BIENAL INTERNACIONAL DO LIVRO 2019 - Dicas ROCK PRESS para aproveitar o último final de semana!

O maior evento literário do Brasil continua no Rio-Centro na zona oeste carioca, Bienal_do_livro_2019oferecendo várias opções sobre rock, arte, HQs, música e cultura pop em geral. Enquanto isso, o Prefeito do Rio de Janeiro deu “Piti-Homofóbico” e “Fez a Lôka” ao censurar, “Vingadores: A Cruzada das Crianças” da Marvel Comics. Mas, virando a página, os bons preços variam de stand para stand. Estivemos lá, e não só conferimos, como compramos obras com valores nada salgados. Na verdade, por toda a Bienal degustamos de preços adocicados, ou melhor, literalmente poéticos! Segue as dicas Rock Press, para devorar cada página da Bienal!

BIENAL INTERNACIONAL DO LIVRO 2019
Dicas ROCK PRESS para aproveitar o último final de semana do evento!
TEXTOS e FOTOS:
Adriano Dias + Cadu Oliveira + Thamires Marciano + Michael Meneses

A cada dois anos, o Rio Centro recebe um evento que reúne os amantes da literatura. Em sua 18ª edição, a Bienal Internacional do Livro reúne a nata da literatura nacional e internacional. O evento começou no último dia 30 de agosto e segue até domingo 8 de setembro. A Bienal celebra o encontro em prol da cultura, da literatura e da educação. Além disso, o visitante tem a oportunidade de acompanhar debates com os escritores, bate papo com personalidades e outras atrações em diversos stands espalhados nos mais de 98 m² de um dos maiores complexos da cidade do Rio de Janeiro. Enfim, são pavilhões imensos, e se, por acaso, você nunca foi lá, pode preparar suas pernas, pois o que tu mais vais fazer é andar, mas é andar em meio a história, a versos poéticos, cores, é queimar calorias em meio a uma ginástica cultural.
 
Como aqui, música é a serventia da casa, resolvemos indicar algumas publicações interessantes e de baixo custo para você não perder tempo e consumir um produto de qualidade, além de se aprofundar mais sobre a cena rock mundial em meio ao universo literário. Alguns dos títulos são lançamentos, outros são obras consagradas que estão de volta em novas edições.

Marcelo Cri, Cri, Crivella – “Fez a Louca” em novas páginas de um “Piti homofóbico”...
TEXTO: Michael Meneses

Vingadores_Cruzada_das_Criancas_MarvelEm meio a um universo de cores, imaginação e linhas livres para a liberdade que milhares de cariocas e turistas estão vivendo nesses dias de Bienal Internacional do Livro, o Prefeito do Rio de Janeiro Marcello Crivella aprontou mais uma ao censurar “Vingadores: A Cruzada das Crianças”. A Graphic Novels da Marvel Comics e distribuída no Brasil pela Panini Comics/Editorial Salvat, a HQ circula no país desde 2016 e foi classificada com conteúdos “impróprios”. Esse e outros títulos da série estavam disponível em diversos stands, mas com a declaração do prefeito, o mesmo se esgotou rapidamente e certamente, motivou as vendas da série, que aliás, #Recomendamos.
 
Em nota a Bienal do Livro solicitou um mandado de segurança preventivo no Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro, e com isso a segurar a total liberdade de funcionamento desse que é um dos maiores eventos literários do mundo, assim como o direito dos expositores de comercializar títulos de todos os segmentos.

