CYPRESS HILL: Turnê Brasileira Pra Fazer Sua Cabeça

Dessa vez, o que vale é a fumaça. Uma das lendas máximas do Hip-Hop o grupo Cypress Hill, volta ao Brasil como parte da sua turnê latino-Cypress Hill Tour Brasil 2018americana que inclui shows na Argentina, Chile, México. No Brasil os shows acontecem no Pepsi On Stage em Porto Alegre/RS (09/10), no Espaço das Américas/SP (10/10) e dia 11 de outubro (Véspera de feriado) na HUB/RJ na capital carioca. Os ingressos já estão à venda!

Cypress Hill: Turnê Brasileira Pra Fazer Sua Cabeça
TEXTO: Alexandre Beckão – FOTOS: Divulgação

Cypress Hill Tour Brasil 2018

A espera foi longa, mas nossos sinais de fumaças foram atendidos e o Cypress Hill retorna ao Brasil trazendo os MCs da formação original B-Real e Sen Dog, mais Eric Bobo, na percussão e o (novo!) DJ Mix Master Mike, que foi presença constante por 14 anos nos álbuns e shows dos Beastie Boys (1998–2012), e que faz a abertura dos shows já deixando a galera na Vibe certa!

A tour latina americana conta com shows na Argentina, Chile, México e Brasil com apresentações em Porto Alegre/RS, 09/10, no São Paulo/SP, 10/10, e encerrando a etapa brasileira da tour, show no Rio de Janeiro no dia 11 de outubro na HUB/RJ (Véspera de Feriado). Na capital carioca o Cypress Hill não se apresentava desde 1996, quando foram uma das atrações do Festival Close Up Planet, dividindo o palco da Praça da Apoteose com Bad Religion, Siverchair, Sex Pistols entre outros.
 
A fumaça sonora e lisérgica do Cypress Hill  foi lançada no mundo em 1991 com o álbum homônimo, um primeiro disco que já nasceu clássico. Seu segundo álbum o aindaCypress Hill Tour Brasil 2018 mais clássico “Black Sunday", vendeu mais de dois milhões de cópias, faturou três Discos de Platina e os levou a consagração mundial, muito por conta do hino “Insane In The Brain”. Black Sunday saiu em 1993 e com um detalhe; Mesmo com todo sucesso do álbum, o primeiro disco continuava no topo das paradas, dando status ao Cypress Hill de ser o primeiro grupo de Rap a ter dois álbuns no top 10 da Billboard.

Até hoje são reverenciado como um dos mais importantes grupos da história do Rap/Hip-Hop, sendo reconhecido como percussores do estilo na Costa Oeste dos EUA. Em seu currículo, soma-se ainda, indicação ao Grammy, mais de 18 milhões de discos vendidos no mundo. Outra importante característica é o engajamento público em prol da descriminalização da maconha, uma posição que o Cypress Hill vem sustentando desde o seu início no final dos anos 1980, e que influenciou inúmeros artistas pelo mundo afora. O grupo defende o debate, como assume B-Real: “Procuramos educar as pessoas, além dos benefícios para a saúde, ou até mesmo do uso recreativo, a erva é uma injeção para a economia de qualquer país”.

No Tempo do K7 de Chromo...
Pra esse ano está me valendo aquela máxima da cátedra popular tupiniquim, “Azar no Amor, Sorte no jogo!”. Quando em meus solitários devaneios poderia imaginar, que os dados do destino iriam me dar o privilégio de poder escrever sobre um dos meus grupos favoritos de sempre (Eu sei, mas eu gosto mesmo de muita coisa!). Falar sobre o Cypress Hill é falar sobre uma época muito especial, é lembrar de ficar aguardando na madruga as reprises do programa Yo! MTV pra ver o clipe de “How I Could Just Kill A Man” sem a censura dos palavrões, é lembrar de ficar na correria tentando arrumar quem tivesse Black Sunday (em CD!) pra gravar uma fitinha K7 de chromo pra deslizar suave de carinho (SK8) ao som da chuvinha de “Cock The Hammer”, é sentir a sensação de paz e alegria que dá ao curtir uma lombra profunda ao som de “Throw Your Hands In The Air”, é muito difícil não lembrar de momentos bem legais ao som desses caras. E embora houvesse uma postura e atitude Gangsta com as letras falando de violência e drogas, o que mais me marcou sempre foi o som. As bases instrumentais são na minha humilde opinião, o diferencial no poder sonoro do grupo. Os remixes conseguem melhorar ainda mais a viagem. Mas a melhor parte de tudo que disse, é que vamos poder conferir ao vivo com as apresentações em Porto Alegre, São Paulo e Rio de Janeiro. Todo o Serviço dos shows está ao final da matéria. Porém, enquanto os shows não chegam, vamos dar uma chapada de leve na história por trás de quase 30 anos desse Funky Cypress Hill Shit!

