CPM22 e RAIMUNDOS - Rock Brasil anos 90 no Palco Mundo do Rock in Rio!

Na segunda-noite do Rock in Rio 2019, o Palco Mundo recebeu duas CPM22_e_Raimundos_Rock_in_Rio_2019_FOTO_Lu_Valiatti_VER_MAIS_FOTOGRAFIASbandas consagradas no cenário do rock BR. De um lado estava Digão (FOTO) e sua turma, os Raimundos, representantes do cerrado e do bom-humor. De outro, Badauí segue no comando o CPM22, entoando com força os clássicos que marcaram a adolescência de muitos entre o público presente. A apresentação será lembrada por uma monumental marola de nostalgia e as bandas protagonizaram juntas um encontro histórico para o rock nacional.

CPM22 e RAIMUNDOS - Rock Brasil anos 90 no Palco Mundo do Rock in Rio!
Palco Mundo – Rock in Rio – 28 de Setembro de 2019 
TEXTO: Cadu Oliveira - FOTOS: Lu Valiatti/VER + Fotografias

O segundo dia de festival começou com os dois pés na porta. O Palco Mundo abriu as cortinas CPM22_e_Raimundos_Rock_in_Rio_2019_FOTO_Lu_Valiatti_VER_MAIS_FOTOGRAFIASpara mostrar um show duplo cheio de entrosamento e sinergia. Duas bandas tradicionais nos últimos 25 anos (pelo menos) do rock brasileiro se encontraram para promover um verdadeiro festival de clássicos, com hits consagrados que tocaram a exaustão nas rádios da década de 90 e que seguem na programação do dial e das rádios virtuais.

A formação atual da CPM22 tem Badauí no vocal, desde o surgimento da banda, em 1995; Japinha da bateria, Luciano e Phil na guitarra e Fernando no baixo. Já os Raimundos entram em campo com Digão no vocal e guitarra, Fred na bateria, Canisso no baixo, Marquim na guitarra e Caio na batera. Com essa escalação de peso, as duas formações se intercalaram e extraíram do público presente uma chuva de palmas. Vale lembrar que naquele mesmo dia, no Palco Sunset, outra dobradinha dos anos 90 ocorreu com Detonautas e Pavilhão 9 (leia aqui), ou seja, tava tudo conspirado para ser uma festa!

O primeiro som do setlist foi “Mulher de Fases” colocando a pista inteira para cantar e pular junto, com direito a vista pra roda gigante. A dinâmica do show foi movida pelo revezamento entre as bandas. Sendo assim, a segunda pedrada veio da CPM22, com “Regina Let’s Go”. A lista de pérolas seguiu em frente com mais dois tiros certeiros: “Palhas do Coqueiro” e “Dias Atrás”.

Antes de embarcar em “A Mais Pedida”, Digão manda um beijo para seus filhos, “que estão assistindo em casa lá de CPM22_e_Raimundos_Rock_in_Rio_2019_FOTO_Lu_Valiatti_VER_MAIS_FOTOGRAFIASBrasília”, disse. Emendando um clássico no outro, a banda paulista entoa o som que não poderia faltar, quando se está tocando em um dos maiores festivais de música do mundo, tendo passado por tempos difíceis da indústria fonográfica: “O Mundo dá Voltas”.

Em “Reggae do Maneiro” as luzes ficaram das cores do gênero musical eternizado por Bob Marley e o vocalista avisa: “Essa é a hora de tacar fogo, hein”. Depois Badauí relembra a sua última passagem pelo Rock in Rio, em 2015: “Da última vez foi foda, dessa vai ser melhor ainda”, diz antes de puxar a canção do CPM mais cantada pela plateia, “Não sei viver sem ter Você”, que contou com roda e coro a capela de uma multidão embriagada em nostalgia.

Pra agitar, os Raimundos fizeram execução animada de “Puteiro em João Pessoa”. As bandas se completaram, assim como os vocais. Enquanto um tocava, o outro vocalista fazia a segunda voz, se divertindo com o andamento do show. “Chegamos no Roda Viva, agora eu quero ver geral pulando”, disse Digão e os presentes no Palco Mundo obedeceram.

Antes de virar em mais um hit, Badauí brinca com o vocal dos Raimundos: “Quando que naquele quarto fedorento em Brasília tu ia imaginar isso?”, perguntou antes de pedir para todo mundo acender as luzes do celular ou isqueiro. Gritos, pulos, vídeos, abraços e até lágrimas rolaram junto com a “Tarde de Outono”.

Depois disso os guerreiros do cerrado tocaram “I Saw You Saying”, “Me Lambe” e “Eu quero ver o Oco”, essa última com grande euforia por parte dos mais fanáticos, que cantaram junto cada verso. Intercaladas a estas, o CPM completou seu álbum de hits, jogando as figurinhas brilhantes: “Desconfio”, “Inevitável” e a última do show, “Um Minuto para o Fim do Mundo”, encerrando a apresentação com uma hora e dois minutos de puro rock nacional.CPM22_e_Raimundos_Rock_in_Rio_2019_FOTO_Lu_Valiatti_VER_MAIS_FOTOGRAFIAS

Foram no total dezesseis músicas, oito para cada lado. A verdade é que o sonho de alguns artistas como o Drake e outros que se apresentaram no Palco Mundo seria ter canções tão poderosas como as dessas duas bandas, que conseguem deixar todas as potentes caixas de som em silêncio enquanto uma legião de pessoas berra suas letras.

Pra finalizar, um dos vocais deixa a mensagem de resistência. “A esperança não morreu”, repete Badauí por três vezes e completa: “enquanto vocês estiverem aqui a esperança nunca vai morrer”, e pedem barulho – atendidos prontamente. O rock brasileiro resiste! – Cadu Oliveira

Tudo sobre o Rock in Rio leia em Rock Press: http://portalrockpress.com.br/rock-in-rio 
EQUIPE ROCK PRESS NO ROCK IN RIO 2019: Michael Meneses, Cadu Oliveira, Robert Moura, Jonildo Dacyony, Lorena Brand, Thamires Maciano, Ver+ Fotografias

Portal Rock Press