A polêmica do prefeito do Rio, foi um dos assuntos mais comentados nas redes sociais nesta sexta-feira (6/7), seja por fãs dos quadrinhos, autores e por profissionais do mercado editorial. Entre eles, Luiz Schwarcz, CEO e fundador da Companhia das Letras que se manifestou sobre a polêmica  e posicionamento da Bienal: “Ficamos orgulhosos com a posição da organização da Bienal do Rio em defesa da liberdade de expressão e da diversidade. Ela mostra com dignidade a vocação e vontade dos editores. Posturas como a do prefeito Marcelo Crivella e do governador João Doria – que recentemente mandou recolher uma apostila escolar que falava sobre diversidade sexual – tentam colocar a sociedade brasileira em tempos medievais, quando as pessoas não tinham a liberdade de expressar suas identidades. Eles desprezam valores fundamentais da sociedade e tentam impedir o acesso à informação séria, que habilita os jovens a entrar na fase adulta mais preparados para uma vida feliz. Essas medidas, mais a suspensão do edital que daria apoio a produção de filmes LGBTQ+ por parte do governo federal, indicam uma perigosa ascensão do clima de censura no país – flagrantemente inconstitucional – e que traz a marca de um indesejável sentimento de intolerância discriminatória”, declarou Luiz Schwarcz.
 
Títulos que recomendamos – Parte 1... Por: Adriano Dias
Stones - Quem é fã dos Rolling Stones pode aproveitar o livro sobre a vida frenética de seu líder. Em “Mick – A vida louca e o gênio selvagem de Jagger”, Christopher Andersen retrata as inúmeras histórias sobre uma das maiores personalidades da música mundial.
 
The Who - Ainda seguindo no Reino Unido, outra biografia interessante para quem vai aproveitar a Bienal é da de Pete Townshend. A autobiografia do líder do The Who retrata detalhadamente toda as histórias da fase inicial da banda. Desde os primeiros encontros com John Entwistle até a primeira reunião com Roger Daltrey. A publicação detalha também os shows do Detours e a admissão de Keith Moon como primeiro baterista do lendário grupo inglês.
 
Beatles - Quem é beatlemaníaco não fica pra trás na Bienal. “Paul McCartney – A Biografia”, de Phillip Norman, escancara alguns mitos – e confirma algumas verdades - envolvendo o líder dos quatro rapazes de Liverpool ao longo de todo o período que o evidenciou como um dos líderes mais respeitados da cena musical.
 
Lou Reed - Outra boa opção é “Atravessar o Fogo – 310 Letras de Lou Reed”. A publicação traduzida por Christian Schwartz e Caetano Galdino retrata a genialidade do vocal do Velvet Underground de várias formas.
 
Roberto Carlos - Chegando ao solo tupiniquim, outra opção é “O Réu e o Rei - Minha história com Roberto Carlos, em detalhes”. Nesta publicação, Paulo Cesar Araújo apresenta sua relação  com a música de Roberto Carlos e, claro, todo o processo de pesquisa que embasaram a redação da biografia, e por fim os meandros de uma das mais comentadas e controversas guerras judiciais travadas recentemente no Brasil.

Andy Warhol - Outra boa dica é “Andy Warhol – o gênio do Pop”. O livro de Tony Scherman e de David Dalton aponta os bastidores dessa figura icônica dos anos 1960. A publicação leva o leitor para o que acontecia na cena artística através dos olhos do pintor que dividiu a sociedade em sua época.

ENCONTRO DE GIGANTES NA BIENAL
Brasil + Japão: Entre gibis e mangás,
o encontro entre Macoto Tezuka e Maurício de Sousa
TEXTO e FOTOS: Thamires Marciano.

Bienal_do_livro_2019_Macoto_Tezuka_e_Maurício_de_Sousa_FOTO_Thamires_Marciano

Este ano o Japão foi o grande homenageado da Bienal Internacional do Livro, com isso, o evento trouxe como atração o herdeiro do maior nome do mangá no mundo. Macoto Tezuka é filho do grande Osamu Tezuka, criador das obras Astro Boy, Dororo, Dr. Black Jack e Kimba, o Leão Branco.

Osamu, até hoje é conhecido como “O DEUS DO MANGÁ” e claro, seu filho carrega o legado da família Tezuka com muito orgulho. O mesmo é responsável pela produção da adaptação em anime das histórias do Dr. Black Jack, um cirurgião talentoso que atua no submundo cobrando altas quantias em dinheiro por suas cirurgias quase que milagrosas e que embarca em diversas aventuras ao lado da sua assistente Pinoko, que apesar de ter 18 anos, vive em uma casca artificial criada pelo próprio Black Jack que a mantém com aparência de criança.

