em novembro de 2017.

TEN Pearl jamCom lançamento em 27/8/1991, o álbum Ten já mostra a banda ao que ela veio, com letras complexas, abordando temas oriundos das influencias punks como, depressão, abandono, falta de moradia, suicídio, enquanto que por outro lado o carisma e a voz marcante de Eddie Vedder mostram influencia do rock sententista e o quanto aquelas músicas possuíam força. Logo vieram os primeiros (eternos) hits, como “Alive”, “Black”, “Even Flow” e “Jeremy”, geralmente pontos altos nos shows. No ano de 2016 em um show na Philadelphia, Ten, foi tocado na íntegra. O disco foi produzido por Rick Parashar e na época a banda era composta por Eddie Vedder, Mike Mccready, Jeff Ament, Stone Gossard e Dave Krusen. Só nos EUA, o álbum vendeu cerca de 10 milhões de cópias. No Brasil o disco teve várias faixas executadas nas rádios rocks da época, no Rio de Janeiro, era comum ouvir no meio da tarde, “Alive” e “Even Flow” pela Fluminense FM, enquanto a MTV exibia os clips promocionais em programas como, “Gaz Total” e “Disk-MTV”, inclusive o clip de “Alive” foi lançado no saudoso “Fúria Metal”.

Os primeiros anos da década de 1990 seguiam e a essa altura do campeonato a Cena Grunge era um movimento que saiu de Seattle para apresentar algo novo ao mundo. Bandas como Nirvana, Screemig Trees, Alice in Chans, Soundgarden, Temple of The Dog, o próprio Pearl Jam e tantas outras daquela geração puxavam o barco, a mídia não especializada abusava em classificar tudo o que vinha de Seattle de grunge, por vezes até outros conterrâneos da cidade, mas de outras gerações como Jimi Hendrix e Queensryche, ou mesmo, bandas contemporâneas, foram rotuladas de Grunge. Além disso, mesmo que Ten tenha saido pela Epic Records, também não podemos deixar de reconhecer a importância do Selo SUB-POP, que literalmente gerou o movimento, revelando bandas da cidade.

Vs Pearl JamA banda seguiu conquistando publico e critica, mas chegava a hora de material novo e em 19 de Outubro de 1993 é lançado “Vs”. O disco é uma porrada, dessas para ninguém colocar defeito e considerado um dos melhores trabalhos do grupo. Produzido por Bredan O`Brien, e mantendo os temas polêmicos como, posse de armas em “Glorifieid G”, violência policial em “WMA”, o abuso psicológico em “Rearviewmirror”, entre outros, o play vendeu cerca de um milhão de cópias nos EUA. Vs foi o primeiro álbum a contar com e Dave Abbruzzeze na bateria, o musico vinha acompanhando o grupo desde a turnê do Ten. Abbruzzeze é visto por muitos o melhor baterista que passou pelo Pearl Jam. Outro destaque dessa época foi o início da chamada fase da “Auto-Sabotagem”, com a banda descartando quase todo tipo de mídia para evitar o excesso de exposição, inclusive não lançaram nenhum videoclipe e isso na década de 1990 no auge da MTV foi um ato de extrema coragem. Nesse período a banda foi cogitada como atração do Hollywood Rock, mas a banda se recusou participar de um evento patrocinado por uma marca de cigarro. Já no ano de 2016, Vs, foi tocado na íntegra e de surpresa em um show em Greenville na Carolina do Sul/EUA.