How I Could Just Kill A Man - Como Eu Poderia Apenas Matar Um Homem...
Cypress Hill Tour Brasil 2018A história começa com os irmãos Senen Reyes (Sen Dog) e Ulpiano Sergio Reyes (Mellow Man Ace) nascidos em Pinar del Río, em Cuba. Em 1971, família deles imigrou para os EUA, indo viver num subúrbio de Los Angeles. Por conta disso, presenciaram o nascimento do Rap da Costa Oeste com nomes como Uncle Jamm's Army, World Class Wreckin' Cru, Egyptian Lover e Ice T despontando um depois do outro. Em 1988, os dois irmãos se juntaram ao nova-iorquino Lawrence Muggerud (DJ Muggs, do grupo de rap chamado 7A3) e a Louis Freese (B-Real). Juntos formaram um grupo chamado DVX (Devastating Vocal Excellence). Pouco tempo depois, Mellow Man Ace optou em seguir em carreira solo. Optaram em mudar o nome para Cypress Hill, homenagem a uma rua de seu bairro no condado de South Gate. 

Gravam uma fita-demo em 1989, e logo assinam com a Ruffhouse Records, por onde lançam em agosto de 1991 o álbum Cypress Hill. O primeiro single do disco foi o Cypress_Hill_1991duplo “A-Side "The Phuncky Feel One" / "How I Could Just Kill A Man". O single teve destaque no rádio, sobretudo em emissoras independentes. Os singles seguintes foram: "Hand On The Pump" e "Latin Lingo", esse último mesclando letras em inglês e espanhol. Só nos EUA, esses singles impulsionaram o álbum, chegando a dois milhões de cópias vendidas desse primeiro trabalho, ainda em 1991 emplacaram "Shoot 'Em Up" na trilha do filme Juice. Tal visibilidade os levou ao Festival Lollapalooza de 1992.

O ano de 1993 trouxe Black Sunday, o segundo álbum que já chegou ocupando o primeiro lugar na Billboard 200. Como o primeiro álbum, aindaCypress_Hill_Black_Sunday_1993 estava no Top 10, fez do Cypress Hill o primeiro grupo de Rap a ter dois álbuns no topo da parada ao mesmo tempo. Com o grande sucesso do Single "Insane In The Brain", Black Sunday vendeu mais de três milhões de copias e foi triplo de platina nos EUA. Deram inicio a turnê Soul Assassins ao lado dos grupos House Of Pain e Funkdoobiest, e em seguida uma tour universitária com o Rage Against The Machine e Seven Year Bitch. Ainda em 1993, participaram de duas faixas da trilha sonora do filme Judgment Night (Uma jogada do Destino), a trilha unia grupos do Rap com bandas do Rock. Na faixa "Real Thing" gravaram com o Pearl Jam (sem Eddie Vedder), e na faixa "I Love You Mary Jane" com o Sonic Youth. A participação deles nesse álbum, fez sua popularidade crescer entre os Rockers, já que esse álbum popularizou o Rap Metal, e que mais tarde se tornaria as bases do Nu Metal.

Até então, Panchito "Ponch" Gomez era o percussionista do grupo em alguns shows. Porém, em 1994 quando o Cypress Hill foi uma das atrações da edição comemorativa dos 25 anos do Woodstock, e aproveitam a ocasião especial para apresentar um novo membro da família, Eric Bobo (ex-Beastie Boys, e filho da lenda do jazz Willie Bobo). Alias, eles sempre funcionaram bem em festivais, sendo por dois anos seguidos atração do Lollapalooza, inclusive apareceram no episódio "Homerpalooza" de Os Simpsons.

No ano de 1995 lançaram o álbum III: Temples Of Boom. Também participaram com "I Wanna Get High" na coletânea Hempilation, uma iniciativa da Revista High Times em Cypress_Hill_Temples_Of_Boom_1995prol da NORML (National Organization For The Reform Of Marijuana Laws). Naquele ano, vieram ao Brasil pela primeira vez com dois shows no Olympia/SP nos dias 28 e 29/08 e tiveram o Planet Hemp como show de abertura. Sen Dog fundou a banda SX_10, um projeto paralelo de Rapcore. Enquanto isso III: Temples Of Boom conquistava disco de Platina nos EUA.