O bate-papo entre Macoto Tezuka e Maurício de Sousa, além de um marco para os fãs, serviu também como uma ponte para novas parcerias e até mesmo crossovers. Macoto é um respeitado diretor de cinema e anime no Japão, e deixou claro na conversa o desejo de seu pai em trabalhar com Mauricio de Sousa, desejo esse que ele faz questão de cumprir – quem sabe não podemos esperar um projeto dessa dupla? - Os autores se encontraram no painel “Conexão Brasil – Japão através do incrível universo dos quadrinhos” onde falaram sobre os encontros na vida, além de responderem perguntas do público. A palestra foi encerrada com perguntas da plateia e uma “mega selfie” feita pelos convidados. O encontro de gigantes aconteceu, no dia 4 de setembro, sexto dia de Bienal Internacional do Livro.

Mais música na Bienal do Livro 2019
TEXTO e FOTOS: Cadu Oliveira

Bienal_do_livro_2019Visitar a Bienal do Livro é sempre uma experiência fantástica. Observar o efervescer da curiosidade de milhares de pessoas pelo mercado literário semeia esperança no coração de quem ama cultura. Em missão pela Rock Press, catei dez publicações sobre música para indicar aqui. A maior parte são biografias, mas teve espaço para quadrinhos, jornalismo e até um verdadeiro achado para fãs de Heavy Metal.

O evento é diverso e imenso. Entre pavilhões e multidões, assisti Marcelo Gularte recitar poesia com ditados populares. No stand da Secretaria de Cultura e Economia Criativa, o palestrante animado falou sobre “a construção do diálogo através dos ditos”. O autor calcula que já catalogou mais de 30 mil ditados, tendo entrado para o livro dos recordes. Logo ao lado, no stand da Prefeitura de Niterói, acontecia uma contação de histórias africanas. Vestidas coloridas e repletas de simpatia, três senhoras se revezaram na narrativa interativa. “Penda”, “Não derrame o leite” e “Batu – Filho do Rei”, história da Etiópia, foram os que tive o prazer de ouvir.

Andando pela feira, encontrei no espaço da Companhia Editora Nacional o vendedor Fernando Leandro, 37 anos, que indicou uma verdadeira pérola, que está (na estante da Rock Press), uma verdadeira bíblia do Metal, Barulho Infernal: A história definitiva do Heavy Metal – Jon Wiederhorn e Katherine Turman. Sem mais delongas, porque a feira já acaba neste domingo (8/9), vamos às preciosas dicas para apreciadores do mercado bibliográfico musical:

Títulos que recomendamos – Parte 2... Por: Kadu Oliveira
Do Rock ao Clássico – Arthur Dapieve -
Colunista da imprensa carioca por mais de duas décadas, Dapieve reúne aqui o que chama de “crônicas afetivas sobre música”. O livro conta com uma coleção memorável de cem textos, organizados em cinco partes: Rock, rock nacional, música brasileira junto com latina, black music e, por fim, a música clássica. Estava lá no stand da Ediouro. Dapieve estará em um bate-papo, às 17h, no espaço Café Literário e em seguida, haverá uma sessão de autógrafos no stand da Ediouro.

Bowie_Wendy_LeighBowie – Wendy Leigh - David Bowie é um nome reconhecido por todos os fãs do Rock. Este livro traz a biografia do astro britânico de sua infância problemática, passando por sua juventude alucinada e carreira quebradora de tabus. A verve de subversão e criatividade característica do cantor estão presentes da obra e no layout da capa da edição brasileira. Editora Record.

Ney Matogrosso – Vira-Lata de Raça - O livro autobiográfico conta os momentos mais marcantes da história do cantor que despontou com a revolucionária banda Secos & Molhados. De lá para cá, não há quem possa duvidar que Ney Matogrosso não tenha histórias para contar. Lá no Boulevard do Livro.