Pearl Jam VitalogyPassado pouco mais de um ano do lançamento de Vs, chega às lojas em 06 de Dezembro de 1994 o disco Vitalogy e como time que tá ganhando não se mexe, Bredan O’Brien continuo na produção. Vitalogy marca uma nova fase, nos discos anteriores, Stone Gossard e Jeff Ament tinham um maior controle, a partir daqui, Eddie Vedder começa tomar a liderança. O álbum é mais um clássico e novamente a tática da “Auto-Sabotagem” se faz presente, ou seja, nada de entrevistas, clipes e outras exposições midiáticas. Tal atitude foi o caminho que o grupo encontrou para manter a própria sanidade. Vale lembrar o fim trágico e até hoje controverso de Kurt Cobain, meses antes do lançamento de Vitalogy. Inclusive no próprio Vitalogy a musica “Immortality” seria na visão dos fãs uma homenagem ao Kurt, porém a banda nunca assumiu tal homenagem. Foi de Vitalogy que saiu “Spin Black Circle”, uma homenagem ao disco de vinil, que na época perdiam espaço no mercado para o CD que vivia seu grande momento mercadológico. As criticas a indústria fonográfica continuam em “Not for You”. Já “Corduroy” e “Betterman” são as mais tocadas nos shows, e a emocionante “Nothingman” é outro destaque. Vitalogy foi o ultimo disco com Dave Abbruzzeze, que foi demitido antes mesmo do lançamento, com a banda alegando divergência de ideias. Com isso, as baquetas passam para Jack Irons, uma retribuição a indicação de Eddie Vedder à banda. A turnê do Vitalogy foi marcada pelo boicote à Ticketmaster, por conta de taxas cobradas pela empresa em cima dos valores dos ingressos. O Pearl Jam considerava os valores injustos, foram à justiça, mas perderam a causa. Financeiramente até hoje não se sabe o quanto a banda perdeu, além disso, acabaram cedendo ao monopólio da empresa. Contudo, apenas na primeira semana o álbum vendeu 877 mil cópias nos EUA.

Em 1995 a banda entra em estúdio com o Neil Young e gravam o EP Merkin Ball e em seguida o álbum Mirror Ball. O feito ao lado de Neil Young que sempre foi uma influencia para toda a cena grunge rende bons frutos para ambas as partes. Durante as sessões Eddie Vedder passou por problemas de saúde e participou pouco do disco. Por razoes contratuais, não foi possível creditar a banda e Neil Young juntos no disco, por isso eles aparecem no álbum como banda de apoio.

Present Tense – Tempo Presente...
Pearl Jam no CodeNovamente com produção de Bredan O‘Brien, o álbum No Code é lançado em 27 de outubro de 1996, o primeiro gravado com o Jack Irons na bateria. Essa fase marca em difinitivo a mudança na liderança, antes era Stone Gossard, agora é Eddie Vedder. Com o objetivo de fugir da moda grunge que nesse momento, já demostrava saturação, afinal, “Grunge” era um termo que os próprios integrantes se recusaram a pronunciar, alias, o termo também era evitado até por fãs do estilo. No Code é o disco menos comercial da banda, a capa é feita com 144 fotos Polaroid, em referência ao álbum “More Songs About Buildigins and Food”, do Talking Heads (Banda liderada pelo músico David Byrne que também se apresenta no Lollapalooza 2018). Com um som mais experimental e letras reflexivas, saíram “Off he Goes”, “Smile, Hail Hail” “Lukin” que fala de um fã que perseguia Vedder, a impactante “Present Tense” e a balada “Around The Bend”. Em 2014 a banda tocou o disco na íntegra em um show em Moline (Chicago). O álbum não vendeu o esperado e a gravadora bateu o martelo, “Queremos Lucro”. A resposta veio com o próximo disco!

Pearl Jam YeldNo inicio de 1998, mais precisamente em 13/2/98 é lançado o Yeld. O álbum foi novamente produzido por Bredan O’ Brien. Era o momento para o Pearl Jam voltar com videoclipes, destaque para o impactante clip para “Do The Evolution”, som sempre presente em shows e um clássico da banda. Yeld foi inspirado no livro “Ishmael” de Daniel Quin e desse álbum saiu “Given To Fly”, canção que rendeu uma polêmica com Robert Plant do Led Zeppelin, que os acusou de plágio por conta da semelhança com “Going To Califórnia”, fato reconhecido por Mike Mccready. O disco também marca nova mudança na formação, o baterista Jack Irons deixa a banda por problemas de saúde durante a turnê, em seu lugar e retornando ao posto, Matt Cameron. No ano de 2014 a banda tocou o Yeld na integra em um show em Milwaukee no estado de Wisconsin/EUA.