Em 1996, sai a coletânea que incluiu nove remixes raros, intitulada Unreleased & Revamped. Seguem com a Smokin 'Grooves Tour, ao lado de The Fugees, Ziggy Marley, A Tribe Called Quest e Busta Rhymes. Ainda em 1996, retornam ao Brasil para Festival Cypress_Hill_Unreleased_&_Revamped_(EP)_1996Close Up Planet, foram duas datas, 29/11 na Praça da Apoteose/RJ e 30/11 na Pista de atletismo do Ibirapuera/SP. O festival fez muito sucesso, e teve em sua escalação, nomes de peso como Sex Pistols, Bad Religion, Silverchair, Marky Ramone & The Intruders, Spacehog, além dos prata da casa, Acabou La Tequila, Little Quail & The Mad Birds, Inocentes, Os Ostras e Magnéticos. Uma bela (e lisérgica)  lembrança desse evento é a gigantesca imagem de um Buda Inflável no show do Cypress Hill, todos ficaram chapados com o Phunky Bhudda!!!

No ano seguinte, seus integrantes se dedicaram as carreiras solos e outros projetos. Com DJ Muggs lançando o disco Presents... The Soul Assassins: Chapter 1, trabalho que contou com Dr. Dre, KRS-One, MC Eiht, Wyclef Jean, Mobb Deep entre outros. Já B-Real veio com "Hit Em High", parceria com Busta Rhymes, Coolio, LL Cool J e Method Man na trilha do longa Space Jam, rimou com RBX, Nas e KRS-One em "East Coast Killer, West Coast Killer" do álbum Dr. Dre Presents The Aftermath. Ainda em 1997 B-Real cantou no disco homônimo do Psycho Realm. Além de tudo isso, o Cypress Hill seguiu na Smokin 'Grooves Tour, dessa vez com George Clinton e Erykah Badu.

Cypress_Hill_IV_1998No ano de 1998 conquistaram mais um disco de ouro nos EUA graças ao novo trabalho. Intitulado de “IV”, o novo trabalho da banda teve como destaque os singles "Tequila Sunrise" e "Dr. Greenthumb". Naquele ano, Sen Dog lançou pelo Selo Flip “Get Wood” do projeto SX-10. Já em 1999, "16 Men Till There's No Men Left", "Checkmate" e "Lightning Strikes” (Todas do álbum IV), deram ritmo ao jogo PC Kingpin: Life Of Crime. Além das faixas, B-Real cedeu a voz para personagens do game. Finalizando a década, veio Los Grandes Éxitos En Español uma compilação de hits em espanhol.


O ano de 2000 trouxe Skull & Bones, álbum duplo e com a mistura de estilos. No 1º disco, intitulado “Skull”, o Rap da as cartas. Já no 2º disco, Cypress_Hill_Live_At_The_Fillmore_2000intitulado “Bones”, o Punch Cypress_Hill_Skull_&_Bones_2000do Rapcore se fez presente. Alcançam o Top 5 na Billboard 200, e a 3ª colocação no Canadá. O disco teve dois singles, "Rock Superstar" foi destinado as Rádios Rock e "Rap Superstar" destinados as Rádios de Rap. Na sequência, juntamente com o MxPx e Offspring tocaram na turnê Conspiracy Of One. O ano ainda rendeu o ao vivo, Live At The Fillmore.

O ano de 2001 trouxe ainda mais Rock na mistura, lançaram Stoned Raiders. Porém, as vendas decepcionaram. Contudo, o Cypress Hill tem uma nova aparição cinematográfica em How High. Em 2003 são convidados pela WWE (World Wrestling Entertainment, Inc.) a gravar um tema para o lutador Tazz. O Resultado foi "Just Another Victim". Na época, a WWE estava usando temas para diversos atletas.

Em 2004, é lançado Till Death Do Us Part, e pela primeira vez o Reggae entra na mistura. Em "What's Your Number?", que teve a guitarra e voz de Tim Armstrong (Rancid), sCypress_Hill_Till_Death_Do_Us_Part_2004e percebe a influencia direta de "The Guns Of Brixton" do The Clash, o que deu ainda mais visibilidade a banda. Porém, essas fusões mostram um distanciamento de suas raízes, especialmente em relação aos primeiros discos. Till Death Do Us Part também teve participações de Damian Marley, Prodigy (Mobb Deep) e dos produtores Alchemist e Fredwreck. No mesmo ano, "How I Could Just Kill A Man" foi incluída no popular videogame Grand Theft Auto: San Andreas.