Favorita – Rita Lee - Lançado em 2018, o livro é uma comemoração aos 70 anos da diva do Rock nacional. A edição é luxuosa e especial, contando com “textos autobiográficos e outros devaneios da autora”. A capa promete ainda “imagens inéditas e músicas proibidas”. Lá na Seleta Livros.

Kraftwerk Publikation: A Biografia – David Bucley - “Uma história Kraftwerk_Publikation_A_Biografia_e_Caetano_Uma_Biografiasociocultural dos precursores da música eletrônica feita para as massas”, diz a capa. A obra marca o encontro de fatores interessantes: a história do grupo alemão que roubou a cena do gênero e a capacidade de narrativa jornalística instigante do autor. Também no Grupo Editorial Pensamento.

Caetano, Uma Biografia – Carlos Eduardo Drummond e Marcio Nolasco - O artista protagonizou o mais emblemático movimento de contracultura que esse país já viu, o Tropicalismo. Além disso, fincou raízes na história da música popular brasileira com criatividade e ímpeto intelectual. O livro é resultado de uma pesquisa de 20 anos dos autores. Stand Grupo Editorial Pensamento.

Racionais Mcs – Sobrevivendo no Inferno - O clássico álbum de capa e conteúdos icônicos virou livro! Racionais está no topo da lista entre os maiores nomes do Rap Nacional e o “Sobrevivendo no Inferno” é um disco absolutamente fundamental para a história do Hip-Hop brasileiro. Merece demais virar livro, com verso, prosa e ilustração. Também na Seleta Livros.
Kurt_Cobain_Quando_eu_era_um_Alien
Kurt Cobain: Quando eu era um Alien – Danilo Deninotti e Toni Bruno - A publicação é uma graphic novel que conta a trajetória do ídolo fundador da banda Nirvana. Os quadrinistas italianos utilizaram uma paleta azul para compor o universo lunático do ícone incompreendido. Também na Companhia Editora Nacional.

45 Rotações de Rock – Herve Bourhis - “Uma seleção ilustrada e subjetiva dos singles mais emblemáticos do rock”. O autor é francês e mestre em misturar quadrinhos com o universo musical. O livro conta com 45 indicações de discos de 45 rotações lançados de 1945 pra cá. Que ideia... Companhia Editora Nacional.

Barulho_Infernal_A_história_definitiva_do_Heavy_MetalBarulho Infernal: A história definitiva do Heavy Metal – Jon Wiederhorn e Katherine Turman - Este livro conta com cerca de 400 entrevistas e reúne o trabalho de pesquisa da dupla de jornalistas que acompanha a visceral cena do metal “desde sua concepção até os dias de hoje”. A obra conta com depoimentos, ilustrações e mais de 700 páginas de conteúdo sobre o gênero! Achado na Companha Editora Nacional.

E a liberdade da Bienal continua...
Esqueçam a polêmica e principalmente as ideias retrogradas do Prefeito do Rio de Janeiro. A Bienal Internacional do Livro segue como páginas emocionantes de um livro de aventura em seu último final de semana e com toda sua programação confirmada, e que inclui debates com autores, artistas, pensadores e acadêmicos do Brasil, em pauta,  diversos temas, entre os quais, música, fake news, felicidade, ciências, maternidade, teatro, literatura trans, LGBTQA+ e muito mais. Ou seja, todos são bem-vindos, principalmente a garotada, que ganhou um pavilhão exclusivo, onde ocorrem contação de histórias, lançamento de livros e espetáculos circenses.

Uma dica primordial...
Por fim, a melhor forma de comprar muitos livros e gastar pouco é aproveitando a “xepa literária”, muitos deixam para comprar nos últimos dias de Bienal, considerado pelos fãs de livros e afins, como um grande “bota-fora” onde é possível encontrar livros, mangás, novels e HQ’S  com preços mais acessíveis ou até mesmo, pela metade do preço. – Equipe Rock Press: Adriano Dias + Cadu Oliveira + Thamires Marciano + Michael Meneses.

Portal Rock Press