Thumbing My Way -  Arrumando meu caminho...
Um novo milênio chegou e com o álbum Binaural o sexto disco de estúdio e lançado em 16 de maio de 2000. Novo milênio, novo álbum e nova fase da banda. Binaural Pearl Jam é o primeiro com Matt Cameron na bateria e compôs a música “Evacuation”. O Disco tem a essência dos anteriores, som diversificado e sem ficar preso a um único estilo. Do disco, saíram as baladas, “Thin Air” e “Light Years” e a melódica, “Nothing as it Seems”. Foi na tour promocional do álbum, que o Pearl Jam ganhou a fama de banda recordista discos ao vivo, ao todo, foram 72 discos, com registros de diversos shows. Mas nem tudo são perolas, nessa turnê a banda vivenciou sua maior tragédia. Durante o Festival de Roskilde na Dinamarca, nove pessoas morreram esmagadas e/ou pisoteadas. O fato quase fez a banda encerrar as atividades. No Brasil a mídia deu destaque ao acidente, incluindo o Jornal Nacional que mostrou o desespero de Eddie Vedder ao assistir as imagens do acidente pela TV. Por conta dessa tragédia, a banda passou a se apresentar em lugares menores, e até hoje Vedder pede ao publico nos shows para que cuidem uns aos outros. A turnê os levou ao México, sendo essa a primeira passagem da banda pela América Latina, no Brasil muito se especulou a banda entre as atrações do Rock in Rio 3 em 2001.

A banda já tinha completado sua primeira década e lançam em 12/11/2002, Riot ActRiot Act Pearl Jam, o sétimo álbum de estúdio. A primeira novidade é o produtor, dessa vez, asume Adam Kaspper. Entre as faixas, destaque para “Love Boat Capitain”, uma homenagem às vítimas do Festival de Roskilde e a emblemática “I Am Mine”. A turnê foi marcada por protestos contra o então presidente dos EUA, George W.Bush (Filho), especialmente por conta da Guerra do Iraque.

Em 2003 o Pearl Jam lança a coletânea Lost Dogs, que incluíam faixas que ficaram de fora dos outros discos. Com o sucesso de Lost Dogs, saiu em 2005 Rearviewmirror, Greatest Hits 1991-2003, o disco reuniu hits acumulados em 15 anos de estrada. Com a turnê promocional e após 15 anos de especulações por parte da mídia e fãs a banda finalmente se apresenta na América do Sul. No Brasil os shows aconteceram no Rio de Janeiro, São Paulo, Porto Alegre e Curitiba.

Pearl Jam Brasil 2015

Pearl Jam AbacateDepois de duas compilações, era hora de material inédito. A banda lança Pearl Jam, o álbum anônimo, também conhecido por “Abacate”, seu lançamento ocorreu em 2 maio de 2006. A produção continuou com Adam Kasper e as faixas de destaque são “Gone”, “Parachutes”, “Comatose”, “Come Back” e “Inside Job”.

O nono disco traria de volta o produtor Bredan O´Brien. Intitulado Backspacer, o álbum chegou ao mercado em 20 de setembro de 2009 Backspacer Pearl Jamprovando que o Pearl Jam não ficou preso aos anos 90 e que o tempo pode ser o caminho para evoluções. Backspacer traz belíssimas canções como a balada, “Just a breathe”, “Amongst the Waves”, “Gona see my friend”, a extraordinária “Speed of Sound” e finalizando a emocionante “The End”. Já em 2011, foi lançado o documentário PJ20 que narra os 20 anos da banda. A turnê de divulgação passou pela América do Sul, em novembro do mesmo ano, com shows na Argentina, Chile e Peru e no Brasil com apresentações em Porto Alegre, Curitiba, São Paulo, e Rio de Janeiro.