Em dezembro de 2005, foi lançado, Greatest Hits From The Bong, que além de hits e trouxe dois sons inéditos. Já no ano Cypress_Hill_Greatest_Hits_From_The_Bong_2005de 2006, B-Real surge com "Vato", de Snoop Dogg e com produção de Pharrell Williams. Em 2007, ao lado do Public Enemy, Wu-Tang Clan, Nas e do Rage Against The Machine participaram da Rock The Bells. Já em julho de 2008, fazem um show beneficente no House Of Blues Chicago, em prol da Aliança de Chicago, fundação em prol dos sem tetos.

Uma nova versão de "Get 'Em Up" é disponibilizada no iTunes em agosto de 2009, e incluída no jogo Madden NFL 2010. No mesmo ano, fazem uma versão de "Paradise City", do Guns N' Roses. A versão contou com a participação de Slash e Fergie, e é um bônus do single "Sahara", de Slash.

O oitavo álbum é Rise Up, lançado em 2010 e que contou com participações especiais de Tom Morello, Mike Shinoda, Everlast, Daron Malakian, Pitbull, Marc Anthony. A Cypress_Hill_Rise_Up_2010faixa título do disco foi apresentada como tema do evento Elimination Chamber, no canal da WWE. Já "Armada Latina" marcou presença no trailer de The Green Hornet. A turnê de Rise Up teve inicio na Filadélfia em abril de 2010. A novidade da tour foi o DJ Julio G substituindo o DJ Muggs. Muggs estava se dedicando a outros projetos, que incluíam os discos solos de B-Real e Sen Dog. A turnê previa shows em Tucson, no Arizona, mas em protesto à então legislação de imigração do estado cancelaram a apresentação. Contudo se apresentaram nos Festivais Rock En Seine, Reading e Leeds daquele ano.

Cypress X Rusko - EP é sai em 2012 em parceria com o Dubsteper Rusko. No mesmo ano, colaboraram com suas vozes em "Failbait" do Deadmau5. Em 2016, B-Real se junta a um novo grupo chamado Prophets Of Rage, juntamente com Chuck D (Public Enemy) e os ex-integrantes do Rage Against The Machine. O início de 2017 é marcado pela produção, gravação e lançamento do novo projeto Rap/Rock de Sen Dog o grupo Powerflo, um velho projeto de gaveta com a participação de Billy Graziadei (Biohazard), Roy Lozano (ex-Downset.) e Cypress_Hill_Elephants_On_Acid_2018Christian Olde Wolbers Cypress Hill Tour Brasil 2018(Fear Factory). Em agosto, a faixa "Ain't Going Like That", do Cypress Hill, foi tocada como trilha sonora dos trailers para a 3ª Temporada de Narcos da Netflix.

Agora, depois de um hiato de quase oito anos, eles retornam com uma nova turnê, um novo DJ (o veterano!) Mix Master Mike, e tudo isso para o lançamento de seu novo álbum Elephants On Acid, com previsão de lançamento para ainda para esse ano. A expectativa se forma, é só esperar pelo disco novo, e pelos shows no Brasil. - Alexandre Beckão.

 

CYPRESS HILL NO BRASIL:
PORTO ALEGRE - 9 de outubro (terça-feira), às 22h
LOCAL:
 Pepsi on Stage – Avenida Severo Dullius, 1995
CLASSIFICAÇÃO: 16 anos
INGRESSOS: http://www.blueticket.com.br/22810/Cypress-Hill/

SÃO PAULO - 10 de outubro (quarta-feira), às 22h
LOCAL: 
Espaço das Américas – Rua Tagipurú, 795 – Barra Funda
CLASSIFICAÇÃO: 16 anos
INGRESSOS: https://www.eventim.com.br/

RIO DE JANEIRO - 11 de outubro (Quinta-feira, véspera de feriado), às 20hrs
LOCAL:
HUB/RJ - Av Professor Pereira Reis, Nº50. Bairro do Santo Cristo/RJ
INGRESSOS: https://www.eventim.com.br/
Meia-entrada: Estudantes, menores de 21 anos e maiores de 60 anos ou ingresso solidário válido com 1kg de alimento
CLASSIFICAÇÃO: 18 anos
EVENTO: https://www.facebook.com/events/390876601419338/

Portal Rock Press