Just a breathe – Atingindo a Maturidade...
Pearl Jam - Ligthning BoltO Pearl Jam rompe a barreira dos 20 anos de estrada ininterruptos, algo um tanto raro para bandas de sua geração, afinal quantas bandas deram suas primeiras palhetadas em 1990, estão na ativa e no topo do mainstream até hoje? Poucas! Seguindo a linha do disco anterior, a banda lança seu decimo disco de estúdio. Ligthning Bolt, lançado em 2013. O disco traz momentos de atitude como “Mind Your Manners”, alternando com a balada reflexiva “Sirens” que se tornou o maior hit do álbum e a belíssima “Yellow Moon”. Outro destaque é a balada “Pendullum”, faixa havia sido composta para o disco Backspacer, mas ficou de fora, pois a banda considerou fora de contexto do álbum.

Em 2014 Eddie Vedder faz sua primeira turnê solo incluindo cinco três shows em São Paulo e dois no Rio De JaneiroPearl Jam RJ 2015. Pearl Jam 2015Apresentando uma atmosfera mais intimista, e abrindo o seu mundo ao público. A banda retorna ao Brasil Em 2015 com shows em Porto Alegre, São Paulo, Brasília e Rio de Janeiro e destaque para a apresentação em Belo Horizonte com a banda doando todo o cachê do show às vitimas da tragédia de Mariana/MG.

Porch – Perolas Engajadas...
O engajemento politico é outro potencial do Pearl Jam, alem do cachê do show doado às vitimas da tragédia de Mariana/MG, a banda sempre foi um exemplo de ativismo, se envolvendo em diversas causas sociais. Desde os tempos com a Bad Radio, Eddie Vedder faz apresentações beneficentes, durante 15 anos Eddie lutou e custeou as investigações para tirar três rapazes do corredor da morte, os jovens acabaram condenados à prisão perpétua no Arkansas. Alem disso, o Pearl Jam, já fez shows beneficentes em prol do Bridge School, Vote For Change entre outros. Recentemente a banda estar envolvida em uma campanha contra a bancada da bala americana, políticos que se beneficiam da venda de Armas nos EUA.

Betterman – O Time...
Atualmente a formação atual do Pearl Jam conta com Eddie Vedder, vocal e guitarra, Mike Mccready e Stone Gossard nas guitarras, Jeff Ament no Baixo, Matt Cameron na bateria e Boom Gaspar nos teclados. Ao longo de sua história as baquetas da banda estiveram em mãos de Dave Krusen, Matt Chamberlaiin, Dave Abbruzeeze. Jack Irons, e Matt Cameron. Além do Pearl Jam, os integrantes se dedicam a seus projetos paralelos, Eddie Vedder tem uma carreira solo como dois álbuns. O primeiro foi Into The Wild, lançado em 2007 é trilha do filme “Na Natureza Selvagem”, longa dirigido por seu grande amigo Sean Penn. No ano de 2008, lançou o DVD Water on The Road, e em 2011 seu segundo álbum solo, Ukulele Songs. Eddie Vedder também já fez participações em shows de artistas consagrados como, Bruce Springsteen, U2, Sting, Pete Townsent, Ben Harper, Beyonce, Cat Stevens, Chris Martin entre outros.
Os outros músicos também possuem projetos paralelos, Stone Gossard tem dois álbuns solos, Moonlander de 2008 e Bayleaf de 2011 e toca em outra banda chamada Brad. Matt Cameron também tocou no Soundgarden enquanto o Pearl Jam tirava férias, Mike Mcready montou o Mad Season ao lado de Layne Staley do Alice in Chains e Jeff Amment montou a banda RNDN. Já Mike Macready participou da faixa “Pra Onde Foi?” do álbum “Jardim Pomar” do Nando Reis.

“Given To Fly” - O Legado da Sobrevivência...
Entre as principais bandas rotuladas de grunge, destacando o Nirvana, Alice In Chains e Soundgarden, o Pearl Jam foi a única que não parou suas atividades. A Banda mantém uma ligação forte com seus fãs, através do Ten Club, o fã clube oficial, em que os associados pagam uma taxa anual, que dá direito a singles exclusivos, produtos oficiais, e na venda de ingressos, senha exclusiva para pré venda, antes da abertura para o público em geral. Além de serem extremamente atenciosos com os fãs, quando abordados em hotéis, aeroportos, shows e etc.

Gonna See My Friend  -  Eddie Vedder e Chris Cornell...
Será a primeira passagem do Pearl Jam pelo Brasil, apos a perda em maio de 2017do cantor e compositor Chris Cornell, vocalista e líder do Soundgarden, Temple of the Dog e Audioslave. Embora não integrasse a banda, é inegável sua importância ao Pearl Jam. Além de ser grande amigo dos integrantes, Cornell apadrinhou a carreira de Eddie Vedder, dando-lhe sua primeira oportunidade de fazer uma gravação profissional com “Hunger Strike” no álbum Temple of The Dog. Segundo o próprio Eddie, “Hunger Strike”, é a música mais significativa de sua carreira. Logo, é aguardada uma possível homenagem!

Force of Nature – Os Shows...
Após umas férias que ficaram marcadas pela entrada do quinteto no Rock and Roll all Fame em 7 de abril de 2017 o Pearl Jam volta aos palcos o que sempre gera expectativa de grandes espetáculos, enquanto as apresentações solo do Eddie Vedder, costumam ter uma atmosfera mais intimista. As apresentações do Pearl Jam são quase sempre um mistério, afinal, se tornaram famosos por shows com cerca de três horas e sem ter um set-list previamente definido. Com cerca de duzentas músicas ensaiadas e que são escolhidas poucos minutos antes das apresentações, fazendo de cada show uma surpresa! Dizem que Eddie Vedder costuma observar o público antes das apresentações, capta a energia e a partir dali seleciona as músicas. O guitarrista Mike Mccready, diz que tem que é preciso estar bem afiado, pois não se sabe o que o Eddie pode pedir. Enquanto isso o publico levam cartazes, pedindo músicas que constantemente costumam ser atendidos. Seja como for, geralmente o repertório não deixa de fora “Alive”, “Corduroy”, “Betterman”, “Do the Evolution”, “Given To Fly”, “Daughter” e o Hit mais recente “Sirens”. A expectativa é de que no Maracanã por ser em um festival, o setlist incluam sons menos conhecidos do grande público. O show de abertura fica por conta dos Britânicos do Royal Blood.

Keep Rock On Rockin In The Free World...
A banda nunca escondeu sua devoção ao rock dos anos 1960/70. Nomes como The Who, Neil Young, Pink Floyd, Jimi Hendrix, Beatles, Ramones, são algumas de suas influencias e sempre lembrados em covers. Tradicionalmente nos momentos finais de cada espetáculo, eles costumam tocar “Baba O' Riley” do Who, ou “Keep Rock on Rockin in the Free World” do Neil Young. E não para por ai, no dia 04/03 Eddie Vedder surpreendeu os fãs participando da cerimonia do Oscar cantando "Room at The Top" do Tom Petty em homenagem às celebridades do cinema e da música falecidas em 2017.

The End...
No ultimo sábado, dia 10/3 a banda liberou aos membros do Ten-Club um trecho da inedita “Can’t Deny Me”. O som é uma critica ao atual presidente dos EUA, Donald Trump. A música foi liberada por completa hoje, 13/3/2018 (na redação, tivemos que dizer: “Parem as Maquinas”). Na ocasião foi anunciado um novo álbum e novamente produzido por Bredan O’ Brien. O disco será lançado pela gravadora da própria da banda, a Monkey Wrench Rec. A banda não deu mais detalhes sobre o disco, tudo ainda é mistério, mas há de se esperar que sons desse futuro disco sejam apresentados nos shows do Brasil e America do Sul. Ou seja, as surpresas estão garantidas! – Denise Helena e Michael Meneses!

Rock Press

Comentários